Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Todo choque incomoda

Todo choque incomoda

21/09/2017 Pedro Panhoca da Silva

Que a arte muitas vezes foi feita para chocar, e não agradar, isso todos sabem.

E esse recurso está longe de ser esgotado. A última polêmica ocorreu na exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, a qual foi cancelada antecipadamente no dia 10/09.

Em meio às comemorações e lamentações, fica a dúvida se a arte foi vítima ou criminosa, se é que essa culpa pode lhe ser atribuída. A ideia foi trabalhar a ideologia queer - cuja proposta é defender que a identidade de gênero é produto de um constructo social e não uma verdade biológica pré-determinada, questionando o binarismo de gênero - na primeira exposição voltada exclusivamente a ela na América Latina.

Quase cem anos após a polêmica (e agora reconhecida como fundamental) Semana de 22, mantém-se a média de algo novo ao público geral receber mais críticas negativas do que positivas. Protestos acusaram o incentivo à pedofilia, à zoofilia e à sexualização precoce infantil, cenas que aparecem em algumas poucas obras expostas dentre as quase 300, que pouco provocam.

Porém, o estardalhaço causado por essa minoria de amostras foi o suficiente para se acusar a curadoria de não cumprir o edital e ofender diversos grupos da sociedade brasileira. Esquerdistas ou direitistas, religiosos ou não, reacionários e revolucionários precisam entender que liberdade de expressão não significa liberdade de ofensa.

“Frescura” e “peculiaridade” são, muitas vezes, paradoxalmente sinônimos e antônimos. Se cristãos e hinduístas se sentem ofendidos em seres misturados, como visto na obra Cruzando Jesus Cristo com Deusa Schiva (1996) têm todo o direito de não cancelar a exposição, mas de lutar pela retirada dessa obra específica.

Já Oxumaré (1980) parece não incomodar tanto. Se Cena de Interior II (1994), que resgata um tema tratado pelo consagrado Hokusai em O sonho da mulher do pescador (1820), for forte demais ao gosto geral, também precisará ser removida. Nem sempre a arte agrada a todos, e fica seu registro para posteriormente ser elevada a cult, vanguardista ou muito à frente do seu tempo – se merecer.

Assim como o professor que prepara uma aula que não agradou, o engenheiro que projeta algo que falhou e o médico que receita algo que não surtiu efeito, a arte também erra. E o grande erro dessa exposição não foi ter usado o apoio financeiro da Lei Rouanet (fontes variam ao relatarem quanto foi de fato concedido, algo em torno de 800.000 a 1 milhão de reais), mas de não ter alertado o público quanto ao seu conteúdo.

Como numa aula improvisada em que tudo dá errado, os professores que levaram seus alunos à exposição também são culpados e deveriam ter o conhecimento prévio antes de conduzirem seus alunos a tal. Quem busca proibir a exposição também erra, pois confunde princípios básicos como a censura e o boicote. Boicotar todos têm direito se não gostam, e quem é influenciado é porque acredita ser parte dessa ideologia.

E, por fim, ter a exposição cancelada demonstra o reconhecimento que a falta de agrado imperou no final, seja na repercussão das mídias locais e virtuais, que ganharam forte impulso nas últimas semanas. Se a intenção foi chocar e propor reflexão, a exposição foi um sucesso. O debate está longe de ser terminado, até porque grupos de pessoas favoráveis à exposição querem-na novamente na ativa e em outras cidades.

Os dadaístas bem sabiam: quem expõe assume as consequências, e lições são aprendidas para que se agrade (ou choque) mais da próxima vez.

* Pedro Panhoca da Silva é mestrando em Literatura do programa de Pós-Graduação em Letras da Unesp, Câmpus de Assis e Sabrina Nascimento de Alencar é graduanda em Letras pela Universidade de São Paulo (USP).



Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).