Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sérgio Moro volta ao Paraná

Sérgio Moro volta ao Paraná

30/06/2022 Francis Ricken

Sérgio Moro teve sua candidatura barrada pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, devido à mudança no último dia do prazo de seu domicílio eleitoral para terras paulistas.

Moro, depois de ter sua candidatura à presidência da República e ao Senado Federal emparedada pelo União Brasil, via a possibilidade de concorrer por São Paulo a uma vaga de deputado federal, tendo em vista sua possível capacidade de votação, o candidato teria condições de se tornar um puxador de votos, aumentado as vagas do União Brasil na Câmara dos Deputados.

A estratégia não deu certo, tendo em vista a manifestação do TRE/SP, que não foi contestada pelo futuro candidato. Restou a Moro voltar a pensar em uma candidatura no Estado do Paraná, o que para ele não parece ser suficiente.

Moro sempre teve pretensões maiores no âmbito político. Inicialmente, tentou a candidatura à presidência pelo Podemos, partido do senador Álvaro Dias.

Depois de alguns meses de campanha nacional, observou que a política não é para amadores e que seus adversários eram muito maiores do que ele imaginava.

Moro descobriu que seu antigo aliado, Jair Bolsonaro, não iria deixar caminho aberto para sua candidatura devido às grandes articulações políticas junto ao centrão e a partidos de direita no Congresso Nacional.

Moro também encontrou barreiras dentro do próprio Podemos, que observava sua potencial candidatura ao Senado Federal pelo Paraná como uma barreira à reeleição eterna de Álvaro Dias.

Outro conflito de interesse dentro do partido era a candidatura de seu colega de lava-jato, Deltan Dallagnol à Câmara dos Deputados.

Sem muito para onde crescer, Moro observou a saída do partido como necessária e a mudança de domicílio eleitoral como a possibilidade de ser um nome forte na política nacional, e o recém-criado União Brasil parecia ser o melhor local para suas pretensões.

Na chegada ao novo partido, Moro foi rebaixado de candidato à presidência para senador e, posteriormente, para deputado federal, tendo seu nome rifado em público por colegas de partido.

Talvez Moro não tenha se atentado, mas o União Brasil é a fusão entre o antigo Democratas e o PSL, partidos que dão sustentação ao governo de Jair Bolsonaro e que jamais trairiam o presidente numa possível candidatura de Moro a qualquer cargo relevante.

O prêmio de consolação seria a candidatura a deputado federal pelo União Brasil em São Paulo, onde o ex-juiz poderia ter um potencial de votos que o colocasse em destaque no Poder Legislativo, mas nem isso foi possível.

Moro volta ao Paraná em cima do processo eleitoral, tendo que construir pontes que foram queimadas na sua mudança para São Paulo, algo que não estava nos seus planos.

Mas, os problemas não terminaram. O candidato terá que enfrentar o diretório estadual do União Brasil, dominado por aliados do presidente Bolsonaro, sua maior pedra no sapato.

A candidatura ao governo do Estado está fora de cogitação, tendo em vista a grande ligação do governador Ratinho Junior com o governo federal, e a de senador começa a fazer água.

Moro tem grande potencial de ser eleito para cargos legislativos no Estado do Paraná, mas o candidato se apequenou no último ano, pois deixou de ser relevante no debate nacional, mudou de partido, mudou de Estado, voltou para o Estado de origem como prêmio de consolação e ganhou a antipatia de muitos políticos e antigos aliados.

Me parece que os grandes adversários de Sérgio Moro na sua entrada oficial na política não estão na esquerda, mas muito próximos de seu convívio ou na inexperiência do candidato.

* Francis Ricken é advogado, mestre em Ciência Política e professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo (UP).

Para mais informações sobre Sérgio Moro clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa