Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sua Estratégia CRM

Sua Estratégia CRM

17/12/2008 Divulgação

Operação, Análise e Mudança Organizacional. São estas as três palavras mágicas para quem pretende colocar em funcionamento uma estratégia de CRM

Vários projetos de CRM estão em andamento no Brasil e no mundo nesse momento. Porém, nem todos estão na direção correta. Pairam dúvidas sobre os resultados palpáveis e financeiros dessas iniciativas.

 

Em grande parte, a ausência de objetivos e métricas bem definidas, o foco excessivo em tecnologia, o não alinhamento com a estratégia de negócio, a falsa percepção de que tal alinhamento existe, a capacitação inadequada das equipes de interação com os clientes, a tentativa de abreviação do processo de amadurecimento e o excesso de complexidade operacional dos projetos são, sim, os grandes vilões dos projetos e estratégias de CRM.


Apesar de tudo, conceitos básicos do CRM já estão bastante disseminados e discutidos. Sabe-se, por exemplo, que reter clientes pode ser extremamente rentável, que os clientes são diferentes e merecem investimentos e custos diferentes, e que buscar e manter informações de clientes não é barato.

E como transformar esse conhecimento em resultados? Utilizando as três palavras do começo do texto. O estágio operacional – “Operação” – refere-se basicamente à estruturação e integração de todos os pontos de contato com o cliente, como centrais de atendimento, web e vendedores, entre outros.

 

Cada ação iniciada ou recebida por esses canais deve atualizar sistemas de dados e disparar ações programadas (fluxos de trabalho ou processos) envolvendo colaboradores e clientes. Pode-se citar como exemplo uma reclamação de um cliente feita por meio do auto-atendimento na web, gerando atividades sincronizadas para as equipes de serviço, que disparam e-mails informando ao cliente sobre o andamento do processo até a sua finalização. O componente tecnológico nesse estágio são os sistemas de gestão do relacionamento com clientes, como o Microsoft Dynamics CRM.

Mas, como veremos, este é apenas um estágio de uma estratégia de CRM, e por si só não representa uma filosofia de negócios. Trata-se de uma simples ação operacional. É verdade que, muitas vezes, representa uma grande evolução nos métodos de uma empresa, mas ainda é puramente operacional.

O estágio analítico – “Análise” – envolve o tratamento dos dados sobre os clientes para gerar informações sobre seus hábitos e interesses. Com base nelas, a empresa pode re-planejar ações de marketing, vendas e atendimento. O componente tecnológico nesse estágio são as ferramentas de análise de dados (BI e EIS), como o Perfomance Point da Microsoft.

 

Operar e analisar são os fundamentos. Porém, é nesse momento que entra em campo o terceiro estágio: as “Mudanças Organizacionais”. Com base nas informações obtidas nos estágios operacionais e analíticos, a empresa muda as relações com seus clientes, transformando seus processos e sua organização.

Fazer mudanças nesse nível é o mais difícil. Muitos dos obstáculos estão dentro da própria empresa. Reações às mudanças acontecem com freqüência e com muita intensidade – sobretudo em uma companhia que foi preparada e estruturada para fornecer produtos e serviços distintos, muitas vezes independentes (e às vezes até concorrentes entre si), mas que agora devem passar por um redesenho para serem focados no cliente. Como é difícil! Mudanças nos hábitos dos vendedores e na integração de áreas como marketing, vendas e serviços são, muitas vezes, tarefas complicadas.

Tecnologia é importante, mas esta, sozinha, não muda a filosofia da empresa, principalmente se estiver presa ao estágio operacional. O sucesso da estratégia de CRM vem da compreensão de que uma filosofia de negócios envolve tecnologia e processo, organização e pessoas, estratégia e negócios.

 

*Egon Coradini é Diretor Comercial da Tridea



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.