Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Seis dicas para você se dar bem em uma startup

Seis dicas para você se dar bem em uma startup

30/07/2015 Grayce Higashi

Não existe uma fórmula mágica para a retenção dos funcionários de uma empresa, mas sem dúvida a assertividade do fit cultural entre candidatos e empresa em um processo seletivo nunca foi tão estratégica.

Segundo Grayce Higashi, gerente de Recursos Humanos da Oppa, vivemos em uma época em que os profissionais estão cada vez mais ávidos por conhecimento, reconhecimento e evolução profissional em empresas cada vez mais dinâmicas e inovadoras.

O reforço de uma cultura aberta incentiva as pessoas a se sentirem realmente parte do negócio, fazendo com que sua opinião e seu trabalho sejam demandados e aceitos de forma cada vez mais incisiva, criando um vínculo muito mais valioso neste relacionamento.

O elo de confiança e discernimento, por tabela, acaba sendo naturalmente enriquecido, reforçando a cultura onde os líderes e liderados passam a seguir os mesmos padrões.

Quando uma pessoa está inserida em um ambiente profissional adequado ao seu estilo de trabalho, seja ele orientado aos processos ou aos resultados, faz com que o valor pesado na hora de receber uma oferta externa seja intangível, mas com um peso imensuravelmente superior a qualquer proposta financeira. Pra isso, a profissional elencou dicas para você se dar bem em uma startup, seguem:

Comece e depois melhore: em uma estrutura ainda pequena e jovem, os processos serão mais simples e de fácil execução. Não há necessidade de tanta burocracia para tirar um projeto do papel e colocar em prática.

Use e abuse do bom senso: isso irá ajudá-lo a adaptar os processos de forma eficiente quando a empresa tomar proporções maiores.

Fazer muito mais com menos: os recursos em uma startup são menores – humanos, financeiros e tecnológicos – então use sua criatividade e você poderá se surpreender com o resultado.

Sinta a “dor de dono”: como os recursos são limitados, toda e qualquer economia é representativa. Sem contar na cultura que já se cria em cuidar do seu negócio como um todo, seja para vender ou entregar seu produto ou serviço ou para apagar as luzes quando for embora.

Startup não é sinônimo de ôba-ôba no escritório: muito pelo contrário, o trabalho é árduo e exige dedicação!

Trabalhe com paixão: Se você acredita no negócio, sua satisfação em ver o desenvolvimento da empresa será muito gratificante.

* Grayce Higashi é gerente de Recursos Humanos da Oppa.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.