Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Reforma trabalhista e o muro de Berlim

Reforma trabalhista e o muro de Berlim

19/09/2017 Maria Inês Vasconcelos

Infelizmente, a reforma em comento, é mais uma tentativa de confundir a sociedade brasileira.

Sob o manto de aumentar a competitividade, modernizar, diminuir os custos das relações de emprego e gerar crescimento econômico, foi aprovada, a chamada reforma trabalhista; regida pela Lei 13.467 de 13 de julho de 2017, que entra em vigor no dia 11 de novembro modificando mais de cem artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Infelizmente, a reforma em comento, é mais uma tentativa de confundir a sociedade brasileira, quanto às dimensões reais, do que de fato está ocorrendo no mundo do trabalho neste país. Fala-se muito de modernização, diminuição de custos com o passivo trabalhista, aumento da produção e flexibilidade.

Mas o verdadeiro fator motivacional desta reforma é puramente impedir o acesso à justiça e asfixiar o trabalhador brasileiro, criando um verdadeiro muro entre a empresa e o trabalhador, segregando estes últimos. O discurso de necessidade de modernizar as relações de trabalho e fazer o país crescer são apenas subterfúgios utilizados pelos que terão benefícios diretos com a precarização dos direitos trabalhistas, qual seja: a elite empresária, representada no capital especulativo e internacional.

Temos que ter consciência, a justiça e a paz estão situadas no equilíbrio entre a força do capital e a força do trabalho. Sempre foi assim. É somente essa consciência, que poderá nos libertar desta âncora, que nos prende às ideias vendidas pela mídia, e nos faz acreditar piamente, de que a precarização do direito do trabalhador e as restrições de acesso à Justiça, irão retirar o Brasil da grave crise econômica em que se meteu.

Empobrecer o trabalhador é a contramão do crescimento, pois trabalhador pobre não consome. Assim, espera-se daqueles que possam realmente corrigir os desvios propiciados pela reforma, no campo social e jurídico, atitude, pois será necessário reequilibrar, a força capital-trabalho.

Não podemos assistir pacificamente, o estatuto inconstitucional e desumano, implantado com esta suposta " reforma”, o que nem de longe vai possibilitar o alcance da prosperidade tão almejada e tampouco salvar um país desmantelado por grave crise institucional, econômica e política.

Como disse Sêneca: "É sempre importante separar duas coisas: o temor do porvir, e a lembrança dos fatos já ocorridos." Construir um muro de Berlim, não emudecerá a justiça e tampouco os trabalhadores.

Enfim, é preciso torcer para o resgate do pensamento humanístico na relação homem-trabalho, temer o porvir e agir enquanto é tempo. Caso contrário, assistiremos a muitos confrontos, embates jurídicos, crise social, sofrimento e, finalmente, a queda do muro.

* Maria Inês Vasconcelos é Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.



O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.