Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Síndrome de Burnout, doença que afeta os profissionais

Síndrome de Burnout, doença que afeta os profissionais

13/08/2014 Maria Inês Vasconcelos

Síndrome incide, com maior frequência, sobre empregados excessivamente dedicados à atividade profissional e perfeccionistas.

Além das tradicionais doenças que afetam a psiquê do trabalhador, como a depressão, o pânico e a ansiedade generalizada, uma outra patologia vem atingindo de forma brutal os trabalhadores. É a Síndrome de Burnout, mais conhecida como Síndrome de Exaustão.

Em português Burnout tem o significado de "perder o fogo"ou "queimar completamente". Portanto, o indivíduo que porta esta síndrome é alguém que teve sua energia vital completamente ceifada. É aquele trabalhador que literalmente queimou o fusível, expressão utilizada na informalidade para descrever o trabalhador acometido de Burnout.

Importante registrar que um dos sintomas mais marcantes da Síndrome de Exaustão Profissional é a despersonalização, seguida da fase de sentimento de incompetência e inadequação para o trabalho - fase na qual o trabalhador passa a duvidar de sua capacidade de realizar as mais simples tarefas, não conseguindo mais se adequar a organização, costumando ainda a adotar uma postura cínica e insensível perante colegas de trabalho e ao próprio patrão.

Estatisticamente essa Síndrome incide, com maior frequência, sobre empregados excessivamente dedicados à atividade profissional e perfeccionistas, são justamente aqueles que se degladiam para ser o primeiro lugar nas metas, dar os melhores resultados, os sempre interessados em manter posições de destaque e que tem o desejo de ser o melhor – os mais atingidos.

A pressão emocional e física decorrente do trabalho é também um dos fatores que mais contribuem para o surgimento da doença. Assim, o ambiente de trabalho e suas condições debilitantes e um dos maiores disparadores dessa doença.

A exaustão profissional ocorre física e piquicamente e é bastante limitadora, trazendo impedimentos, pelo menos na fase mais aguda, para se realizar tarefas normais e se ter uma vida de qualidade. Entre os seus sintomas mais relatados podemos listar as dores pelos corpo todo, sensação generalizada de fadiga e esgotamento, insônia e a sensação de perda dos sentidos e desmaio ou “apagão”. Portadores dessa síndrome relataram muitas vezes, ter perda de memória, que é uma forma reação ao stress agudo, em algumas fases da doença, tudo decorrente das pressões excessivas no ambiente de trabalho.

Finalmente registramos que essa patologia está prevista na Lei 8213-91, figurando na lista de transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho, autorizando o requerimento de auxílio doença previdenciário e estabilidade provisória no emprego, desde que constatado que a doença guarda conexão direta com o trabalho, caso em que o trabalhador poderá até mesmo fazer jus a uma indenização no curso de ação judicial. Portanto, fica aí o alerta, pois a doença é realmente altamente incapacitante e grave.

* Maria Inês Vasconcelos é bacharel em Direito pela UFMG, pós-graduada em Direito de Empresa pela PUC Minas, e especialista em Direito do Trabalho.

 



Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.


Inaugurada a era das assembleias virtuais

A pandemia acelera a digitalização nos condomínios.