Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tecnologia para pontos de vendas mais atrativos

Tecnologia para pontos de vendas mais atrativos

26/11/2018 Luiz Carli

Como uma rede varejista pode se sobressair diante da concorrência em tempos de redes sociais.

O aumento do número de dispositivos conectados e a consequente facilidade para comparação de produtos, serviços e preços têm levado os consumidores a um novo patamar de protagonismo na hora das compras.

Essa nova forma de relacionamento com os clientes vem desafiando empresas de todos os portes e de variados segmentos e no comércio varejista, em especial, essa realidade móvel e Omnichannel tem se mostrado ainda mais desafiadora. Afinal, as novas formas de consumo provocam uma verdadeira revolução no varejo, com a busca por formas de oferecer sempre a melhor experiência de compra para os consumidores.

Mas como uma rede varejista pode se sobressair diante da concorrência em tempos de redes sociais, plataformas multimídia e sistemas integrados? A resposta para essa questão, acredite, está muito ligada à imagem e à sensação que a loja entrega ao seu cliente em seu ambiente físico.

Segundo dados do POPAI (Point of Purchase Advertising International), 76% das decisões de compra do varejo acontecem dentro do ponto de venda. É primordial, portanto, que a comunicação com o cliente nesse local esteja sempre atualizada e de acordo com os objetivos de negócios estabelecidos para o momento.

Nesse cenário, uma inovação que tem crescido é o processo de cartazeamento eletrônico. A técnica permite, em síntese, o uso da tecnologia para gerar cartazes de forma muito mais fácil, rápida e sofisticada, garantindo maior atratividade e uniformidade à comunicação visual dos varejistas em seus pontos de venda.

São várias as vantagens de se utilizar esse tipo de solução. Uma delas, por exemplo, é a possibilidade de transmitir a identidade visual da marca de forma mais clara e harmônica, principalmente em grupos com várias filiais. Nas grandes redes de lojas, o sistema de cartaz eletrônico permite que o consumidor tenha sempre a mesma percepção visual da empresa em todos os seus ambientes, mantendo a comunicação mais coesa, confiável e inteligível.

Outro benefício importante é a oportunidade de explorar possibilidades visuais que não existiam antes. A comunicação de ofertas com esse tipo de impressão digital oferece a chance de incluir e trabalhar imagens junto aos preços e nomes dos produtos de maneira inovadora, tornando a peça mais atrativa. Além disso, é possível aplicar técnicas mais assertivas de comunicação, selecionando a melhor linguagem e os tipos, cores e tamanhos mais adequados.

Isso é essencialmente importante se lembrarmos que, de acordo com estudo da Colorcom, uma imagem em preto e branco pode prender a atenção de uma pessoa por menos de dois terços de segundo, enquanto uma imagem colorida pode prender a atenção por dois segundos ou mais. O relatório ainda aponta que 42% dos consumidores tendem a ler anúncios em cores de forma mais frequente do que versões em preto e branco.

O cartazeamento eletrônico também promove mais agilidade aos varejistas, uma vez que as peças promocionais são geradas por meio de aplicativos e impressoras digitais. Isso garante a possibilidade de reação rápida aos movimentos da concorrência e às tendências de consumo, mantendo a qualidade técnica dos cartazes e com uma sensível redução de custos na maioria dos casos.

Apesar de ser uma tendência em franco crescimento, o processo também exige alguns cuidados para garantir que a inovação, de fato, traga ganhos para o negócio. É preciso ponderar, entre outras coisas, sobre a correta escolha dos programas para cartazeamento, o tipo de papel e de impressão e, ainda, o volume de informações de forma geral. No caso dos programas, por exemplo, há muitas opções disponíveis no mercado e cabe ao varejista identificar aquela que mais atende suas necessidades atuais, bem como avaliar se será adequada para as exigências futuras.

É preciso também alinhar o cartazeamento eletrônico a outras plataformas de comunicação, compondo uma linha estratégica com foco no aumento da qualidade do atendimento e, assim, do resultado do negócio. Outro ponto importante é observar e analisar continuamente a real experiência oferecida pela loja aos consumidores e qual o nível de satisfação dos clientes.

Por fim, o cuidado na escolha da impressora ou do fornecedor de serviços de impressão é fundamental. O ideal é identificar o modelo que melhor atende as necessidades no que diz respeito ao padrão de impressão a ser utilizado: impressões coloridas ou monocromáticas, em papel A4, A3 ou Super A3, bem como a gramatura. É recomendável e seguro investir em equipamentos com especificações superiores à sua necessidade atual, de forma a evitar gastos em um futuro próximo. Impressoras A3, coloridas com suporte a gramaturas superiores a 200g/m2 são as mais versáteis para esse tipo de aplicação.

Ainda assim, é essencial aliar a segurança do fornecedor a ser contratado e os atributos dos equipamentos, como qualidade e robustez, para oferecer uma ampla rede de atendimento de assistências técnicas com cobertura para toda a sua região.

O varejo brasileiro não pode perder a chance de se modernizar. As empresas deveriam trabalhar para antecipar as necessidades dos consumidores e oferecer novidades que promovam uma experiência de compra efetivamente mais completa e agradável.

Aliando a observação de tendências ao uso inteligente das tecnologias disponíveis, os varejistas podem realmente atrair, conquistar e fidelizar a atenção dos clientes, destacando-se em meio à concorrência ao entregar a melhor experiência de compra aos seus consumidores. A tecnologia para transformar os supermercados e varejos brasileiros já está disponível. Resta saber quem sairá na frente na nova corrida pela atenção dos consumidores.

* Luiz Carli é Diretor Geral da OKI Data Brasil.

Fonte: PLANIN



Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.