Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Se o governo tiver coragem

Se o governo tiver coragem

23/03/2017 J. A. Puppio

Vivemos em um país maravilhoso.

O Brasil é um país repleto de riquezas naturais, com 60 % de seu território coberto por vegetação, enquanto países como USA, CANADA, RUSSIA, CHINA e AUTRALIA que possuem extensão territorial semelhante à nossa, só conseguem aproveitar entre 40 e 60% do seu território, uma vez que o restante é coberto por grandes extensões geladas ou desérticas, sem condições de aproveitamento.

Ocorre que não basta ter, mas é preciso saber aproveitar os recursos naturais, transformando-os em riqueza para a Nação e o povo brasileiro necessita estar atento às atitudes e transparência administrativa do governo em suas ações. Só assim será possível resgatar o valor das riquezas naturais.

Hoje podemos dizer que a nossa democracia deu sinais claros de uma vitalidade, mostrando um amadurecimento nesses tempos difíceis que atravessamos. E o momento atual pode ser considerado como o pior momento histórico representado pela maior crise vivida em território nacional nos últimos 80 anos.

A nefasta combinação das crises política e econômica, que no dia a dia deixam todos os brasileiros sufocados, trazem consequências desastrosas para o País. Podemos citar alguns exemplos:

A - Nossa imagem no exterior fica no chão como casos de Eike,Cabral, Cunha, Zé Dirceu etc.

B - O esvaziamento do dinheiro publico(Arrecadação paga pela população com seu trabalho suado) por desvios e roubos.

C - 13 milhões de desempregados, 740 mil presos em presídios que mais parecem calabouços do século XV.

D - Grande parte de nossos políticos, como senadores, deputados,ministros estão envolvidos com falcatruas.

Diante de um quadro tão dantesco, queremos alertar que só sairemos de vez desse longo túnel escuro da crise gerada pelos governos, se os políticos tiverem CORAGEM para tomar medidas fortes para ajustar a economia e as demais áreas.

Nesse momento difícil, é necessário juntar forças para poder trabalhar no crescimento, fazendo medidas, leis e normas necessárias ao crescimento, cortando na carne do governo e não do povo, especialmente onde sabemos que a administração pública foi horrível, deixando o País em estado de misericórdia.

Só sairemos dessa crise, se o governo possuir coragem e disposição para consertar, sem procurar sufocar a população. Não podemos esquecer que na administração passada os descalabros do governo nos fizeram retroceder 30 anos.

Aliás, se o governo já tivesse tomado providencias, com energia, há 10 anos atrás, poderíamos ter segurado a dívida pública que hoje está em 4 Trilhões. Caso tal medida tivesse sido tomada, a dívida brasileira poderia ser hoje de 700 milhões, seis vezes menor.

A taxa de juros poderia estar na média mundial entre 4 a 5%, o desemprego poderia ser 5 vezes menos. Mas a deterioração das contas públicas por um governo gastador e corrupto, onde a má gestão e a corrupção tomaram conta de tudo, é um elemento altamente complicador.

Para concluir, temos certeza que a maioria da sociedade brasileira quer retornar ao crescimento com a geração de empregos. Cada um de nós tem suas responsabilidades nesse processo, sendo a do governo a maior de todas.

Na realidade, precisamos que os homens públicos deixem de lado projetos pessoais e as disputas mesquinhas de poder e assumam o papel que lhes cabe no desenvolvimento da Nação e geração de riqueza para todos os trabalhadores. Pois devemos isso aos nossos filhos, netos e ao futuro que está em nossas mãos.

* J.A.Puppio é empresário e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.