Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Resposta ao ex-juiz Moro e seu ataque à advocacia

Resposta ao ex-juiz Moro e seu ataque à advocacia

07/02/2022 Bady Curi Neto

Confesso, de público, que fiquei estupefato ao ler em um site jurídico uma matéria com o título “Moro x Criminalistas: Ex-Juiz ataca advogados em corrida eleitoral”.

O possível candidato à disputa do cargo de representante maior da nação e ex-juiz, ao responder – na revista Veja – sobre as críticas da operação Lava-Jato realizadas por alguns advogados, disse:

“Há um grupo de advogados, como esse Prerrogativas, trabalhando pela impunidade de corruptos. Esses mesmos advogados se arvoram de alguma espécie de ética, de alguma espécie de superioridade moral em relação ao Ministério Público e em relação aos juízes que participaram desses casos. No fundo a vergonha está neles.”

A perplexidade se deu por acusar ou misturar as figuras dos advogados com os investigados e/ou réus do processo da Lava-Jato.

Ora, se um ex-magistrado não sabe diferenciar o exercício da advocacia, na defesa de quem quer que seja, com as condutas imputadas aos clientes, ou tem um desvirtuamento moral ou não conhece a legislação pátria, não estando à altura da envergadura do cargo que ocupou para julgar seus semelhantes.

Sinto-me confortável para dizê-lo por que no início da operação, fui um de seus defensores, até verificar os desmandos e arbitrariedades perpetradas durante a lava-jato e seus desdobramentos.

Quem não se lembra dos excessos de prisões preventivas no intuito de fragilizar o investigado, em verdadeira tortura psicológica, para conseguir uma “extorsão” premiada, invertendo a ordem natural do processo, como dito pelo Ministro Marco Aurélio, cuja fala, reproduzo:

“Temos no cenário nacional uma inversão da ordem natural das coisas. Vem da Constituição o princípio da não culpabilidade. Mas infelizmente, ao invés de apurar-se para, selada a culpa, prender-se, prende-se para depois apurar.”

E os vazamentos seletivos nunca apurados ou mesmo a divulgação de textos pinçados com quebra de processos sigilosos para alcançar os aplausos da população.

Para não estender, o que dizer do PowerPoint do ex-Presidente Lula apresentado pelo ex-Procurador Dallagnol, antes de qualquer condenação ou mesmo da aceitação da denúncia.

E de sua condução coercitiva, sem a devida intimação pretérita ou recusa de depor perante a autoridade policial? Tais fatos não há explicação, a não ser arbitrariedade.

Por último trago a lembrança dos leitores que o ex-juiz determinou a quebra de sigilo telefônico do ex-presidente e seu advogado Roberto Teixeira.

Sinto-me, novamente, confortável para trazer a lume estas reminiscências ocorridas durante o processo e a operação Lava-Jato, mormente no tocante ao ex-presidente Lula, já que nunca, em momento algum fui seu eleitor, mas acredito na justiça imparcial e não no justiçamento, sendo o investigado/réu quem quer seja.

Antes do estapafúrdio ataque aos advogados, o ex-juiz deveria ler o art. 133 da Constituição Federal: “O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.”

Nas sociedades civilizadas, na qual impera, não o absolutismo, mas o Estado Democrático de Direito, lembro ao ex-juiz que ninguém pode ser processado criminalmente sem o auxílio de um advogado, atuando como defensor e com a observância do devido processo legal.

Por fim, a lição do saudoso Sobral Pinto; “A advocacia não é profissão para covardes” e com a beca sobre os ombros, carregamos o dever de defendermos nossos clientes e curvarmos, somente, a legislação pátria.

Por isso a lei 8906/94, em seu artigo 6º, que o ex-magistrado deve desconhecer, preceitua: “Não há hierarquia nem subordinação entre advogados, magistrados e membros do Ministério Público, devendo todos tratar-se com consideração e respeito recíprocos.”

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre advocacia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”