Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Trabalhando mais para produzir o mesmo

Trabalhando mais para produzir o mesmo

21/02/2013 Vagner Jaime Rodrigues e Felipe Nascimento

A mídia não tem enfatizado a questão, mas muita gente está intrigada ante a contradição de dois dados da economia brasileira: de um lado, a menor taxa de desemprego da série histórica desse indicador; de outro, o pífio crescimento do PIB em 2012, em torno de 1%.

Dentre outros fatores, em especial a perda de competitividade da indústria no mercado exportador e no abastecimento interno, está a baixa produtividade média da mão de obra nacional. Isso significa que o País, felizmente, está trabalhando praticamente em pleno emprego, mas a performance baixa de parcela expressiva dos recursos humanos limita as possibilidades de crescimento da produção e, portanto, de expansão do PIB.

Para entender melhor essa equação de nexo causal entre qualificação dos trabalhadores e crescimento econômico, basta verificar que a produtividade nos serviços caiu 9% no Brasil entre 1950 e 2005. Estamos indo na contramão de todas as tendências, considerando que o ensino e a formação profissional constituíram-se nas principais alavancas do desenvolvimento de numerosos países na segunda metade do século passado.

Assim, temos mais pessoas trabalhando para produzir o mesmo volume, o que explica, em grande parte, a estagnação de nosso PIB. Por isso, é preciso comemorar com parcimônia o baixo nível de desemprego atual, embora ele seja muito importante e se destaque num mundo ainda premido pela mais grave crise do capitalismo desde o crash de 1929.

É prioritário, nesse contexto, preocuparmo-nos com o baixo nível de qualificação e produtividade, incompatível com nossas metas de crescimento sustentável e desenvolvimento. Trata-se de um problema que com impacto negativo e forte na nossa economia. Baixa produtividade, além de mitigar a produção e os resultados das empresas, também significa custos operacionais mais elevados.

E estes, obviamente, são transferidos para o preço final dos produtos e serviços apenando os consumidores e contribuindo para a majoração, com reflexos negativos na inflação interna e na competitividade internacional. Portanto, é prioritário investir de modo urgente, amplo e eficaz na qualificação da mão de obra. Tal avanço passa pela melhoria da qualidade do ensino público regular, da formação técnica e também nas universidades. Tudo isso, entretanto, é objeto de políticas públicas de médio e longo prazo.

As empresas, contudo, não podem ficar de braços cruzados, resignadas à situação e conformadas com a baixa produtividade de seus colaboradores.  Podem – devem! — recorrer a projetos de capacitação profissional existentes no mercado. Há projetos eficazes de aprendizagem e treinamento, inclusive com aulas ministradas in company, que não prejudicam a agenda das empresas, não comprometem suas jornadas, mas se refletem de modo muito positivo na sua produtividade.

A ideia básica é “aprender fazendo”. Tal metodologia promove forte interação entre os participantes, o instrutor, as ferramentas, como os computadores, por exemplo, e o foco dos negócios. Trata-se de alternativa objetiva, de resultados rápidos e visíveis para suprir a qualificação do capital humano, do qual as empresas dependem muito para seu crescimento e sucesso.

*Vagner Jaime Rodrigues é mestre em contabilidade, sócio da Trevisan Gestão & Consultoria.

*Felipe Nascimento é consultor de economia da Trevisan Gestão & Consultoria.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.