Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Se o melhor é possível, o bom não é suficiente

Se o melhor é possível, o bom não é suficiente

21/07/2016 Giba Lavras

A educação é, atualmente, o principal fator migratório dos jovens do interior para as capitais.

Isso acontece geralmente entre os 15 e 18 anos, quando os estudantes estão se aproximando do vestibular e visam estudar em uma boa universidade.

Muitos alunos deixam as famílias e migram sozinhos, começando uma nova vida independente e cheia de decisões para tomar. É um grande marco de transformação da adolescência para a fase adulta.

O estudante que estava acostumado com sua terra natal, uma pequena cidade, com o conforto de casa, o auxílio dos pais, a presença dos amigos de infância e de vizinhos que acompanharam seu crescimento, sai da zona de conforto e se depara com um mundo completamente novo, cheio de desconhecidos, com desafios enormes e a necessidade clara de assumir responsabilidade.

Esse fenômeno de migração estudantil faz com que as salas de aula dos cursos pré-vestibulares das capitais tenham, cada vez mais, uma mistura de alunos oriundos de diversos lugares do país e que precisam aprender a conviver com pessoas de diferentes culturas - o que gera um ganho de maturidade muito positivo pois, assim como na natureza prevalece a biodiversidade, a heterogeneidade das pessoas é fundamental para o desenvolvimento individual.

Na sala de aula, muitas vezes, o aluno tem receio de falar, por ter sotaque ou por medo de estar fazendo uma pergunta não pertinente - tipo de pergunta que não existe, uma vez que todo questionamento favorece o conhecimento.

O professor deve estar preparado para receber essa turma tão diversificada e ajudar - principalmente esses alunos tímidos - a não terem vergonha de sua origem. Para me auxiliar nessa tarefa, criei o Anta, um personagem que faz as perguntas que os estudantes teriam medo de expor e cria diálogos que causam reações positivas nos alunos, como fazer amizades e respeitar o próximo.

O contato com a família também é imprescindível, pois ela sempre vai torcer pelo estudante e tentar ajudá-lo. Mas, é preciso tomar cuidado para que esse apoio não torne-se uma pressão a mais para o vestibulando. Muitas vezes, os pais acham que estão ajudando, contando para o filho que se privaram de algo ou se submeteram a alguma situação difícil para que ele estudasse, e acabam colocando um fardo a mais no estudante.

Outra situação recorrente é a surpresa dos pais ao descobrirem que o rendimento do filho não está sendo o esperado. Exemplificando, o adolescente era um ótimo aluno em sua escola, na cidade em que morava, mas quando enfrenta a competição de centenas de outros estudantes com o mesmo objetivo - passar no vestibular -, acaba se saindo mal, gerando uma decepção para ele mesmo e para a família.

A família precisa entender que o ambiente mudou e o estudante ainda precisa se adaptar com sua nova realidade. Então, é importante que os pais não se decepcionem com os resultados iniciais. Não devemos deixar que o sentimento de nossas fraquezas nos faça perder a certeza das nossas forças.

Sabendo que vocação é a felicidade de exercer o ofício da paixão; siga seus sonhos, lute por suas metas e dê sempre o seu melhor. Se o melhor é possível, o bom não é suficiente.

* Giba Lavras é ex-integrante da Seleção Paulista e Brasileira de Handebol, ministra a palestra “Educar é Conviver” e dá aulas no Curso Positivo há vinte anos.



O bom senso na vida profissional

Aprender é um processo que nunca deveria se esgotar para nenhuma pessoa.


Lava Jato – Quem é o pai da criança?

Desde o início da operação Lava Jato, a população ficou estupefata com as revelações do emaranhado esquema de corrupção que assolava o país.


Engenharia e inovação, por que o setor está estagnado?

Uma reflexão que merece ser realizada é sobre quais os motivos que levam o setor de Engenharia e Construção a ser tão conservador.


Dicas para entregar seu projeto com melhor qualidade em menor tempo

Há uma infinidade de fatores que influenciam no sucesso (ou não) de um projeto.


Viver não custa…

Meses depois de ter casado, na Igreja, fui viver para andar de prédio, que ficava nos subúrbios da minha cidade.


Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.