Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Se o governo tiver coragem

Se o governo tiver coragem

23/03/2017 J. A. Puppio

Vivemos em um país maravilhoso.

O Brasil é um país repleto de riquezas naturais, com 60 % de seu território coberto por vegetação, enquanto países como USA, CANADA, RUSSIA, CHINA e AUTRALIA que possuem extensão territorial semelhante à nossa, só conseguem aproveitar entre 40 e 60% do seu território, uma vez que o restante é coberto por grandes extensões geladas ou desérticas, sem condições de aproveitamento.

Ocorre que não basta ter, mas é preciso saber aproveitar os recursos naturais, transformando-os em riqueza para a Nação e o povo brasileiro necessita estar atento às atitudes e transparência administrativa do governo em suas ações. Só assim será possível resgatar o valor das riquezas naturais.

Hoje podemos dizer que a nossa democracia deu sinais claros de uma vitalidade, mostrando um amadurecimento nesses tempos difíceis que atravessamos. E o momento atual pode ser considerado como o pior momento histórico representado pela maior crise vivida em território nacional nos últimos 80 anos.

A nefasta combinação das crises política e econômica, que no dia a dia deixam todos os brasileiros sufocados, trazem consequências desastrosas para o País. Podemos citar alguns exemplos:

A - Nossa imagem no exterior fica no chão como casos de Eike,Cabral, Cunha, Zé Dirceu etc.

B - O esvaziamento do dinheiro publico(Arrecadação paga pela população com seu trabalho suado) por desvios e roubos.

C - 13 milhões de desempregados, 740 mil presos em presídios que mais parecem calabouços do século XV.

D - Grande parte de nossos políticos, como senadores, deputados,ministros estão envolvidos com falcatruas.

Diante de um quadro tão dantesco, queremos alertar que só sairemos de vez desse longo túnel escuro da crise gerada pelos governos, se os políticos tiverem CORAGEM para tomar medidas fortes para ajustar a economia e as demais áreas.

Nesse momento difícil, é necessário juntar forças para poder trabalhar no crescimento, fazendo medidas, leis e normas necessárias ao crescimento, cortando na carne do governo e não do povo, especialmente onde sabemos que a administração pública foi horrível, deixando o País em estado de misericórdia.

Só sairemos dessa crise, se o governo possuir coragem e disposição para consertar, sem procurar sufocar a população. Não podemos esquecer que na administração passada os descalabros do governo nos fizeram retroceder 30 anos.

Aliás, se o governo já tivesse tomado providencias, com energia, há 10 anos atrás, poderíamos ter segurado a dívida pública que hoje está em 4 Trilhões. Caso tal medida tivesse sido tomada, a dívida brasileira poderia ser hoje de 700 milhões, seis vezes menor.

A taxa de juros poderia estar na média mundial entre 4 a 5%, o desemprego poderia ser 5 vezes menos. Mas a deterioração das contas públicas por um governo gastador e corrupto, onde a má gestão e a corrupção tomaram conta de tudo, é um elemento altamente complicador.

Para concluir, temos certeza que a maioria da sociedade brasileira quer retornar ao crescimento com a geração de empregos. Cada um de nós tem suas responsabilidades nesse processo, sendo a do governo a maior de todas.

Na realidade, precisamos que os homens públicos deixem de lado projetos pessoais e as disputas mesquinhas de poder e assumam o papel que lhes cabe no desenvolvimento da Nação e geração de riqueza para todos os trabalhadores. Pois devemos isso aos nossos filhos, netos e ao futuro que está em nossas mãos.

* J.A.Puppio é empresário e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa