Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Todo choque incomoda

Todo choque incomoda

21/09/2017 Pedro Panhoca da Silva

Que a arte muitas vezes foi feita para chocar, e não agradar, isso todos sabem.

E esse recurso está longe de ser esgotado. A última polêmica ocorreu na exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, a qual foi cancelada antecipadamente no dia 10/09.

Em meio às comemorações e lamentações, fica a dúvida se a arte foi vítima ou criminosa, se é que essa culpa pode lhe ser atribuída. A ideia foi trabalhar a ideologia queer - cuja proposta é defender que a identidade de gênero é produto de um constructo social e não uma verdade biológica pré-determinada, questionando o binarismo de gênero - na primeira exposição voltada exclusivamente a ela na América Latina.

Quase cem anos após a polêmica (e agora reconhecida como fundamental) Semana de 22, mantém-se a média de algo novo ao público geral receber mais críticas negativas do que positivas. Protestos acusaram o incentivo à pedofilia, à zoofilia e à sexualização precoce infantil, cenas que aparecem em algumas poucas obras expostas dentre as quase 300, que pouco provocam.

Porém, o estardalhaço causado por essa minoria de amostras foi o suficiente para se acusar a curadoria de não cumprir o edital e ofender diversos grupos da sociedade brasileira. Esquerdistas ou direitistas, religiosos ou não, reacionários e revolucionários precisam entender que liberdade de expressão não significa liberdade de ofensa.

“Frescura” e “peculiaridade” são, muitas vezes, paradoxalmente sinônimos e antônimos. Se cristãos e hinduístas se sentem ofendidos em seres misturados, como visto na obra Cruzando Jesus Cristo com Deusa Schiva (1996) têm todo o direito de não cancelar a exposição, mas de lutar pela retirada dessa obra específica.

Já Oxumaré (1980) parece não incomodar tanto. Se Cena de Interior II (1994), que resgata um tema tratado pelo consagrado Hokusai em O sonho da mulher do pescador (1820), for forte demais ao gosto geral, também precisará ser removida. Nem sempre a arte agrada a todos, e fica seu registro para posteriormente ser elevada a cult, vanguardista ou muito à frente do seu tempo – se merecer.

Assim como o professor que prepara uma aula que não agradou, o engenheiro que projeta algo que falhou e o médico que receita algo que não surtiu efeito, a arte também erra. E o grande erro dessa exposição não foi ter usado o apoio financeiro da Lei Rouanet (fontes variam ao relatarem quanto foi de fato concedido, algo em torno de 800.000 a 1 milhão de reais), mas de não ter alertado o público quanto ao seu conteúdo.

Como numa aula improvisada em que tudo dá errado, os professores que levaram seus alunos à exposição também são culpados e deveriam ter o conhecimento prévio antes de conduzirem seus alunos a tal. Quem busca proibir a exposição também erra, pois confunde princípios básicos como a censura e o boicote. Boicotar todos têm direito se não gostam, e quem é influenciado é porque acredita ser parte dessa ideologia.

E, por fim, ter a exposição cancelada demonstra o reconhecimento que a falta de agrado imperou no final, seja na repercussão das mídias locais e virtuais, que ganharam forte impulso nas últimas semanas. Se a intenção foi chocar e propor reflexão, a exposição foi um sucesso. O debate está longe de ser terminado, até porque grupos de pessoas favoráveis à exposição querem-na novamente na ativa e em outras cidades.

Os dadaístas bem sabiam: quem expõe assume as consequências, e lições são aprendidas para que se agrade (ou choque) mais da próxima vez.

* Pedro Panhoca da Silva é mestrando em Literatura do programa de Pós-Graduação em Letras da Unesp, Câmpus de Assis e Sabrina Nascimento de Alencar é graduanda em Letras pela Universidade de São Paulo (USP).



Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.