Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reuniões: desperdício de tempo e dinheiro?

Reuniões: desperdício de tempo e dinheiro?

07/06/2016 Eduardo Henrique Niess Pokk

Por que tantas empresas acabam se atrapalhando em vez de se ajudar com as continuas e inesgotáveis reuniões?

Reuniões: desperdício de tempo e dinheiro?

Faz algum tempo que não escrevo sobre problemas que encontro dentro de empresas, isso porque tenho me dedicado muito mais à atividade de psicologia clínica do que ao RH, apesar de continuar a fazê-lo. Porém, quero comentar um contexto que tenho percebido há anos e que gera muita polêmica e também gastos desnecessários de tempo e dinheiro: reuniões que são feitas de “baciada”, porém não tem qualquer sentido para acontecer.

Você que participa diariamente de um ambiente corporativo, concordará comigo que existem reuniões que são estipuladas e quando você participa, a única coisa que fica torcendo para acontecer é que acabe o mais rápido possível. Mas por que isso acontece? Na maior parte das vezes as reuniões acontecem com o intuito de resolver todos os problemas possíveis e imagináveis, mas obvio, isso não acontece. O que se faz é perder horas discutindo assuntos, tendo conversas vazias, muitas vezes levando a irritação grande parte de seus participantes (o que também os desvia do objetivo), levando a um cansaço extremo e a frustração de todos, inclusive daqueles que não participaram, mas esperavam algum tipo de resolução e também de ação depois da reunião.

Então deixo aqui duas dicas fantásticas para que isso não aconteça:

1) Acredite, reuniões são extremamente caras para qualquer empresa pelo simples fato de que a cada período gasto com ela, outro meio período será despendido para que quem participou possa voltar sua concentração ao que foi contratado para fazer. Então, leve em conta este item e planeje, raciocine e reflita se realmente a reunião que você quer agendar é necessária, se há um real propósito para tirar pessoas de seus afazeres, ou se você está fazendo isso por uma mera questão de rotina.

2) Assim como era na época de escola e faculdade, qualquer trabalho em grupo obrigatoriamente deve ter um objetivo. Isso pode parecer mais do que óbvio, porém não é o que acontece com grande parte das reuniões marcadas. Vocês sabem bem que, grande parte das vezes, a própria pessoa que agendou uma reunião, não sabe ao certo qual seria o objetivo dela. Existe uma sigla em inglês que define bem o que deve ser feito, abreviadamente e adequadamente, ela se chama SMART (Specific, Measurable, Assignable, Realistic and Time-definable), que, traduzido para o português significa: Específico, mensurável, delegável, realista e com um prazo definível. Então quando pensar em marcar uma reunião, utilize-se deste conceito. Se você não conseguir definir todas as regras (para grande parte das vezes), então repense se há realmente a necessidade de conduzi-la e agendá-la.

Creio que se levarem em conta estes 2 itens, serão muito mais produtivos e muito menos caros para uma empresa, fazendo com que possam focar realmente naquilo para que foram contratados, o que, por consequência, lhe dará mais destaque e também um possível desenvolvimento em sua carreira.

* Eduardo Henrique Niess Pokk é Psicólogo Clínico e Sócio diretor da Pokk Clínica de Psicologia.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa