Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reforma trabalhista e o muro de Berlim

Reforma trabalhista e o muro de Berlim

19/09/2017 Maria Inês Vasconcelos

Infelizmente, a reforma em comento, é mais uma tentativa de confundir a sociedade brasileira.

Sob o manto de aumentar a competitividade, modernizar, diminuir os custos das relações de emprego e gerar crescimento econômico, foi aprovada, a chamada reforma trabalhista; regida pela Lei 13.467 de 13 de julho de 2017, que entra em vigor no dia 11 de novembro modificando mais de cem artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Infelizmente, a reforma em comento, é mais uma tentativa de confundir a sociedade brasileira, quanto às dimensões reais, do que de fato está ocorrendo no mundo do trabalho neste país. Fala-se muito de modernização, diminuição de custos com o passivo trabalhista, aumento da produção e flexibilidade.

Mas o verdadeiro fator motivacional desta reforma é puramente impedir o acesso à justiça e asfixiar o trabalhador brasileiro, criando um verdadeiro muro entre a empresa e o trabalhador, segregando estes últimos. O discurso de necessidade de modernizar as relações de trabalho e fazer o país crescer são apenas subterfúgios utilizados pelos que terão benefícios diretos com a precarização dos direitos trabalhistas, qual seja: a elite empresária, representada no capital especulativo e internacional.

Temos que ter consciência, a justiça e a paz estão situadas no equilíbrio entre a força do capital e a força do trabalho. Sempre foi assim. É somente essa consciência, que poderá nos libertar desta âncora, que nos prende às ideias vendidas pela mídia, e nos faz acreditar piamente, de que a precarização do direito do trabalhador e as restrições de acesso à Justiça, irão retirar o Brasil da grave crise econômica em que se meteu.

Empobrecer o trabalhador é a contramão do crescimento, pois trabalhador pobre não consome. Assim, espera-se daqueles que possam realmente corrigir os desvios propiciados pela reforma, no campo social e jurídico, atitude, pois será necessário reequilibrar, a força capital-trabalho.

Não podemos assistir pacificamente, o estatuto inconstitucional e desumano, implantado com esta suposta " reforma”, o que nem de longe vai possibilitar o alcance da prosperidade tão almejada e tampouco salvar um país desmantelado por grave crise institucional, econômica e política.

Como disse Sêneca: "É sempre importante separar duas coisas: o temor do porvir, e a lembrança dos fatos já ocorridos." Construir um muro de Berlim, não emudecerá a justiça e tampouco os trabalhadores.

Enfim, é preciso torcer para o resgate do pensamento humanístico na relação homem-trabalho, temer o porvir e agir enquanto é tempo. Caso contrário, assistiremos a muitos confrontos, embates jurídicos, crise social, sofrimento e, finalmente, a queda do muro.

* Maria Inês Vasconcelos é Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.



Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).