Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Reforma trabalhista e o muro de Berlim

Reforma trabalhista e o muro de Berlim

19/09/2017 Maria Inês Vasconcelos

Infelizmente, a reforma em comento, é mais uma tentativa de confundir a sociedade brasileira.

Sob o manto de aumentar a competitividade, modernizar, diminuir os custos das relações de emprego e gerar crescimento econômico, foi aprovada, a chamada reforma trabalhista; regida pela Lei 13.467 de 13 de julho de 2017, que entra em vigor no dia 11 de novembro modificando mais de cem artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Infelizmente, a reforma em comento, é mais uma tentativa de confundir a sociedade brasileira, quanto às dimensões reais, do que de fato está ocorrendo no mundo do trabalho neste país. Fala-se muito de modernização, diminuição de custos com o passivo trabalhista, aumento da produção e flexibilidade.

Mas o verdadeiro fator motivacional desta reforma é puramente impedir o acesso à justiça e asfixiar o trabalhador brasileiro, criando um verdadeiro muro entre a empresa e o trabalhador, segregando estes últimos. O discurso de necessidade de modernizar as relações de trabalho e fazer o país crescer são apenas subterfúgios utilizados pelos que terão benefícios diretos com a precarização dos direitos trabalhistas, qual seja: a elite empresária, representada no capital especulativo e internacional.

Temos que ter consciência, a justiça e a paz estão situadas no equilíbrio entre a força do capital e a força do trabalho. Sempre foi assim. É somente essa consciência, que poderá nos libertar desta âncora, que nos prende às ideias vendidas pela mídia, e nos faz acreditar piamente, de que a precarização do direito do trabalhador e as restrições de acesso à Justiça, irão retirar o Brasil da grave crise econômica em que se meteu.

Empobrecer o trabalhador é a contramão do crescimento, pois trabalhador pobre não consome. Assim, espera-se daqueles que possam realmente corrigir os desvios propiciados pela reforma, no campo social e jurídico, atitude, pois será necessário reequilibrar, a força capital-trabalho.

Não podemos assistir pacificamente, o estatuto inconstitucional e desumano, implantado com esta suposta " reforma”, o que nem de longe vai possibilitar o alcance da prosperidade tão almejada e tampouco salvar um país desmantelado por grave crise institucional, econômica e política.

Como disse Sêneca: "É sempre importante separar duas coisas: o temor do porvir, e a lembrança dos fatos já ocorridos." Construir um muro de Berlim, não emudecerá a justiça e tampouco os trabalhadores.

Enfim, é preciso torcer para o resgate do pensamento humanístico na relação homem-trabalho, temer o porvir e agir enquanto é tempo. Caso contrário, assistiremos a muitos confrontos, embates jurídicos, crise social, sofrimento e, finalmente, a queda do muro.

* Maria Inês Vasconcelos é Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.