Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saudades do Rio de Janeiro

Saudades do Rio de Janeiro

20/04/2018 Julio Gavinho

Não sei se vamos superar o momento que vive o Rio de Janeiro.

Quando eu era criança, eu via o mundo através da Barsa e da Conhecer (ambas enciclopédias pré-internet) que eram nossas fontes de informação para pesquisa. Eram volumes de informação que caberiam assim, no seu IPhone 1.

Mergulhado naquilo, eu era obcecado com a ideia de visitar o Egito, a Jordânia, a Síria e o Irã, os berços da civilização. Este último país foi minha primeira decepção quando da revolução islâmica e invasão da embaixada Americana.

Meu subconsciente informou-me que não era lá uma boa ideia viajar pelo Irã. Ok, eu pensei. Ainda tenho o Egito, a Jordânia ou a Síria. Comprava livros e guias de viagem, embevecido com imagens românticas de Petra, Damascus ou todo o magnífico Egito. Filmes, livros, postais de amigos. Um sonho que eu alimentava com papel de folhetos da Varig.

Claro que era um sonho pois eu, menino pobre, jamais seria levado por minhas pernas além da saudosa Iguaba. Eis que vem o passado recente e eu me vejo fazendo parte de um grupo pequeno mas valioso, que rodou por aí, mundo a fora defendendo o Rio de Janeiro como destino turístico.

Eram dias de Leonel Brizola e por tamanha tristeza e decepção, não mais sobre isso eu falar preciso, como diria o Mestre Yoda. Hoje, meu sonho foi para o saco: tenho medo de ir a Jordânia devido ao seu alinhamento com a América e o risco que isso implica. Turistas foram fuzilados em diferentes momentos e locais do Egito, riscando este belo país da minha lista também.

Falando em riscar, a Síria foi apagada do interesse de todo turista ou visitante, a não ser dos milicos Russos, médicos sem fronteiras e Cruz Vermelha. Estes são lugares aos quais eu sempre quis ir mas pelo bem da minha vida, desisti.

Ainda sonho com a recuperação e a paz, com sociedades destruídas utilizando o turismo para recuperar suas economias, promovendo a verdadeira revolução árabe. Ainda sonho com o renascimento de uma civilização a luz do Q´aram, com paz, caridade e evolução. Agora pense no meu amigo Joshua. Ele é um americano médio de pouco mais de 60 anos, viaja duas vezes por ano, conhece bem o Caribe, a América do Sul, Europa e Ásia.

Sempre foi influenciado pelo cinema, por desenhos e pelas lindas propagandas a visitar o Rio. Seu sonho atravessou os anos 80 (estertores dos anos de chumbo), os anos 90 e os avisos do governo americano para evitar o Rio, e chegou no nosso presente. Este último período, vamos combinar que não ajuda muito.

Não sei se o “inverno” árabe vai passar em breve, mas se passar o que sobrará? Não sei se vamos superar o momento que vive o Rio de Janeiro, mas no meu sonho, assistíamos a “blue moon” no alto da estrada das paineiras, iluminando o Leblon e Ipanema.

Conversávamos sobre a literatura que devorávamos em pé, na calçada de Copacabana comendo sanduíche de pernil com abacaxi. Assistíamos o florescer do BRock em Ipanema e depois na Lapa e o maior risco corrido era o da salmonela nos “hot-drougs” de rua.

É uma pena mas as minhas memórias não resolvem a cumplicidade de um estado corrupto, acostumado às refeições conjuntas nos cochos do crime. Eu não sei o que precisa ser feito no Rio ou nos países Árabes (eu sei, entretanto esta coluna não é um palanque político), mas o que eu sei é que eu e o Joshua não temos planos para passear em nenhum destes lugares no futuro próximo.

* Julio Gavinho é executivo da área de hotelaria com 30 anos de experiência, fundador da doispontozero Hotéis, criador da marca ZiiHotel, sócio e Diretor da MTD Hospitality.

Fonte: Vervi Assessoria



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso