Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Socorro, estou sendo vítima de assédio moral onde trabalho

Socorro, estou sendo vítima de assédio moral onde trabalho

17/08/2016 Maria Inês Vasconcelos

A coisa é tão grave que se parece com um holocausto.

A crônica cotidiana do jornalismo não deixa de denunciar constantemente o processo de reengenharia pelo qual passam centenas de empresas brasileiras para reduzir seu quadro de empregados, tudo com o objetivo de cortar custos.

Imbuídos do desejo de enxugar o número de funcionários muitos gestores estão praticando táticas absurdas e desumanas, violando todas as normas jurídicas de proteção ao empregado. O pesadelo dentro das empresas é descrito e relatado pelas vítimas e os detalhes dessa maldade equiparam este fenômeno ao purgatório.

Vamos além, a coisa é tão grave que se parece com um holocausto. Para dar cabo à redução de funcionários, as empresas utilizam como ferramenta capital, o assédio moral em seus vários métodos bárbaros.

Em grande parte, colocam alguns empregados na geladeira, praticam transferências com intuito de humilhar ou dificultar a rotina familiar do empregado, exigem desempenho desmedido, impõem metas absurdas e fazem cobranças em forma de tortura; usam e abusam de recursos como as teleconferências e ranqueamentos para minar os sentimentos mais íntimos do trabalhador; tudo com o objetivo de desestabilizar o empregado e forçar que ele faça o pedido de demissão.

Usar do assédio moral para se livrar dos empregados a baixo custo é uma das formas mais cruéis de gestão da pós-modernidade. Causa espanto que a violência física e psicológica perpetrada sobre os empregados não seja objeto de uma análise mais criteriosa dos sindicatos.

Aliás, o movimento sindical brasileiro precisa urgentemente de uma atuação pesada que possa coibir esse abuso de direito e essas práticas cruéis no meio empresarial. É inquestionável e gritante para os minimamente atentos, que existe realmente um holocausto premeditado dentro das empresas e uma cultura gerencial nociva, em que o objetivo é se livrar do empregado ao menor custo possível através de violência psicológica.

É hora de gritar aos órgãos Judiciais, ao Ministério Público do Trabalho e aos sindicatos para chamar a atenção de todos eles, antes que a tática praticada se torne uma verdadeira ideologia. O alarme para a gravidade do momento e desta situação, já começou a soar. Acudam.

* Maria Inês Vasconcelos é Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.