Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

15/09/2021 Letícia Lyle

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.

Muitos ainda relacionam esse tom com confiança, liderança intelectual, sabedoria e otimismo.

Todos esses pontos podem – e devem – estar conectados com a campanha Setembro Amarelo, iniciada no Brasil em 2015, em busca da valorização da vida.

O tema suicídio – e os subtópicos adjacentes, como o combate às causas relacionadas, entre elas a depressão – vem deixando de ser tabu há algum tempo.

Produções audiovisuais, como a série da Netflix “13 reasons why”, ajudaram a trazer esse debate à mesa, desmistificando essa conversa, que precisa acontecer.

Mas bem longe do audiovisual e bem pertinho da nossa realidade: você já parou para pensar que pode ter uma Hannah (protagonista da obra televisiva) a metros de distância?

Antes de falar do tema suicídio em si, é preciso abordar alguns componentes que giram ao seu redor.

Bullying, solidão, depressão e baixa autoestima fazem parte do dia a dia de muitos jovens na escola e, muitas vezes, não há espaço, e principalmente ferramentas, para lidar com isso.

Mais do que nunca, precisamos de aparatos para lidar com o mundo, especificamente em fases como infância, pré-adolescência e adolescência.

Há 10 anos, estudo o desenvolvimento de competências socioemocionais e trabalho com isso. Antes de estar em um cargo de direção pedagógica, criei programas em escolas públicas e privadas, projetos de formação de professores, adaptei currículos e materiais didáticos.

Cada uma dessas experiências evidenciou a importância dessas competências e do quanto são essenciais para o processo de ensino e aprendizagem – e para o desenvolvimento humano de pais, responsáveis, professores e estudantes.

Quando falamos sobre competências socioemocionais, delimitamos um conjunto de ações, habilidades, comportamentos e valores que norteiam a maneira pela qual o indivíduo se relaciona consigo mesmo, com as pessoas e com o mundo a sua volta.

Uma série de estudos e experiências no Brasil e em outros países demonstram os benefícios do trabalho com essas habilidades.

Modelos educacionais de todo o mundo, dentre eles os da Finlândia, Austrália e Cingapura, estão voltando esforços para garantir nas escolas esse trabalho com aprendizagem socioemocional.

Mesmo com boas práticas e intenções, alguns dados continuam sendo alarmantes. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), anualmente, cerca de 800 mil pessoas tiram as próprias vidas.

É um número assustador e corresponde à população de uma grande cidade. No Brasil, a Organização Mundial da Saúde – OMS estima que 32 indivíduos morrem diariamente pelos mesmos motivos.

A pandemia do novo coronavírus, que nos obrigou a ficar em casa, agravou alguns quadros de depressão e ansiedade em até 100%, segundo estima um estudo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, publicado pela revista científica The Lancet.

Ainda não se sabe muito sobre os impactos neurológicos a longo prazo das pessoas que tiveram Covid-19 e se recuperaram.

Na condição de docentes e pedagogos, não podemos nos silenciar diante de qualquer sinal de introspecção fora do comum, agressividade demasiada ou melancolia inesperada.

Esses cenários podem estar relacionados a quadros de violência dentro ou fora da sala de aula. Temos que olhar com uma lupa para cada uma e cada um de nossos estudantes.

O mesmo deve acontecer dentro de casa: pais, familiares e responsáveis têm que estar “de plantão” e não normalizar situações de instabilidade emocional.

Ninguém entra em um quadro depressivo de um dia para o outro. Os sinais vão sendo mostrados aos poucos.

O Instituto Ayrton Senna (IAS) lidera um grupo de estudos chamado Edulab21, que busca desenvolver instrumentos para a avaliação das competências socioemocionais em escolas.

Na sua primeira versão, o instrumento criado por eles, SENNA 1.0, conseguiu apontar correlações entre vulnerabilidade e violência e competências socioemocionais.

Muitos dos fatores interligados com as causas da depressão e do suicídio estão relacionados à infância e à adolescência. A própria campanha do Setembro Amarelo tem base nessas faixas etárias.

Em 1994, Mike Emme, de apenas 17 anos, tirou a própria vida em seu Mustang 1968, pintado por ele de amarelo. Seus pais iniciaram, então, um trabalho de conscientização após o triste fato e o laço com essa tonalidade acabou se tornando o símbolo dessa luta pela vida.

É crucial pensar que pode ter um Mike bem perto de cada um de nós. Um olhar cauteloso e empático, seguido por um tratamento adequado, pode sim salvar vidas.

Para além disso, precisamos buscar maneiras de garantir que nossos jovens possam se desenvolver com segurança, e espaço para crescer.

Já são muitas as soluções disponíveis e evidências sobre os efeitos positivos do trabalho com as competências socioemocionais em variados formatos. Escolha um, invente um, faça o teste – esse desafio é de todos nós.

* Letícia Lyle é cofundadora da Camino Education e diretora da Camino School.

Para mais informações sobre Setembro Amarelo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Mira Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.