Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Reforço do caixa da entidade mundial das normas contábeis

Reforço do caixa da entidade mundial das normas contábeis

04/07/2012 Vagner Jaime Rodrigues

Em 2011, o Brasil fez uma contribuição de 229 mil libras à IFRS Foundation.

Trata-se da instituição arrecadadora dos recursos que financiam o International Accouting Standards Board (IASB), o conselho supranacional, sediado em Londres, responsável pela edição das normas internacionais de contabilidade (em inglês, International Financial Reporting Standards - IFRS).

O foco da entidade é a criação e disseminação de uma linguagem contábil unificada para a apresentação de demonstrações financeiras. Para o mercado, inclusive de capitais, a difusão desse padrão favorece o gerenciamento de situações de crise, a transparência, a segurança e a qualidade dos informes financeiros.

No âmbito das empresas, é um facilitador para a abertura de capital, a obtenção de crédito e a prestação de contas para os vários stakeholders. O IASB é um organismo independente, mantido por doações (públicas e privadas) e pela venda de publicações. Hoje, as grandes empresas de auditoria formam seu principal grupo mantenedor, à frente inclusive dos Estados Unidos – o país que mais contribuiu em 2011, com 1,7 milhão de libras.

Como mostra o relatório anual da entidade, sozinhas elas garantiram cerca de 20% (5,8 milhões de libras) do orçamento da instituição. O que muitos se perguntam é se o voluntarismo dos participantes e apoiadores deve continuar alicerçando a vida financeira da entidade.

Ou se esse modelo aumenta a vulnerabilidade a problemas de governança. Embora historicamente nada exista que embase tal receio, fica a dúvida: a disparidade excessiva nos valores doados pode comprometer a independência de julgamento do IASB em situações nas quais se espera que ele atue como um árbitro frente às grandes crises internacionais?

Uma das soluções para eliminar o risco é que a conta passe a ser dividida segundo parâmetros mais consistentes. A principal tendência é que a lógica da proporcionalidade com o PIB imponha-se naturalmente como denominador para determinar as contribuições dos países adeptos.

Também não causaria estranheza se a entidade começasse a cobrar das empresas que adotam as normas internacionais. Nesse cenário, o futuro pode pedir uma participação mais consistente por parte das instituições e empresas brasileiras. Em 2011, a contribuição do Brasil (sexto maior PIB mundial) ficou abaixo da realizada pela Índia (11o PIB no ranking e contribuição de 256,7 mil libras).

No ano anterior, nossa presença foi ainda mais tímida: 196,8 mil libras. Ou seja, em 2011 doamos 16,3% mais do que em 2010, o que evidentemente não espelha o crescimento de apenas 2,7% no PIB entre os dois períodos. Os números mostram, no mínimo, que falta a consolidação de parâmetros mais precisos para as contribuições.

Cedo ou tarde, o debate das alternativas de sustentação das atividades da entidade acontecerá. Enquanto o assunto amadurece, o IASB espera reforçar o caixa com o aumento da participação de Estados Unidos, Canadá, China, Japão, Rússia e países emergentes que estejam aderindo ao padrão. Na América Latina, por exemplo, apenas o Brasil já deu esse passo.

Argentina e México começam a adotar as normas internacionais de contabilidade em 2012, mas as outras nações do bloco ainda não se pronunciaram.

Vagner Jaime Rodrigues é mestre em contabilidade, sócio da Trevisan Gestão & Consultoria e professor da Trevisan Escola de Negócios.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.