Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

16/09/2021 Sérgio Giacomelli

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.

Um dia expressivo em que a vida clama a ser vivida para a maioria das pessoas. Para outras é apenas mais um triste e deprimente mórbido domingo e, talvez, um fatídico dia para tirar a própria vida.

Essa realidade antagônica já faz parte do dia a dia. Nossa atenção deve estar voltada para aquelas pessoas que cogitam extinguir sua existência, que estão camufladas atrás de rostos tristes e apáticos com mentes transtornadas e que em silêncio suplicam por socorro.

Sejam quais foram as circunstâncias, os motivos ou suas justificativas que as levaram a essa condição, não requerem julgamentos, mas suporte emocional.

É fato que para indivíduos em sã consciência é difícil entender a possibilidade de alguém tirar a própria vida. Indiferente a este raciocínio, é imprescindível perceber as evidências.

Mesmo que possa ser complicado de identificar, se você conhece alguém que seja introspectivo e melancólico, oriente a procurar ajuda de um profissional capacitado.

É possível que aquela pessoa por si não tenha disposição suficiente para procurar auxílio e, nesse caso, cabe a insistência em não desistir de encorajá-la.

Segundo dados da OMS a cada ano cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio no mundo, sendo a segunda maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos, em 2016.

Esses dados nos instigam a perguntar, sem imprimir a culpa, se as pessoas que cercavam aqueles potenciais suicidas fizeram o bastante em momento oportuno para evitar tal tragédia? Houve julgamento ou apoio emocional?

Indiferente das respostas a verdade é que após o fato consumado famílias inteiras são afetadas com traumas insuperáveis.

Todo ano os holofotes iluminam esse assunto no palco da campanha Setembro Amarelo, um período para elucidar sobre o suicídio. É necessário mais que isso.

É preciso atitude de cada um de nós. Praticar o amor ao próximo, compreensão, generosidade e subsídios que contribuam para afastar a tristeza constante.

O mundo seria melhor se apenas a alegria fizesse parte de nossas vidas, mas a tristeza permanente esconde tragédias que podem ser evitadas.

Fazer a diferença na vida de alguém que precisa não lhe tornará um herói, mas o prazer de poder olhar para aquela pessoa e ver seu sorriso espalhado no rosto em uma tarde de domingo ensolarado.

* Sérgio Giacomelli é escritor, engenheiro eletricista e um apaixonado por pesquisas. Descendente de italianos escreveu o romance de época D'Angelo - O Viajante de Conca.    

Para mais informações sobre Setembro Amarelo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: LC Agência de Comunicação



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.