Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

15/09/2021 Letícia Lyle

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.

Muitos ainda relacionam esse tom com confiança, liderança intelectual, sabedoria e otimismo.

Todos esses pontos podem – e devem – estar conectados com a campanha Setembro Amarelo, iniciada no Brasil em 2015, em busca da valorização da vida.

O tema suicídio – e os subtópicos adjacentes, como o combate às causas relacionadas, entre elas a depressão – vem deixando de ser tabu há algum tempo.

Produções audiovisuais, como a série da Netflix “13 reasons why”, ajudaram a trazer esse debate à mesa, desmistificando essa conversa, que precisa acontecer.

Mas bem longe do audiovisual e bem pertinho da nossa realidade: você já parou para pensar que pode ter uma Hannah (protagonista da obra televisiva) a metros de distância?

Antes de falar do tema suicídio em si, é preciso abordar alguns componentes que giram ao seu redor.

Bullying, solidão, depressão e baixa autoestima fazem parte do dia a dia de muitos jovens na escola e, muitas vezes, não há espaço, e principalmente ferramentas, para lidar com isso.

Mais do que nunca, precisamos de aparatos para lidar com o mundo, especificamente em fases como infância, pré-adolescência e adolescência.

Há 10 anos, estudo o desenvolvimento de competências socioemocionais e trabalho com isso. Antes de estar em um cargo de direção pedagógica, criei programas em escolas públicas e privadas, projetos de formação de professores, adaptei currículos e materiais didáticos.

Cada uma dessas experiências evidenciou a importância dessas competências e do quanto são essenciais para o processo de ensino e aprendizagem – e para o desenvolvimento humano de pais, responsáveis, professores e estudantes.

Quando falamos sobre competências socioemocionais, delimitamos um conjunto de ações, habilidades, comportamentos e valores que norteiam a maneira pela qual o indivíduo se relaciona consigo mesmo, com as pessoas e com o mundo a sua volta.

Uma série de estudos e experiências no Brasil e em outros países demonstram os benefícios do trabalho com essas habilidades.

Modelos educacionais de todo o mundo, dentre eles os da Finlândia, Austrália e Cingapura, estão voltando esforços para garantir nas escolas esse trabalho com aprendizagem socioemocional.

Mesmo com boas práticas e intenções, alguns dados continuam sendo alarmantes. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), anualmente, cerca de 800 mil pessoas tiram as próprias vidas.

É um número assustador e corresponde à população de uma grande cidade. No Brasil, a Organização Mundial da Saúde – OMS estima que 32 indivíduos morrem diariamente pelos mesmos motivos.

A pandemia do novo coronavírus, que nos obrigou a ficar em casa, agravou alguns quadros de depressão e ansiedade em até 100%, segundo estima um estudo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, publicado pela revista científica The Lancet.

Ainda não se sabe muito sobre os impactos neurológicos a longo prazo das pessoas que tiveram Covid-19 e se recuperaram.

Na condição de docentes e pedagogos, não podemos nos silenciar diante de qualquer sinal de introspecção fora do comum, agressividade demasiada ou melancolia inesperada.

Esses cenários podem estar relacionados a quadros de violência dentro ou fora da sala de aula. Temos que olhar com uma lupa para cada uma e cada um de nossos estudantes.

O mesmo deve acontecer dentro de casa: pais, familiares e responsáveis têm que estar “de plantão” e não normalizar situações de instabilidade emocional.

Ninguém entra em um quadro depressivo de um dia para o outro. Os sinais vão sendo mostrados aos poucos.

O Instituto Ayrton Senna (IAS) lidera um grupo de estudos chamado Edulab21, que busca desenvolver instrumentos para a avaliação das competências socioemocionais em escolas.

Na sua primeira versão, o instrumento criado por eles, SENNA 1.0, conseguiu apontar correlações entre vulnerabilidade e violência e competências socioemocionais.

Muitos dos fatores interligados com as causas da depressão e do suicídio estão relacionados à infância e à adolescência. A própria campanha do Setembro Amarelo tem base nessas faixas etárias.

Em 1994, Mike Emme, de apenas 17 anos, tirou a própria vida em seu Mustang 1968, pintado por ele de amarelo. Seus pais iniciaram, então, um trabalho de conscientização após o triste fato e o laço com essa tonalidade acabou se tornando o símbolo dessa luta pela vida.

É crucial pensar que pode ter um Mike bem perto de cada um de nós. Um olhar cauteloso e empático, seguido por um tratamento adequado, pode sim salvar vidas.

Para além disso, precisamos buscar maneiras de garantir que nossos jovens possam se desenvolver com segurança, e espaço para crescer.

Já são muitas as soluções disponíveis e evidências sobre os efeitos positivos do trabalho com as competências socioemocionais em variados formatos. Escolha um, invente um, faça o teste – esse desafio é de todos nós.

* Letícia Lyle é cofundadora da Camino Education e diretora da Camino School.

Para mais informações sobre Setembro Amarelo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Mira Comunicação



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.