Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Sustentabilidade e sua dimensão comercial para o Brasil

Sustentabilidade e sua dimensão comercial para o Brasil

26/09/2016 Luiz Eduardo F. do Amaral Osorio

Observa-se uma importante evolução no discurso do Itamaraty em relação à questão da sustentabilidade.

Na nova agenda externa brasileira, o tema foi alçado pelo Ministério das Relações Exteriores como uma de suas 10 áreas prioritárias, inserindo o assunto do desenvolvimento sustentável no contexto das relações comerciais e de atração de novos investimentos produtivos para o País.

Além da ênfase em uma postura mais proativa nas negociações sobre o clima e desenvolvimento sustentável, a nova abordagem proposta pelo Itamaraty oferece ao assunto um campo de possibilidades ainda inexploradas nas relações comerciais do Brasil com outros países, reconhecendo o tema como um novo elemento para a competitividade da economia brasileira no comércio internacional.

À luz dessa compreensão, a sustentabilidade pode ser uma das portas de saída para a crise econômica, estimulando a efetiva inserção da economia brasileira no comércio internacional no mundo globalizado. No campo institucional, o País já é reconhecido como referência no tema ambiental.

Esse protagonismo, agora, deve se refletir também na esfera econômica, com benefícios para as empresas brasileiras e para o desenvolvimento socioeconômico do País. Observando os movimentos que acontecem globalmente, o reconhecimento do custo ambiental no preço final de bens e serviços torna-se cada vez mais uma realidade e, como consequência, um elemento de competitividade.

Um exemplo atual é a França que, recentemente, sinalizou um movimento inédito que pretende taxar produtos importados de acordo com as emissões de carbono em sua produção. Como portador de um dos menores índices de emissão de carbono por Produto Interno Bruto (PIB) produzido, o Brasil possui uma vantagem que o posiciona na frente nesta nova etapa da disputa do comércio internacional, ampliando as possibilidades de expansão de bens e serviços brasileiros para novos mercados.

Possuímos uma matriz energética desejável em todo o mundo, com 41% das fontes vindas de energia limpa e renovável. Esta condição coloca o Brasil no rol daqueles que efetivamente têm condições de cumprir, de forma exemplar, os compromissos assumidos na COP 21, em Paris.

Na ocasião, o País assumiu a meta de reduzir em 43% as emissões até 2030 em relação a 2005, além de garantir que 45% da matriz energética seja proveniente de fontes renováveis e que as fontes alternativas representem 23% da matriz elétrica nacional.

Com o avanço dos biocombustíveis, das usinas eólicas e da geração solar, temos condições de liderar o mundo na direção da economia de baixo carbono. Para os que ainda questionam os benefícios econômicos desta guinada, estudo produzido recente pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (URFJ) estima um incremento de até R$ 609 bilhões no PIB brasileiro entre 2015 e 2030 em um cenário de adoção de adoção de medidas contundentes na redução das emissões de gases de efeito estufa na economia brasileira, desde o setor de energia até a agropecuária.

São investimentos na chamada economia verde, trazendo mais riqueza, novas tecnologias e geração de emprego e renda. A sinalização do Itamaraty de priorizar o tema ambiental, portanto, representa uma forte oportunidade de recolocarmos o Brasil como um importante “player” no comércio global, fazendo jus ao status de uma das 10 maiores economias do mundo.

O País deve aproveitar esta vantagem sem deixar de fazer a lição de casa, adequando seus processos e reduzindo os altos custos de produção, penalizados por uma carga tributária elevada e uma cadeia logística ineficiente. Sem superar essas questões estruturais, a atual vantagem competitiva na área de sustentabilidade poderá ter uma vida mais curta do que o esperado.

* Luiz Eduardo F. do Amaral Osorio é vice-presidente Jurídico e de Relações Institucionais da CPFL Energia.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso