Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Segurança da informação, sim. Ineficiência, não

Segurança da informação, sim. Ineficiência, não

01/11/2016 Enio Klein

Tenha em mente que investir em segurança cibernética é um passo decisivo.

A internet vem se tornando, de forma muito rápida e inevitável, a principal plataforma para a operação de processos de qualquer negócio, de vendas ao financeiro, onde o próprio governo a utiliza para as atividades fiscais.

A mobilidade tem como principal base a plataforma da internet. “Apps” e “Bots” se multiplicando a ponto de não ser mais possível conviver sem eles. A computação em nuvem não só é uma realidade, mas uma tendência que, dentre outros efeitos positivos, permite uma redução nos custos de implantação de infraestrutura computacional, permitindo que, cada vez mais, empresas adquiram os benefícios na utilização da tecnologia da informação.

O efeito indesejado de tudo isso é a segurança da informação – ou a falta dela – que assume uma importância muito grande, considerando as vulnerabilidades e os riscos que plataformas na internet trazem junto com seus benefícios.

Segurança Cibernética (ou Cyber Security, em inglês) é uma disciplina que começa a assumir uma importância vital a partir de agora, e você vai ter que se preocupar com ela. Existe uma máxima no mundo financeiro que diz: “se você não quer o risco da inadimplência, não dê crédito”.

Traduzindo isso para nosso ambiente tecnológico significa que, se você não quer ter nenhum risco de segurança, não use a internet. Da mesma forma que no ambiente de finanças não é possível trabalhar com risco zero na concessão de crédito, na área de TI, a realidade é igual.

A não ser que você opte por usar menos os sistemas do mundo virtual. Faça isso e você ficará para trás diante de seus concorrentes. Contudo, a atitude mais comum por aqui é a postura restritiva. Corta-se praticamente todo o acesso à internet pública e, com isso, diminui-se potencialmente a eficiência e eficácia de diversos processos de negócios.

Vendas é um deles. Uma das áreas onde ainda se tem muito a fazer em termos do uso de TI para melhoria de desempenho é a de vendas. Novas metodologias, cada vez mais sintonizadas com a necessidade dos profissionais e alinhadas com os novos comportamentos de compra dos clientes, trazem também novas ferramentas de automação de vendas que exploram todos os recursos que a tecnologia atual permite: nuvem, mobilidade, facilidade de acesso e comunicação, utilizando a internet.

Estas metodologias, aplicadas com precisão em ambientes automatizados e integrados, podem aumentar dramaticamente o desempenho das forças de vendas. É um potencial presente viável, mas que vemos não ser utilizado por conta dos riscos de segurança.

A postura restritiva que encontramos em boa parte das empresas aqui no Brasil atrapalha bastante o uso destas tecnologias. Um bom exemplo é o uso de aplicativos para web conferência para reuniões online. No dia a dia, vemos a dificuldade do uso destes instrumentos devido às restrições de acesso.

Às vezes, mesmo o Skype não é permitido. Estas restrições limitam o uso da tecnologia a ponto de impedir que os avanços existentes possam ser utilizados. Como falar em melhoria no desempenho de vendas se a tecnologia disponível e acessível não pode ser utilizada por conta dos riscos de segurança?

A boa notícia é que há maneiras muito mais eficientes e menos restritivas de lidar com a segurança cibernética. Ferramentas e processos que lhe darão a segurança necessária para que possa aproveitar ao máximo toda a tecnologia disponível com níveis de risco mínimos.

Tenha em mente que investir em segurança cibernética é um passo decisivo, não somente para garantir a segurança de suas informações e de seu ambiente, mas, principalmente, para lhe dar eficiência e competitividade em seus negócios.

* Enio Klein é CEO da K&G Sistemas.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.