Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Servidores públicos e as regras nas eleições

Servidores públicos e as regras nas eleições

26/09/2016 Marcelo Gurjão Silveira Aith

São quase 42 mil funcionários públicos que lançaram seus nomes, seja para prefeito, seja para vereador.

Números do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revelam que, neste ano, 8,4% do total de candidatos que concorrerão às eleições municipais é formado por servidores públicos federais, estaduais ou municipais.

São quase 42 mil funcionários que lançaram seus nomes, seja para prefeito, seja para vereador. E desse universo, infelizmente, são muitos os que, de fato, não estão de olho no cargo público, mas na licença remunerada de três meses que lhes é garantida por lei.

Com o afastamento em nome de uma candidatura, esses servidores aproveitam o recesso remunerado para diversos fins, como trabalhar na campanha para outro político, dar aulas, palestras ou realizar outras atividades pagas.

A quem, inclusive, usufrua o período com viagens para dentro e até mesmo para fora do país. Não bastasse esse tipo de fraude, em que o servidor se candidata apenas vislumbrando benefício próprio, um outro tipo de dolo eleitoral também tem envolvido servidores, principalmente em cidades do interior do país, e motivados por uma alteração na lei eleitoral, de 2009, que passou a exigir que ao menos 30% das vagas de cada partido político fossem preenchidas por mulheres.

Com a nova regra, considerada de difícil execução nas pequenas cidades, é comum os partidos políticos forçarem suas servidoras a se candidatarem. O que ocorre é que muitas dessas sem interesse em fazer carreira política, acabam apenas por emprestar seus nomes, o que configura fraude eleitoral.

O combate de ambas as fraudes tem sido feito pelo Ministério Público, que está trabalhando em conjunto com os tribunais regionais eleitorais de todo o país. A busca é por servidores que se aproveitam do período eleitoral para obterem a licença remunerada e usá-la para outras atividades que não sejam as de candidatura, bem como para os partidos que usam ‘mulheres fantasmas’ em suas listas somente para atender a cota mínima feminina.

Os órgãos que cuidam do processo eleitoral brasileiro seguirão vigilantes, atentos para afastar e punir quem quer fazer uso das eleições municipais apenas para o próprio bem, sem o menor interesse em aproveitar o momento para, realmente, fazer a diferença para a sociedade.

* Marcelo Gurjão Silveira Aith é especialista em Direito Eleitoral e Público e sócio do escritório Aith Advocacia.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.