Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Seis dicas para você se dar bem em uma startup

Seis dicas para você se dar bem em uma startup

30/07/2015 Grayce Higashi

Não existe uma fórmula mágica para a retenção dos funcionários de uma empresa, mas sem dúvida a assertividade do fit cultural entre candidatos e empresa em um processo seletivo nunca foi tão estratégica.

Segundo Grayce Higashi, gerente de Recursos Humanos da Oppa, vivemos em uma época em que os profissionais estão cada vez mais ávidos por conhecimento, reconhecimento e evolução profissional em empresas cada vez mais dinâmicas e inovadoras.

O reforço de uma cultura aberta incentiva as pessoas a se sentirem realmente parte do negócio, fazendo com que sua opinião e seu trabalho sejam demandados e aceitos de forma cada vez mais incisiva, criando um vínculo muito mais valioso neste relacionamento.

O elo de confiança e discernimento, por tabela, acaba sendo naturalmente enriquecido, reforçando a cultura onde os líderes e liderados passam a seguir os mesmos padrões.

Quando uma pessoa está inserida em um ambiente profissional adequado ao seu estilo de trabalho, seja ele orientado aos processos ou aos resultados, faz com que o valor pesado na hora de receber uma oferta externa seja intangível, mas com um peso imensuravelmente superior a qualquer proposta financeira. Pra isso, a profissional elencou dicas para você se dar bem em uma startup, seguem:

Comece e depois melhore: em uma estrutura ainda pequena e jovem, os processos serão mais simples e de fácil execução. Não há necessidade de tanta burocracia para tirar um projeto do papel e colocar em prática.

Use e abuse do bom senso: isso irá ajudá-lo a adaptar os processos de forma eficiente quando a empresa tomar proporções maiores.

Fazer muito mais com menos: os recursos em uma startup são menores – humanos, financeiros e tecnológicos – então use sua criatividade e você poderá se surpreender com o resultado.

Sinta a “dor de dono”: como os recursos são limitados, toda e qualquer economia é representativa. Sem contar na cultura que já se cria em cuidar do seu negócio como um todo, seja para vender ou entregar seu produto ou serviço ou para apagar as luzes quando for embora.

Startup não é sinônimo de ôba-ôba no escritório: muito pelo contrário, o trabalho é árduo e exige dedicação!

Trabalhe com paixão: Se você acredita no negócio, sua satisfação em ver o desenvolvimento da empresa será muito gratificante.

* Grayce Higashi é gerente de Recursos Humanos da Oppa.



Onde está a boa educação?

Outrora, o idoso, era respeitado no local de trabalho e na sociedade.


Saneamento básico no Brasil

A infraestrutura que não chega ao esgoto.


Em novos tempos deve-se ter novas práticas

Na Capital fala-se muito em Menos Brasília, Mais Brasil.


Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.