Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saiba como se portar nas festas de fim de ano da empresa

Saiba como se portar nas festas de fim de ano da empresa

15/12/2014 Ricardo M. Barbosa

As festas de fim de ano das empresas são ótimas oportunidades de fortalecer as relações com companheiros de trabalho e até mesmo amenizar o clima no dia a dia no futuro.

Contudo, frequentemente vejo profissionais reclamando de excessos cometidos por outros ou mesmo o sentimento de culpa por besteiras feitas durante os eventos. Normalmente, os companheiros de trabalho, depois desses casos, falam que não tem motivos para preocupação, já que isso se deu em um evento isolado e não terá reflexo no futuro do profissional, contudo, lamento informar que isso não é verdade.

Comportamentos errados nessas ocasiões podem (e serão) usados contra que os praticou no futuro, seja por meio de fofocas ou até mesmo na avaliação dos resultados dos profissionais. Isso se dá pelo fato de ser muito difícil ocorrer uma total desassociação da vida pessoal com a vida profissional, assim, muito cuidado com a postura e os limites em ambientes de confraternizações. Pensando nisso elaborei algumas orientações:

Beba com moderação – esse é o maior arrependimento dos profissionais nas festas de fim de ano, bebem além do limite e fazem besteira, depois na volta ao trabalho ficam morrendo de vergonha. Assim, muita parcimônia nessa hora, pode beber, mas, não exagere, mostre limites. Não fique com a fama do bêbado da empresa!

Com que roupa? – a roupa também é um grande problema, as pessoas acham que podem se vestir como em suas casas ou em uma balada, mas isso não é verdade, roupas muito curtas, roupas com mensagens agressivas e excessos podem pegar mal, fazendo com que se torne alvo das conversas. Busque usar roupas discretas e confortáveis, sem excessos e vulgaridades.

Cuidado com a gula – lembra-se da frase ‘olha o morto de fome’? Você pode ser alvo da mesma, assim, coma bem, mas evite excesso. Também não é de bom tom a piadinha: ‘se o chefe está pagando, vou aproveitar e comer tudo que posso!’.

Fala muito! – cuidado com o que se fala durante a festa, está certo que o ambiente é de descontração, mas não é por causa disso que você pode se expor desnecessariamente, falando mal do trabalho de colegas ou mesmo falando palavrões e outras besteiras. As pessoas vão lembrar-se do que foi dito e podem repercutir muito mal profissionalmente.

Hora da paquera? – ‘dar encima de alguém’ na festa de fim de ano pode não pegar bem e pode gerar confusão, não aproveite a oportunidade para paquerar, não é o local apropriado. Pior ainda é ‘ficar’ com um colega de trabalho, pois isso pode gerar um grande desconforto e com certeza será alvo de fofoca.

Presenteie corretamente – na hora de presentear alguém ou em um amigo secreto, muito cuidado com o que vai comprar. Presentes de muito abaixo valor ou muito caro podem pegar mal. Também evite brincadeiras desnecessárias. No caso dos inimigos secretos, mais cuidados ainda!

É confraternização, não carnaval – na hora de dançar cuidado com a postura, danças muito sensual podem pegar mal, bem como ficar gritando exageradamente, alegria não é histeria!

*Ricardo M. Barbosa é diretor executivo da Innovia Training & Consulting.



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan