Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Socialismo: o fracasso de uma ideia trágica

Socialismo: o fracasso de uma ideia trágica

21/06/2017 José Pio Martins

O maior pecado do socialismo é a destruição da “humanidade” que existe no indivíduo.

O primeiro patrimônio do ser humano é seu corpo, que, em uma sociedade civilizada, ninguém pode agredir nem escravizar. A única exigência contra o direito de domínio sobre seu corpo é que o indivíduo respeite o mesmo direito de seu semelhante e, não o fazendo, seja processado, julgado e punido nos termos de lei que assegure o devido processo e o direito de defesa.

O segundo patrimônio humano é o direito de apropriar-se livremente do que é produzido por seu corpo e sua mente, obedecidas as leis e as normas de convívio social. Assim, esse segundo patrimônio é o direito de apropriar-se livremente dos frutos de seu trabalho, cuja único meio que um sistema social tem de fazê-lo é pela garantia do direito de propriedade.

No mundo antigo, escravo era aquele que não tinha o direito de posse e cujo trabalho para outrem tinha como recompensa apenas a comida, a cama e o teto. Negar ao ser humano o direito de propriedade é transformá-lo em escravo de outro ser humano, como era em Roma, ou transformá-lo em escravo do Estado, como é no socialismo.

O maior pecado do socialismo é a destruição da “humanidade” que existe no indivíduo, ao negar-lhe usufruir dos frutos de seu trabalho, muitas vezes, pela via do assassinato do homem, como fizeram todas as ditaduras socialistas, sem exceção.

Uma questão que intriga é: por que surgiu a ideia socialista? Isto é, um regime sem direito de propriedade privada dos meios de produção? Karl Marx não gostou do que viu no começo da Revolução Industrial na Inglaterra em termos da jornada de trabalho dos operários e das precárias condições de vida. Um grande erro de Marx foi não perceber que o estoque de capital (fábricas, máquinas e equipamentos) não conseguia absorver todos os trabalhadores, pois a população explodia mais que o avanço da tecnologia e a produção de bens de capital.

O desemprego marxiano é exatamente isto: há insuficiência de capital para absorver toda a população em condições de trabalhar. Outro erro de Marx foi não perceber que a única solução para resolver o problema era a continuação da revolução tecnológica e a criação de novos bens de capital. Na sequência, surge uma proposta estapafúrdia: acabar com o direito de propriedade e negar a todos o direito de apropriar-se livremente do fruto de seu trabalho.

O socialismo, assim, somente seria possível pelo confisco das propriedades de terra, das fábricas e de toda posse urbana de bens de produção. Ou seja, seria necessário voltar ao regime de escravidão da Roma antiga, agora com um regime de escravidão pelo Estado. Para tanto, seria necessário assassinar os que reagissem à perda de seus bens e de seu direito à liberdade.

Porém, um grande erro dos marxistas foi acreditar que esse tipo de solução resolveria o problema da pobreza, objetivo em que o socialismo viria a falhar rotundamente, pela total incapacidade de produzir riqueza. Sem produção de bens e serviços, a distribuição da renda é apenas uma divisão igualitária da miséria.

Atualmente, a Venezuela é um país que está cumprindo fielmente o figurino de provar o quão desumano e completamente ineficiente é qualquer formato socialista de produção... para infelicidade dos habitantes daquele país, onde há falta desde papel higiênico, medicamentos, energia e até água.

O desgraçado sistema capitalista tem defeitos, mas, por preservar os direitos mais básicos do homem – especialmente a liberdade e o direito de propriedade –, é o único sistema capaz de resolver justamente a pobreza que tanto indignava Marx. Portanto, a tarefa é melhorar o capitalismo e não colocar em seu lugar uma ideia trágica: o socialismo.

* José Pio Martins é economista e reitor da Universidade Positivo.



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?