Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Será, de fato, intolerância à lactose?

Será, de fato, intolerância à lactose?

24/08/2016 Patrícia Ceolin Grassi

É importante avaliar a qualidade do leite que chega a nossas casas.

Será, de fato, intolerância à lactose?

Como nutricionista, percebo que está acontecendo uma grande confusão, inclusive entre os profissionais de Saúde, sobre o que é a intolerância à lactose, bem como um ponto fundamental que muitos desconhecem: a qualidade do leite no Brasil.

A lactose é um hidrato de carbono composto por glicose e galactose (açúcares) encontrada especificamente no leite e alimentos que derivam dele, pois é produzido por mamíferos. Ser intolerante à lactose significa que o organismo não é capaz de digeri-la, pois, quando ingerida, é esmoída pela enzima lactase, que é responsável pela quebra da lactose, transformando-a em glicose, para que possa ser absorvida pelo corpo.

Isso significa que, quando o corpo não possui ou produz insuficientemente essa enzima, ele o elimina, gerando assim os desconfortos abdominais, diarreia, flatulência, entre outros sintomas. Essa doença pode ser genética ou adquirida em decorrência de problemas, doenças e até cirurgias intestinais.

Mas é preciso ter atenção: segundo o artigo Lactose Intolerance: Diagnosis, Genetic, And Clinical Factors, apenas 20% da população sofre desta patologia! Logo, é importante avaliar a qualidade do leite que chega a nossas casas.

No Brasil, consumimos normalmente o leite UHT (conhecido como leite Longa Vida). O trajeto desse alimento, do produtor até nossa mesa, é longo e pode ser corrompido no caminho. Outro ponto negativo é que o produto UHT (sigla que significa temperatura ultra alta, em inglês) alcança temperaturas superiores a 100ºC, o que acaba eliminando não só as bactérias ruins (patogênicas), como também as boas (probióticas).

Por isso, em muitos casos, quando o indivíduo troca o leite UHT por produtos de qualidade, a patologia desaparece. Para evitar essa doença é necessário estar atento aos ingredientes do produto antes de comprá-lo (o leite, por exemplo, deve apresentar como ingrediente apenas leite, nada mais, sequer conservantes).

E optar, se possível, pelo produto pasteurizado (leite de “saquinho”), que possui o tratamento térmico em temperatura inferior ao de ebulição, permitindo que as bactérias probióticas sobrevivam e exterminando as patogênicas.

Se, mesmo com a troca do leito UHT pelo pasteurizado, o indivíduo continuar sentindo desconfortos abdominais, flatulências e diarreia, é necessário que procure um médico, pois pode significar, de fato, intolerância à lactose.

Outro ponto importante é que as pessoas que realmente sofrem de intolerância a lactose devem investigar o grau da patologia, pois, muitas vezes, podem comer queijos, iogurtes e não sofrer dos sintomas, já que as bactérias presentes nestes produtos ajudam no processo de digestão.

* Patrícia Ceolin Grassi é mestre em Metabolismo e professora dos cursos de Nutrição e Medicina da Unic.



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?