Portal O Debate
Grupo WhatsApp

STF – A incompetência de pronto, a competência para depois

STF – A incompetência de pronto, a competência para depois

20/04/2021 Bady Curi Neto

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no dia 15/04 que o Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba seria incompetente para julgar o ex-presidente Lula nos casos conhecidos como Triplex do Guarujá, sítio de Atibaia, e mais duas ações envolvendo o Instituto que leva o seu nome.

Segundo os votos vencedores não havia conexão entre as condutas delitivas apontadas pelo Ministério Público e atribuídas à Lula, nos diversos processos com a Petrobras, por tanto, não estaria preventa à Vara Federal de Curitiba.

O voto do Ministro relator, citando entendimento pretérito do STF na questão de ordem no Inquérito 4.130, a 13ª Vara Federal de Curitiba seria competente somente nos fatos que envolviam desvios da Petrobras.

Assevera-se que o julgamento da incompetência do Juízo nada tem a ver com a suspeição decidida pela 2ª Turma daquele sodalício, no qual reconheceu que o então Juiz Moro não manteve a equidistância necessária que se espera de um magistrado com as partes envolvidas no processo judicial.

A suspeição ocorre dado a parcialidade do Magistrado na condução do processo, com sede de privilegiar ou condenar uma das partes, desequilibrando forças e paridade de armas entre a acusação e a defesa (autor e réu).

Já incompetência se dá quando o magistrado, apesar de sua jurisdição, não pode julgar determinados casos, seja em razão da matéria, seja em razão da territorialidade.

O STF entendeu que os casos denunciados contra Lula não poderiam ser processados e julgados pelo Juiz da 13ª Vara Federal, eis que não restou provado que tinham relação com os desvios da Petrobras, por tanto deveriam, ser julgados em outro Juízo.

O fato de instâncias inferiores do Poder Judiciário (Primeira instância, Tribunal Regional Federal e Superior Tribunal de Justiça) terem entendido que o Juízo de Curitiba era competente e a Excelsa Corte julgar de forma contrária não causa estranheza.

O processo somente agora chegou ao Supremo Tribunal Federal.  Ressalte-se que a alegada incompetência tem sido perquirida pela defesa do acusado Lula, incessantemente, em todas as fases processuais.

Não adentrando no mérito da competência ou não do Juízo de Curitiba, por não conhecer os autos do processo e as complexas provas ali existentes, e por não ser advogado criminalista, com as escusas de um leigo, causou estranheza que a própria Corte ao decidir pela incompetência não chegou, ainda, a decidir qual o Juízo Competente para julgar os processos contra o ex-presidente.

O Ministro Relator entendeu ser a Vara Federal de Brasília, o Ministro Alexandre de Moares considera competente a Justiça Federal de São Paulo, eis que os fatos apontados pelo Ministério Público ocorreram naquele Estado.

Com a discordância suscitada chegaram ao concesso da incompetência, mas não concluíram o julgamento quanto o Juízo competente.

Se a própria Suprema corte, dado a complexidade dos fatos e provas existentes nos autos, em processo desta envergadura e importância, não conseguiram de imediato decidir o Juízo Competente, será que o Ministro Marco Aurélio não tinha razão no entendimento de que o Habeas Corpus seria um recurso muito estreito para exame da matéria?

Com a resposta os doutos criminalistas e o STF que julga a incompetência, de pronto, sem saber o competente.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre STF clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.