Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sobre Dor e Felicidade

Sobre Dor e Felicidade

02/08/2021 Daniel Medeiros

Assim como Robert Johnson, vivemos em uma encruzilhada:

Nunca tantos declararam publicamente o propósito de serem felizes e, com isso, afastar as dores da vida; ao mesmo tempo, esses mesmos tantos desejam, junto com a felicidade, serem bem sucedidos e, para alcançar esse sucesso, reconhecem a necessidade de superar todos os obstáculos, custe o que custar, incluindo muita dor.

“Só desistir é que é para sempre”, repetem o mantra daqueles que afirmam ter obtido o tão citado sucesso. A conclusão desse silogismo é: se você for bem sucedido, será feliz. Mas haverá a dor.

Toda uma cadeia de cursos e livros conhecidos como “auto-ajuda” surgiram na esteira desse paradoxo. A Felicidade virou o santo Graal, o novo Shangrilá, a Terra Prometida.

Ao mesmo tempo, longe dos enjoativos 40 anos no deserto, a Nova Felicidade ocorre em meio a muito entretenimento, sem muito peso, sem muita demora, sem muita profundidade.

Sucesso fast food, gamificado, como os cursos que afirmam transformá-lo em psicanalista ou professor ou proficiente em qualquer língua em quatro meses. É só ter vontade!

A Filosofia, desde que surgiu buscando encontrar alguma ordem (cosmos) racional nas coisas que nos rodeiam e nas coisas que rodeiam dentro de nós, igualmente deparou-se com a questão do Fim - como o destino natural de nossas ações equilibradas  - e da Felicidade - como objetivo desejado para nossas vidas.

Aristóteles fundiu uma ideia na outra e chamou o Fim de Felicidade. Daí a sociedade moderna traduziu o Sucesso como Fim e definiu como Felicidade a aquisição e o consumo e, ainda mais recentemente, como visibilidade (ser famoso) e likes na internet.

Lembro-me aqui do Forrest Gump, na cena em que o personagem resolve correr e correr e logo começa a ser seguido e em algum tempo, centenas e centenas de pessoas encontram nele o motivo de suas próprias vidas.

Só faltou combinar com o Forrest. Em um instante, sem nenhuma razão aparente - aliás, a mesma falta de razão que o fez principiar a corrida - ele para e vai fazer outra coisa, imergindo no cotidiano. E o vazio se instalou, mais uma vez, na alma da multidão.

Voltando ao Aristóteles: o Fim-Felicidade não passa pela fuga da dor e nem pelo encontro necessário com ela, porque não há uma relação entre Felicidade e Sucesso, mas entre Felicidade e Bem Comum.

Ou seja: em vez de estar acima, recebendo os raios brilhantes do sol antes dos outros, sozinho, mesmo que por um instante, a Felicidade aristotélica é estar ao lado de muitos, compartilhando o sol que, de resto, assim como o feijão, sempre dá pra mais um convidado e outro e outro. Basta reconhecê-lo como merecedor daquilo que você deseja para você também.

Epicuro, outro daqueles incríveis pensadores gregos, dizia que a Felicidade é o prazer obtido pelo discernimento – e ele pode implicar alguma dor, desde que isso signifique afastar dores maiores.

Algo como suportar a picada da agulha da injeção para se imunizar contra um vírus terrível. Ou aceitar a broca do dentista e depois poder voltar a sorrir.

Ou ter a paciência de esperar, ou a determinação de estudar por longas horas, ou percorrer longas distâncias para, enfim, ser recompensado pelo abraço querido de alguém que também se esforçou para encontrá-lo.

Isto é: não parece haver uma incompatibilidade necessária entre dor e felicidade, mas entre felicidade e sucesso, que causa dor. Como diziam os antigos, aí está o busílis. Muitos querem o sucesso e acham que isso lhes trará felicidade.

Para isso, aceitam qualquer negócio, por mais doloroso - do ponto de vista físico ou moral - que seja. Muitas vezes tornam-se bem sucedidos.

E descobrem que a felicidade que acompanha esse momento é como um pedacinho de algodão doce. Maravilhoso ao vê-lo. Irresistível antes de tê-lo. Rapidamente delicioso quando consumido, tanto quanto insuficiente. Frustrante antes mesmo de ser esquecido.

E o Fim é o vazio da perda da inocência de que um pedacinho de algodão doce era tudo o que se queria e que é impossível reiniciar a operação imediatamente. O segundo pedaço de algodão doce é somente a busca desesperada pelo sabor que não se repetirá mais.

E lá vamos outra vez, correndo atrás de outro Forrest Gump, enquanto os textos de Aristóteles e as máximas de Epicuro empalidecem nas prateleiras.

* Daniel Medeiros é Doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.

Para mais informações sobre felicidade clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: