Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Trabalho x lazer: como conciliar para ter sucesso na carreira?

Trabalho x lazer: como conciliar para ter sucesso na carreira?

06/10/2016 Luciano Zorzal

Pessoas tranquilas e descansadas são mais “inspiradas” do que as pessoas nervosas e estressadas.

Com o mercado cada vez mais competitivo, é comum as pessoas se sentirem obrigadas a trabalhar mais para manter o emprego ou conseguir a tão sonhada chance de crescimento na carreira.

Contudo, quando entramos nesse fluxo de trabalho contínuo, por vezes, acabamos nos esquecendo dos nossos limites, o que pode ser considerado um erro bem grave.

Não é à toa que uma ideia sempre presente em biografias de pessoas de sucesso refere-se à importância do equilíbrio entre todas as áreas da vida, incluindo a espiritual, física, financeira, profissional, pessoal e emocional.

Isso porque, mais do que trabalhar duro, para sermos bem sucedidos é imprescindível que tenhamos os melhores resultados. Uma tarefa que nem sempre está entre as mais fáceis.

Para gerar bons resultados é essencial combinar uma série de fatores como competência, planejamento, trabalho e inspiração. Sendo que essa última está intimamente correlacionada ao lazer.

Pessoas tranquilas e descansadas são mais “inspiradas” do que as pessoas nervosas e estressadas. Prova disso é a experiência realizada pela empresa americana de marketing e propaganda SteelHouse.

Ao perceber que muitos funcionários deixavam de tirar férias e, por isso, perdiam produtividade, a companhia passou a pagar um bônus de 2 mil dólares anualmente para cada colaborador viajar durante suas férias, que podem ser tiradas de uma só vez ou dividida em pequenas viagens.

A estratégia não poderia dar mais certo, logo após retornarem, era perceptível como os funcionários se tornavam mais produtivos e propensos a entregar os melhores resultados. É claro que, em algumas fases da vida, uma carga extra de trabalho pode ser necessária, quando, por exemplo, estamos próximos da conclusão de um projeto importante.

Porém, é muito difícil manter um longo período de trabalho mais pesado, sem perder qualidade. Por outro lado, algumas pessoas também possuem um ritmo muito abaixo do necessário, como as que se impõem limites abaixo do esperado pelas empresas, o que, definitivamente, pode comprometer suas carreiras.

Se você parar alguns minutos para analisar as pessoas à sua volta, poderá perceber que as que mais produzem e com melhor qualidade são as que, ao mesmo tempo, além de trabalharem, praticam esportes, participam de eventos sociais, realizam trabalhos voluntários, entre outras atividades.

Muitos dizem que, se você quer que alguma coisa se realize, peça para alguém ocupado. Pessoas “ocupadas” estão em um ritmo forte de realização e já aprenderam a se organizar e a priorizar suas tarefas. Já as pessoas “com baixa ocupação” possuem mais dificuldade em receber uma nova tarefa.

Sistematicamente, criam verdadeiros obstáculos a realização de tudo que lhes é solicitado. Mas, lembre-se que é preciso ter tempo para tudo, inclusive para pensar e descansar. Para que você esteja sempre atento aos seus limites guarde a frase do parapsicólogo Frei Albino Aresi: “Deus perdoa sempre, o homem às vezes e a natureza nunca”. Sendo assim, fica a dica, equilíbrio nunca é demais!

* Luciano Zorzal é palestrante, consultor, diretor de expansão da Zorzal Franquias e sócio-fundador da Zorzal Consultores & Auditores Associados.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.