Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sérgio Moro volta ao Paraná

Sérgio Moro volta ao Paraná

30/06/2022 Francis Ricken

Sérgio Moro teve sua candidatura barrada pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, devido à mudança no último dia do prazo de seu domicílio eleitoral para terras paulistas.

Moro, depois de ter sua candidatura à presidência da República e ao Senado Federal emparedada pelo União Brasil, via a possibilidade de concorrer por São Paulo a uma vaga de deputado federal, tendo em vista sua possível capacidade de votação, o candidato teria condições de se tornar um puxador de votos, aumentado as vagas do União Brasil na Câmara dos Deputados.

A estratégia não deu certo, tendo em vista a manifestação do TRE/SP, que não foi contestada pelo futuro candidato. Restou a Moro voltar a pensar em uma candidatura no Estado do Paraná, o que para ele não parece ser suficiente.

Moro sempre teve pretensões maiores no âmbito político. Inicialmente, tentou a candidatura à presidência pelo Podemos, partido do senador Álvaro Dias.

Depois de alguns meses de campanha nacional, observou que a política não é para amadores e que seus adversários eram muito maiores do que ele imaginava.

Moro descobriu que seu antigo aliado, Jair Bolsonaro, não iria deixar caminho aberto para sua candidatura devido às grandes articulações políticas junto ao centrão e a partidos de direita no Congresso Nacional.

Moro também encontrou barreiras dentro do próprio Podemos, que observava sua potencial candidatura ao Senado Federal pelo Paraná como uma barreira à reeleição eterna de Álvaro Dias.

Outro conflito de interesse dentro do partido era a candidatura de seu colega de lava-jato, Deltan Dallagnol à Câmara dos Deputados.

Sem muito para onde crescer, Moro observou a saída do partido como necessária e a mudança de domicílio eleitoral como a possibilidade de ser um nome forte na política nacional, e o recém-criado União Brasil parecia ser o melhor local para suas pretensões.

Na chegada ao novo partido, Moro foi rebaixado de candidato à presidência para senador e, posteriormente, para deputado federal, tendo seu nome rifado em público por colegas de partido.

Talvez Moro não tenha se atentado, mas o União Brasil é a fusão entre o antigo Democratas e o PSL, partidos que dão sustentação ao governo de Jair Bolsonaro e que jamais trairiam o presidente numa possível candidatura de Moro a qualquer cargo relevante.

O prêmio de consolação seria a candidatura a deputado federal pelo União Brasil em São Paulo, onde o ex-juiz poderia ter um potencial de votos que o colocasse em destaque no Poder Legislativo, mas nem isso foi possível.

Moro volta ao Paraná em cima do processo eleitoral, tendo que construir pontes que foram queimadas na sua mudança para São Paulo, algo que não estava nos seus planos.

Mas, os problemas não terminaram. O candidato terá que enfrentar o diretório estadual do União Brasil, dominado por aliados do presidente Bolsonaro, sua maior pedra no sapato.

A candidatura ao governo do Estado está fora de cogitação, tendo em vista a grande ligação do governador Ratinho Junior com o governo federal, e a de senador começa a fazer água.

Moro tem grande potencial de ser eleito para cargos legislativos no Estado do Paraná, mas o candidato se apequenou no último ano, pois deixou de ser relevante no debate nacional, mudou de partido, mudou de Estado, voltou para o Estado de origem como prêmio de consolação e ganhou a antipatia de muitos políticos e antigos aliados.

Me parece que os grandes adversários de Sérgio Moro na sua entrada oficial na política não estão na esquerda, mas muito próximos de seu convívio ou na inexperiência do candidato.

* Francis Ricken é advogado, mestre em Ciência Política e professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo (UP).

Para mais informações sobre Sérgio Moro clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.