Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Saneamento básico no Brasil

Saneamento básico no Brasil

24/06/2019 Lucas Lautert Dezordi

A infraestrutura que não chega ao esgoto.

O acesso da população aos serviços de saneamento básico está diretamente relacionado aos indicadores de desenvolvimento humano. Economias maduras necessariamente apresentam índices satisfatórios e de referência internacional.

É conhecido que a melhora de indicadores de saúde, tais como expectativa de vida, taxa de mortalidade infantil e doenças epidêmicas de origem hídrica são obtidos a partir da universalização dos serviços de água e esgoto. O Brasil está muito longe dessa realidade.

Segundo a ABCON e o SINDCON, no Panorama da Participação Privada no Saneamento no Brasil 2019, ocupamos a 105ª posição em um ranking mundial em termos de acesso a esses serviços.

Estamos atrás de países como China, África do Sul, Jordânia, México, Chile e Peru. Para avançar, deveríamos investir pelo menos 20 bilhões de reais por ano em saneamento. Atualmente, investimos apenas 50% desse recurso.

Para mudar esse cenário, é preciso encontrar caminhos que ampliem os investimentos, que leve condições básicas de saúde à população a um preço justo.

Essa mudança impactará diretamente na economia do país. Mas, com a estrutura institucional e jurídica atual, não conseguiremos mudar essa realidade.

Estados e União não têm recursos para ampliar os investimentos. Mudanças estruturais são essenciais. A medida provisória que atualiza o Marco Regulatório do Saneamento Básico (MP 868/2018) acaba de caducar e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) apresentou proposta com mesmo conteúdo.

Ela representa um instrumento jurídico que certamente poderá melhorar o acesso de grande parte da população à rede de esgoto e água potável.

A mudança possibilita a regulamentação de projetos de concessão e de parcerias público-privadas para a execução de obras de infraestrutura voltadas ao saneamento básico.

Outra questão importante nesse processo é a falta de concorrência e de clareza na obrigatoriedade de investimentos. Atualmente, a escolha é feita sem necessidade de licitação.

Um novo marco regulatório pode intervir diretamente na redução dos preços e no volume de investimentos estruturais. Mas, sem essa mudança, continuaremos observando um quadro dramático do setor.

O economista Douglass North, Nobel em Economia em 1993, defendeu que o principal papel das instituições inclusivas em uma sociedade é de reduzir a incerteza, ao estabelecer uma estrutura estável para a interação humana e investimentos de longo prazo.

North argumenta que mudanças institucionais que incentivam os monopólios, restringem as oportunidades de negócios e ampliam a concentração de poder na mão de poucos, levando à ineficiência econômica e queda na produtividade. Realidade típica de países subdesenvolvidos.

O ponto central, o qual defendo, consiste na necessidade de buscar uma nova interação entre organizações público-privadas e instituições políticas para modernizar o marco legal do saneamento básico no Brasil. Apenas 6% dos municípios brasileiros contam com parceria da iniciativa privada, em um ambiente de incerteza.

Garantir a segurança jurídica necessária para gerar novas oportunidades de investimentos público-privados, além de promover uniformidade regulatória e eficiência na prestação dos serviços tornam-se vitais para o desenvolvimento do setor.

* Lucas Lautert Dezordi é doutor em Economia, sócio da Valuup Consultoria, economista-chefe da Trivèlla M3 Investimentos e professor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Aprender a aprender: a transição do negócio tradicional para o virtual

Os extremos estão postos e a dificuldade é real e constante.

Aprender a aprender: a transição do negócio tradicional para o virtual

Escola da vida em tempos de isolamento social

Estamos vivendo todos no mesmo barco.

Escola da vida em tempos de isolamento social

Isolamento social leva famílias a repensar despesas em casa

Especialista dá dicas de economia doméstica em tempos de crise.

Isolamento social leva famílias a repensar despesas em casa

Você sabia que a decoração do quarto influencia no seu sono?

Veja dicas de como solucionar um dos problemas mais comuns entre os brasileiros, principalmente nesse período de quarentena.

Você sabia que a decoração do quarto influencia no seu sono?

Jornal britânico dá cinco dicas para ser mais otimista com a vida

Mudança de perspectiva na vida pode, por exemplo, diminuir risco de doenças no coração.


A paixão não sobrevive à proximidade e ao cotidiano de tantas semanas iguais.

Agora você tem todo o tempo do mundo e não há mais a desculpa de que você está estressado pelo trabalho.


Em tempos de autoconhecimento: de onde vem o seu sobrenome e sua origem?

Blog indica como descobrir um pouco mais de suas origens. Silva, Garcia e Machado são alguns dos sobrenomes que já estão disponíveis no site.

Em tempos de autoconhecimento: de onde vem o seu sobrenome e sua origem?

A busca de si mesmo

Nesse momento de turbulência planetária as pessoas estão acessando situações internas que elas próprias não tinham o entendimento que estivesse mal resolvido dentro delas.


Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

O isolamento social pode ser uma oportunidade para identificar ações improdutivas e substituí-las por atitudes que ajudem na realização de metas pessoais e profissionais.

Quarentena pode ajudar na aquisição de hábitos positivos

Startup doará pelo menos uma tonelada de orgânicos por semana para ONGs

Conectando o campo à cidade, a Liv Up que já atua em parceria com 25 famílias de agricultores familiares vai ajudar a levar alimentação saudável a milhares de pessoas.

Startup doará pelo menos uma tonelada de orgânicos por semana para ONGs

A solidariedade não pode parar

Saiba como ajudar as famílias afetadas pelo novo coronavírus junto com a LBV.


Como fica a rotina dos consultórios médicos pós-pandemia?

Coronavírus muda hábitos e cria novas medidas que começam antes mesmo da consulta.

Como fica a rotina dos consultórios médicos pós-pandemia?