Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Reuniões: desperdício de tempo e dinheiro?

Reuniões: desperdício de tempo e dinheiro?

07/06/2016 Eduardo Henrique Niess Pokk

Por que tantas empresas acabam se atrapalhando em vez de se ajudar com as continuas e inesgotáveis reuniões?

Reuniões: desperdício de tempo e dinheiro?

Faz algum tempo que não escrevo sobre problemas que encontro dentro de empresas, isso porque tenho me dedicado muito mais à atividade de psicologia clínica do que ao RH, apesar de continuar a fazê-lo. Porém, quero comentar um contexto que tenho percebido há anos e que gera muita polêmica e também gastos desnecessários de tempo e dinheiro: reuniões que são feitas de “baciada”, porém não tem qualquer sentido para acontecer.

Você que participa diariamente de um ambiente corporativo, concordará comigo que existem reuniões que são estipuladas e quando você participa, a única coisa que fica torcendo para acontecer é que acabe o mais rápido possível. Mas por que isso acontece? Na maior parte das vezes as reuniões acontecem com o intuito de resolver todos os problemas possíveis e imagináveis, mas obvio, isso não acontece. O que se faz é perder horas discutindo assuntos, tendo conversas vazias, muitas vezes levando a irritação grande parte de seus participantes (o que também os desvia do objetivo), levando a um cansaço extremo e a frustração de todos, inclusive daqueles que não participaram, mas esperavam algum tipo de resolução e também de ação depois da reunião.

Então deixo aqui duas dicas fantásticas para que isso não aconteça:

1) Acredite, reuniões são extremamente caras para qualquer empresa pelo simples fato de que a cada período gasto com ela, outro meio período será despendido para que quem participou possa voltar sua concentração ao que foi contratado para fazer. Então, leve em conta este item e planeje, raciocine e reflita se realmente a reunião que você quer agendar é necessária, se há um real propósito para tirar pessoas de seus afazeres, ou se você está fazendo isso por uma mera questão de rotina.

2) Assim como era na época de escola e faculdade, qualquer trabalho em grupo obrigatoriamente deve ter um objetivo. Isso pode parecer mais do que óbvio, porém não é o que acontece com grande parte das reuniões marcadas. Vocês sabem bem que, grande parte das vezes, a própria pessoa que agendou uma reunião, não sabe ao certo qual seria o objetivo dela. Existe uma sigla em inglês que define bem o que deve ser feito, abreviadamente e adequadamente, ela se chama SMART (Specific, Measurable, Assignable, Realistic and Time-definable), que, traduzido para o português significa: Específico, mensurável, delegável, realista e com um prazo definível. Então quando pensar em marcar uma reunião, utilize-se deste conceito. Se você não conseguir definir todas as regras (para grande parte das vezes), então repense se há realmente a necessidade de conduzi-la e agendá-la.

Creio que se levarem em conta estes 2 itens, serão muito mais produtivos e muito menos caros para uma empresa, fazendo com que possam focar realmente naquilo para que foram contratados, o que, por consequência, lhe dará mais destaque e também um possível desenvolvimento em sua carreira.

* Eduardo Henrique Niess Pokk é Psicólogo Clínico e Sócio diretor da Pokk Clínica de Psicologia.



Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.