Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Todo choque incomoda

Todo choque incomoda

21/09/2017 Pedro Panhoca da Silva

Que a arte muitas vezes foi feita para chocar, e não agradar, isso todos sabem.

E esse recurso está longe de ser esgotado. A última polêmica ocorreu na exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, a qual foi cancelada antecipadamente no dia 10/09.

Em meio às comemorações e lamentações, fica a dúvida se a arte foi vítima ou criminosa, se é que essa culpa pode lhe ser atribuída. A ideia foi trabalhar a ideologia queer - cuja proposta é defender que a identidade de gênero é produto de um constructo social e não uma verdade biológica pré-determinada, questionando o binarismo de gênero - na primeira exposição voltada exclusivamente a ela na América Latina.

Quase cem anos após a polêmica (e agora reconhecida como fundamental) Semana de 22, mantém-se a média de algo novo ao público geral receber mais críticas negativas do que positivas. Protestos acusaram o incentivo à pedofilia, à zoofilia e à sexualização precoce infantil, cenas que aparecem em algumas poucas obras expostas dentre as quase 300, que pouco provocam.

Porém, o estardalhaço causado por essa minoria de amostras foi o suficiente para se acusar a curadoria de não cumprir o edital e ofender diversos grupos da sociedade brasileira. Esquerdistas ou direitistas, religiosos ou não, reacionários e revolucionários precisam entender que liberdade de expressão não significa liberdade de ofensa.

“Frescura” e “peculiaridade” são, muitas vezes, paradoxalmente sinônimos e antônimos. Se cristãos e hinduístas se sentem ofendidos em seres misturados, como visto na obra Cruzando Jesus Cristo com Deusa Schiva (1996) têm todo o direito de não cancelar a exposição, mas de lutar pela retirada dessa obra específica.

Já Oxumaré (1980) parece não incomodar tanto. Se Cena de Interior II (1994), que resgata um tema tratado pelo consagrado Hokusai em O sonho da mulher do pescador (1820), for forte demais ao gosto geral, também precisará ser removida. Nem sempre a arte agrada a todos, e fica seu registro para posteriormente ser elevada a cult, vanguardista ou muito à frente do seu tempo – se merecer.

Assim como o professor que prepara uma aula que não agradou, o engenheiro que projeta algo que falhou e o médico que receita algo que não surtiu efeito, a arte também erra. E o grande erro dessa exposição não foi ter usado o apoio financeiro da Lei Rouanet (fontes variam ao relatarem quanto foi de fato concedido, algo em torno de 800.000 a 1 milhão de reais), mas de não ter alertado o público quanto ao seu conteúdo.

Como numa aula improvisada em que tudo dá errado, os professores que levaram seus alunos à exposição também são culpados e deveriam ter o conhecimento prévio antes de conduzirem seus alunos a tal. Quem busca proibir a exposição também erra, pois confunde princípios básicos como a censura e o boicote. Boicotar todos têm direito se não gostam, e quem é influenciado é porque acredita ser parte dessa ideologia.

E, por fim, ter a exposição cancelada demonstra o reconhecimento que a falta de agrado imperou no final, seja na repercussão das mídias locais e virtuais, que ganharam forte impulso nas últimas semanas. Se a intenção foi chocar e propor reflexão, a exposição foi um sucesso. O debate está longe de ser terminado, até porque grupos de pessoas favoráveis à exposição querem-na novamente na ativa e em outras cidades.

Os dadaístas bem sabiam: quem expõe assume as consequências, e lições são aprendidas para que se agrade (ou choque) mais da próxima vez.

* Pedro Panhoca da Silva é mestrando em Literatura do programa de Pós-Graduação em Letras da Unesp, Câmpus de Assis e Sabrina Nascimento de Alencar é graduanda em Letras pela Universidade de São Paulo (USP).



A arte de partejar

Não há pai, mãe ou responsável que não queira o bem para o seu filho.


Evangelho, Justiça e Paz

A Comissão de Justiça e Paz de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.


Leonardo da Vinci, o maior gênio

Leonardo da Vinci quase não frequentou escola formal, mesmo assim o grau de sua genialidade é tão alto que, no plano terrestre, é uma figura inexplicável.


Você é falsamente feliz?

As redes sociais digitais são cheias de mensagens positivas, fotos felizes, em lugares lindos, radiantes.


Streaming é cultura; cultura é direito

Cultura acessível deveria ser uma premissa, e não uma luta.


E se julho fosse seu novo réveillon?

Assim como a virada do ano costuma ser uma época para refletir sobre o que você deseja alcançar no novo ano, que tal tentar o mês de julho para pensar no seu próximo semestre?


Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.