Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Saúde: temos uma crise on line

Saúde: temos uma crise on line

30/07/2008 Divulgação

Sexta-feira, fim de expediente. Em São Luís, a clínica médica fecha às 17:00, já em Brasília, o último atendimento é às 18:30.

Por fim, em São Paulo, o trânsito estafante empurra o último paciente para as 20:45. Somente às 21:30, é possível que clínicas e consultórios médicos desliguem seus computadores e se desliguem de seus problemas. Mas será que é possível estar off-line, nos dias de hoje? O médico desliga a sua máquina, mas internautas, membros de redes sociais, integrantes do My Space e do Orkut, além de milhares de blogueiros, estão on line. No Brasil - país de 39 milhões de internautas - 55 milhões de perfis estão cadastrados no Orkut, o site domina a preferência dos brasileiros. Em fevereiro deste ano, cerca de 12,9 milhões de pessoas acessaram o Orkut, de acordo com ranking da comScore.

E é dentro desse espaço virtual, o Orkut, que se desenrola uma grave crise de imagem e reputação na Saúde, nunca imaginada por nenhum médico ou entidade representativa da classe. Em uma detalhada pesquisa no site de relacionamento, é possível se deparar com muitas declarações inapropriadas, inadequadas e danosas ao exercício da boa Medicina baseada em evidências. Além da criação dos perfis dos usuários, o Orkut oferece aos internautas a possibilidade da formação de comunidades para a discussão de um tema comum. Assim, existem, hoje, mais de 100 comunidades que discutem temas médicos e denunciam erros, sem o menor critério. Não é o nosso objetivo colocar em discussão a liberdade de expressão.

Todos os cidadãos que se sentem prejudicados de alguma maneira têm o direito de buscarem por justiça. Os próprios Conselhos de Medicina prestam um serviço a essas pessoas quando julgam e deliberam sobrem suas queixas. As sociedades de classe recomendam a pesquisa em seus sites sobre o nome e o CRM do médico, para que a população se sinta protegida, de certa maneira, contra a imperícia e a má conduta de alguns profissionais. Não classificamos como ofensiva ou ameaçadora a queixa sobre o erro médico em nenhum canal de comunicação. TV’s, jornais, sites e rádios costumam denunciar tais fatos. O que desejamos discutir aqui é a forma como estas reclamações estão sendo feitas no ORKUT, de maneira inconseqüente.

Em diálogo registrado na comunidade Paguei para ser mutilada, em março deste ano, um médico é acusado de homicídio doloso, lesão corporal, além de ter dívidas financeiras expostas a todos os internautas. Perguntas necessárias: este profissional e outros tantos médicos sabem o que está sendo dito a seu respeito no Orkut? O médico não poderia ter um ou mais homônimos? Mesmo sem ser médico, um ser humano merece ter a sua privacidade devastada desta maneira, de forma inconseqüente? É correta a conduta de quem posta tais informações? Quais os danos que informações como essas, postadas sem o menor critério, podem trazer à imagem do profissional? É possível calcular e medir o dano à imagem e à reputação desse profissional? Se o risco de reputação e imagem, segundo o The Economist, é o ponto de partida de todos os riscos para qualquer negócio, um profissional sem reputação, não tem negócio.

E além do exemplo citado, a história se repete por diversas vezes, com variações no texto e conteúdo, mas sempre com a característica de devassa na vida profissional e pessoal de diversos médicos. Por acreditarmos na força da Web2, temos plena convicção que proibir a manifestação dos internautas não é o melhor caminho. As redes virtuais são importantes agentes de mudança que vêm afetando profundamente a forma como empresas e stakeholders lidam com seus negócios. Elas são ‘a pimenta’ da mídia convencional, o contraponto. Precisamos aprender a utilizar melhor os recursos que a tecnologia nos oferece, inclusive para fazer a gestão da reputação e da imagem do médico na Internet.

Neste espaço virtual, o embate não é o melhor caminho. Precisamos desenvolver novas estratégias de relacionamento com os detratores, alinhando nossas estratégias de comunicação on line e off line, pois, por mais que alguns queiram uma segunda vida, a Internet não é um mundo dissociado do ‘mundo real’. As assessorias de comunicação que atendem aos profissionais da Saúde devem, agora, ocupar-se de uma nova função: a gestão da imagem e da reputação de hospitais, clínicas e consultórios médicos na Internet. Além do Orkut, também devem ser monitorados outros sites de relacionamento, blogs, fotologs, wikipédias, etc.

Numa sociedade plural, que se comunica intensamente, que repudia os monopólios e valoriza a divergência e a diversidade, a comunicação baseada apenas nas relações pessoais e no tráfico de influência é insuficiente. É necessário preparar os novos gestores da comunicação, profissionais com novos valores, inclusive pessoais, para enfrentar as crises do mundo virtual.

*Márcia Wirth é jornalista, especializada no assessoramento de entidades e profissionais da área da saúde. Dirige a Excelência em Comunicação na Saúde. Fale com ela: [email protected] .



O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.


Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.