Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tempo de ajustar os custos

Tempo de ajustar os custos

31/12/2016 Felipe Mello

Com o cenário político e econômico brasileiro prejudicado, as empresas têm se dedicado a reduzir os seus custos.

Muitas têm obtido sucesso com as reduções incrementais – aquelas economias geradas no dia a dia administrativo, como renegociações de contratos com fornecedores, por exemplo –, mas ainda há um outro tipo de economia que deve ser colocado em pauta em tempos como esse: é a redução de custos estrutural.

Trata-se de um olhar mais profundo e estratégico da operação da empresa, que avalia desde o portfólio dos produtos até a sua localização. Será que os produtos oferecidos estão dando lucro? São demandados de forma igual pelo mercado? Será que a localização é a mais estratégica, sob o ponto de vista financeiro? Esses e outros pontos são cuidadosamente estudados na revisão estrutural da companhia.

Para atingir resultados efetivos e duradouros, a recomendação é adotar as duas reduções de forma conjunta, já que uma modifica o modelo de negócio, enquanto que a outra é super necessária para o controle do dia a dia organizacional.

Ao adotá-las, é possível atingir uma redução de gastos de até 30% e ainda colher benefícios indiretos, como melhoria nos processos de gestão e uma mudança cultural na empresa, injetando nos funcionários o sentimento de dono.

Esse modelo também permite fazer análises sobre os resultados que ainda estão por vir e não somente daqueles que já foram alcançados, o que gera maior assertividade na estratégica. Outro ponto importante na trajetória à redução de custos é a revisão orçamentária.

Não apenas no início ou meio do ano, mas com periodicidade bi ou trimestral. A atual instabilidade econômica exige um acompanhamento mais próximo do budget da companhia para que mudanças de rota possam ser feitas com agilidade.

Desdobrar o orçamento do último nível gerencial até o centro de custos, bem como estabelecer premissas e metas claras é essencial para garantir transparência entre os colaboradores e garantia de que ele será cumprido.

Nessa etapa em que o orçamento é disseminado para toda a empresa, o uso de ferramentas de controle é fundamental, pois elas consolidam os dados de forma automática e conferem precisão às informações. Além disso, dão visibilidade ao que está acontecendo por meio de dashboards, permitindo identificar questões críticas ou que podem ser aprimoradas.

Esses modelos de gestão certamente trarão benefícios a todas as organizações, mas naquelas em que a cultura de controle de custos já estiver instaurada, provavelmente coletarão resultados maiores. Para elas, o desafio estará em analisar frequentemente os dados em busca de oportunidades de melhoria e, quanto mais assertivo for o planejamento e suas revisões, menor será o impacto frente às mudanças externas.

Mais do que garantir solidez para ultrapassar as turbulências do mercado, essas ações irão alavancar ganhos de competitividade e adequação do orçamento de forma ágil às mudanças do mercado, garantindo, assim, a sustentabilidade do negócio a longo prazo.

* Felipe Mello é diretor da TOTVS Consulting.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa