Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Socorro, estou sendo vítima de assédio moral onde trabalho

Socorro, estou sendo vítima de assédio moral onde trabalho

17/08/2016 Maria Inês Vasconcelos

A coisa é tão grave que se parece com um holocausto.

A crônica cotidiana do jornalismo não deixa de denunciar constantemente o processo de reengenharia pelo qual passam centenas de empresas brasileiras para reduzir seu quadro de empregados, tudo com o objetivo de cortar custos.

Imbuídos do desejo de enxugar o número de funcionários muitos gestores estão praticando táticas absurdas e desumanas, violando todas as normas jurídicas de proteção ao empregado. O pesadelo dentro das empresas é descrito e relatado pelas vítimas e os detalhes dessa maldade equiparam este fenômeno ao purgatório.

Vamos além, a coisa é tão grave que se parece com um holocausto. Para dar cabo à redução de funcionários, as empresas utilizam como ferramenta capital, o assédio moral em seus vários métodos bárbaros.

Em grande parte, colocam alguns empregados na geladeira, praticam transferências com intuito de humilhar ou dificultar a rotina familiar do empregado, exigem desempenho desmedido, impõem metas absurdas e fazem cobranças em forma de tortura; usam e abusam de recursos como as teleconferências e ranqueamentos para minar os sentimentos mais íntimos do trabalhador; tudo com o objetivo de desestabilizar o empregado e forçar que ele faça o pedido de demissão.

Usar do assédio moral para se livrar dos empregados a baixo custo é uma das formas mais cruéis de gestão da pós-modernidade. Causa espanto que a violência física e psicológica perpetrada sobre os empregados não seja objeto de uma análise mais criteriosa dos sindicatos.

Aliás, o movimento sindical brasileiro precisa urgentemente de uma atuação pesada que possa coibir esse abuso de direito e essas práticas cruéis no meio empresarial. É inquestionável e gritante para os minimamente atentos, que existe realmente um holocausto premeditado dentro das empresas e uma cultura gerencial nociva, em que o objetivo é se livrar do empregado ao menor custo possível através de violência psicológica.

É hora de gritar aos órgãos Judiciais, ao Ministério Público do Trabalho e aos sindicatos para chamar a atenção de todos eles, antes que a tática praticada se torne uma verdadeira ideologia. O alarme para a gravidade do momento e desta situação, já começou a soar. Acudam.

* Maria Inês Vasconcelos é Advogada Trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.



O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.