Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ser professor é gratificante

Ser professor é gratificante

21/10/2016 Reinaldo Dias

O dia do professor deve ser dedicado à reflexão sobre o seu papel e sua condição profissional.

Neste ano a Organização da Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) adotou o lema “valorizar os professores e melhorar a sua situação”.

Lema bastante pertinente ao momento pelo qual passa o país e demonstra mais do que nunca, a necessidade de melhora da educação em todos os níveis.

De acordo com a Agenda da Educação 2030 da Unesco, o papel do professor é fundamental em um país. Destaca que o professor deve ter “as competências necessárias, ser contratado e remunerado de forma adequada, receber uma boa formação, estar profissionalmente qualificado, encontrar-se motivados, e receber apoio dentro de sistemas dotados de recursos eficazes e bem administrados”.

O ensino básico é essencial para a formação do cidadão, pois é onde se adquirem os valores fundamentais para uma boa convivência em sociedade, aprendendo a usufruir da liberdade, ter respeito a outros sem distinção de qualquer espécie, a tolerância, ser solidário, honrar compromissos entre outros.

São os professores que transmitem esse conjunto de valores. E qual a condição para o fazerem no Brasil? Sua situação é precária, para dizer o mínimo. Os professores do ensino básico são desvalorizados, com formação deficiente, mal pagos e sem perspectiva de desenvolvimento profissional continuado, uma condição necessária para exercer com dignidade e responsabilidade sua profissão.

De modo geral, o professor é pouco valorizado no país, seu status é baixo, sua importância minimizada, por mais que se alardeie o contrário. É lembrado e louvado no seu dia e só. Na realidade, professores e estudantes são vítimas de um sistema socialmente injusto, com uma estrutura que não permite mudanças e que está a serviço ostensivo do capital, em detrimento da sociedade como um todo.

O aluno de escola pública se vê diante de um professor cansado, pressionado, mal remunerado e sem recursos suficientes para exercer sua profissão. O problema não é o professor e muito menos o estudante. Na realidade, ambos exteriorizam um problema sistêmico que se evidencia pelo cenário de corrupção e má utilização dos recursos para a educação.

De qualquer modo, em que pesem essas dificuldades, o professor abre seu caminho ajudando os alunos a adquirir experiências, a adotar valores identificados com a civilidade, a adquirir as habilidades necessárias para identificar e resolver os problemas cotidianos, a agir, a tomar decisões, a reconhecer, enfrentar e resolver os desafios do mundo atual.

O caminho é difícil, mas ensinar é a profissão mais digna e gratificante, apesar dessas dificuldades que a acompanham. O que dá ânimo para persistir neste caminho é saber que se está construindo o mundo do amanhã, que deverá ser melhor, mais justo, onde todos terão as mesmas oportunidades.

Saudações a todos os professores lembrando que, afinal o que tem de melhor em ser professor é o prazer de aprender, sempre.

* Reinaldo Dias é professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, campus Campinas.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso