Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Roberto Jefferson x José Dirceu

Roberto Jefferson x José Dirceu

22/10/2010 Helder Caldeira

O universo político brasileiro é tautológico. Pobre daquele que acredita que o grande embate das eleições presidenciais de 2010 está sendo travado entre o tucano José Serra e a petista Dilma Rousseff. Comparar nas urnas as eras Fernando Henrique Cardoso e Lula? Que nada! O tabuleiro de xadrez transformou-se num ringue de sumô, onde os verdadeiros rikishis são Roberto Jefferson e José Dirceu, um agarrado no mawashi do outro.

De um lado, Roberto Jefferson, 57 anos, advogado petropolitano, presidente nacional do PTB, cantor lírico e motociclista nas horas de folga. Na década de 80 pesava mais que a Dona Redonda de Saramandaia e desfilava seu chapéu Panamá em uma F1000, único carro que lhe permitia entrar em pé. Nos anos 90 integrou a tropa de choque contra o impeachment, uma espécia de BOPE do ex-presidente Fernando Collor de Mello.

A redenção de Roberto Jefferson veio nos primeiros anos desse novo século. Começou a fazer aulas de canto e desfez-se de uma centena de quilos que lhe sobravam. Rejuvenesceu. Ficou garotão. Nesse impulso de rebeldia pueril, despiu-se no meio da avenida política. Subiu à tribuna e denunciou o maior escândalo de corrupção da história recente da República. Seu depoimento na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados, no dia de seu aniversário, foi mais assistido que final de Copa do Mundo. Mas, como dedou a ladroagem de seus pares, foi torturado e cassado. Recentemente lançou um CD de músicas românticas onde, entre outras pérolas, cantam bem “Fly me to the Moon” e “Smile”.

Do outro lado, José Dirceu, 64 anos, mineiro de Passa-Quatro (o que, na enciclopédia da corrupção, parece-me bastante sugestivo), também é advogado e membro da executiva nacional do PT, para os quais é um símbolo de resistência. Foi um dos presos políticos trocados pela libertação do embaixador americano Charles Elbrick, sequestrado nos Anos de Chumbo. Foi deportado para o México e, logo depois, exilou-se em Cuba. Nas tentativas de voltar ao Brasil clandestinamente, transformou o rosto com plásticas e mudou de nome, dando origem ao hoje famigerado “Zé” Dirceu.

Com a eleição de Lula em 2002, passou a ser o segundo homem mais poderoso da República, como ministro-chefe da Casa Civil. Após ser acusado de chefiar uma quadrilha política que assaltava os cofres do país, de comprar deputados no escândalo conhecido como Mensalão e de provocar “instintos primitivos” em Roberto Jefferson, Dirceu deixou o ministério e, posteriormente, teve seu mandato de deputado federal cassado. Assim como Jefferson, mantem um blog na internet onde escreve “abobrinhas”.

Nestas eleições presidenciais, estão em campos opostos. Dirceu integra a campanha da companheira Dilma Rousseff. Jefferson engrossa a massa do comitê do tucano José Serra. Nos bastidores, o grande burburinho é para saber quem sairá vitorioso e regressará ao Palácio do Planalto com direito a tapete vermelho, aplausos efusivos da plateia e, quem sabe, levar de brinde um ministério ou uma estatal. Quem vencerá: José Dirceu ou Roberto Jefferson? Está oficialmente aberta a temporada de apostas. Façam as suas!

* Helder Caldeira - Escritor, Articulista Político, Palestrante e Conferencista - heldercaldeira@estadao.com.br



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.