Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Sinais de alerta para a perda de audição

Sinais de alerta para a perda de audição

24/07/2017 Isabela Carvalho

A audição é essencial em nossas vidas, desempenhando um papel fundamental na comunicação humana.

Sinais de alerta para a perda de audição

É por meio dela que conseguimos perceber os sons do ambiente e os sons da fala. O som é capaz de proporcionar e modificar as emoções, que por sua vez têm um papel fundamental nos relacionamentos, na saúde e na qualidade de vida.

Problemas com a audição podem levar a sentimentos de depressão e, em alguns casos, até ao isolamento social. A nossa audição fornece uma grande fonte de informações, algumas delas óbvias e outras quase imperceptíveis, que quando combinadas, são o elo entre o mundo e a forma como interagimos com ele.

A audição nos ajuda a conduzir a nossa vida diária sem limitações. A orelha, apesar de seu tamanho pequeno, é um órgão altamente complexo e composto por minúsculas células sensoriais e fibras nervosas que captam as vibrações do som e os transformam em impulsos elétricos, para o que o cérebro possa processar e interpretar a informação sonora.

O cérebro é o responsável por dar sentido aos sons, facilitando assim a compreensão da fala, sem esforço de escuta. E caso as orelhas fiquem expostas a fortes vibrações sonoras por longos períodos de tempo, as células auditivas podem ser danificadas, ocasionando assim a perda auditiva.

Junto com a diminuição da capacidade auditiva vem a redução da percepção sonora e dificuldades com a localização dos sons e com a compressão da fala. Normalmente o indivíduo passa a ter problemas para compreender as informações durante as conversas, ao ouvir música, ao falar ao telefone, ao assistir TV, dentre outros.

Nos idosos é muito comum a “presbiacusia”, que é a perda auditiva decorrente do envelhecimento natural das células. Isso pode levar a dificuldades na comunicação, já que é difícil saber de onde vem os sons e entender esses sons com clareza. Então fique alerta se você:

- Constantemente pensa ou fala: Eu ouço mas não entendo o que as pessoas falam.

- Coloca a TV ou o rádio em volume mais alto do que outras pessoas a seu redor.

- Tem dificuldades de entender conversas com ruídos ao fundo, como por exemplo, em um jantar de família.

- Não consegue acompanhar conversas em grupo.

- Sempre pede aos outros para repetirem o que estão falando.

- Tem amigos ou familiares que dizem que você não está ouvindo bem.

Procure ajuda de profissionais especializados como os Otorrinolaringologistas e os Fonoaudiólogos que podem ajudar a diagnosticar e a tratar de sua audição. Algumas dicas úteis para ajudar na comunicação:

- Falar próximo ao deficiente auditivo facilita o entendimento da frase.

- Sempre que possível repita o que foi falado de forma pausada e articulada.

- Gritar dificulta a compreensão e o reconhecimento de fala além de causar distorção nos sons.

- Use gestos representativos e indicativos.

- Mímicas e expressões faciais ajudam a completar a mensagem.

- Sempre que possível, prefira locais mais calmos para as conversas.

* Isabela Carvalho é fonoaudióloga da Telex Soluções Auditivas, especialista em audiologia.



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.