Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Salvem os professores

Salvem os professores

04/06/2021 Maria Inês Vasconcelos

A sala de aula da contemporânea idade revela que os professores estão no laboratório.

Ministrar aulas on-line se tornou um negócio de risco, já que o conteúdo fica gravado e pode ser visto diversas vezes, e inclusive até comercializado.

A aula é um ativo de enorme valor. Por isso, a sua comercialização transcende do campo jurídico trabalhista, passa pelos direitos da personalidade, exigindo análises intrincadas.

Hoje, a sala de aula, sem sombra de dúvida, é um local de risco. As alternativas tecnológicas causam uma opressão absurdas sobre o professor e ainda falta mentoria digital, de infraestrutura juntamente com as diferenças sociais no acesso à tecnologia e dificuldades com a aula remota.

Esse é o palco do trabalho do docente. Neste lugar, conflito os direitos da personalidade, a ponto de a liberdade de cátedra ficar comprometida.

O trabalho, que pela Constituição Brasileira deveria ser prestado de forma livre, humanizada, é invasão das esferas psicológicas e está transmutado para uma verdadeira cadeia.

Temendo o desgaste de sua identidade, seja no campo profissional, seja outras esferas, o professor hoje trabalha com medo.

A sala de aula é uma arma apontada para cabeça, haja vista que os desvios na utilização da tecnologia, em tese emancipadora, etiquetaram a pior forma de alienação sobre professor.

O medo de falar, o medo de transferir conhecimento e ser julgado pelas próprias ideias, o medo de ser o que se é.

Basta que o aluno dê um clique e encaminhe para o grupo infinito de pessoas um WhatsApp, que o professor pode ser crucificado por suas ideias.

Avanços na legislação, como a lei Grau de proteção de dados, instituiu o conceito de cidadania digital e disciplina à proteção de dados pessoais, bem como em violabilidade da intimidade, da honra e da imagem.

Mas a lei ainda engatinha em tentar solucionar conflitos de ordem trabalhista. Ela é completamente claudicante.

O teletrabalho não está regulado, e o movimento sindical consegue acudir o que de fato acontece com professor. Ele trabalha muito mais do que antes, sem qualquer tipo de blindagem, estando completamente vulnerável e doente.

Aliás nesse aspecto o número de afastamentos em razão de depressão, síndrome do pânico e Burnout são impressionantes.

Transformado em laboratório, a sala de aula é uma verdadeira guilhotina. O medo domina a agenda. E ainda que a tecnologia seja ressurreição do mundo pós pandemia, o professor não pode pagar sozinho esta conta.

Fica aí o recado: professores, a doença é um sinal de que a sociedade caminha em sentido contrário, e que o estado democrático, na realidade está afundado.

Uma democracia se faz de muitas formas, mas sobretudo com a valorização daquela classe que irá não só educar, mas formar os nossos futuros líderes públicos.

A continuar desta forma, olharemos com tristeza para o futuro, não teremos artistas, escritores e juízes, pois não teremos quem os eduque.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, pesquisadora, professora universitária e escritora.

Para mais informações sobre professores clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?