Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Transtorno do Pânico: qual caminho seguir?

Transtorno do Pânico: qual caminho seguir?

28/08/2017 Elaine Ribeiro

Nem sempre existe explicação exata de como o Pânico começa.

 “Indo para o trabalho, sentei-me naquele ônibus cheio. Comecei a sentir um tremor estranho… Logo vieram suor, coração batendo na garganta… Desespero… Sensação de estar confuso...”

"Estava em um ótimo momento, viajando e fazendo o que mais amava: estar com meus filhos. Foi nessa hora que um filme de terror começou a acontecer comigo…”

“Eu estava num ritmo frenético; muitas solicitações, pressão de todos os lados no trabalho. Foi daí que recebi a indesejável visita dele.”

Nesses relatos, uma situação em comum: sinais de uma ansiedade quase que incontrolável e a certeza de morte ou de algo que sai do controle. Sintomas com características muito mais físicas do que emocionais. São relatos de pessoas que passaram por um episódio de pânico ou são portadoras do Transtorno do Pânico.

O pânico passa por uma estrutura fisiológica e cerebral, que dispara as crises e reações mais ou menos intensas de ansiedade e medo, levando as pessoas até mesmo ao isolamento social. Como qualquer doença, requer acompanhamento especializado e uma compreensão ampla, tanto do paciente quanto daqueles com quem convive.

As interpretações, muitas vezes distorcidas, de familiares, amigos, colegas de trabalho, das empresas, ainda são grandes barreiras no cuidado efetivo das pessoas que passam pelo Transtorno do Pânico, fazendo com que muitas tenham dificuldade para buscar ajuda especializada, que passa pelo cuidado médico e psicológico.

Portanto, não é algo que envolve o “querer estar bem”, nem trata-se de falta de caráter, força ou fé. A crise se manifesta com sintomas físicos e emocionais, durando de 5 a 30 minutos, caracterizada por intensa ansiedade e medos desproporcionais, de uma ameaça da qual não sabemos a origem nem ao menos se, de fato, existe. Na presença dos sintomas, na maioria das vezes, a pessoa vai ao pronto-atendimento dos hospitais, pois é comum os sinais serem confundidos com os de um infarto.

O sistema nervoso autônomo fica fortemente excitado e tomado de sensações de ameaça, perigo, morte, perda de controle ou receio de ser ridicularizado em público. Nem sempre existe explicação exata de como o Pânico começa. Pesquisas mostram que uma vida agitada, sem pausas, de muitas exigências, cujas pessoas são autocríticas e ansiosas, pode contribuir para as crises.

Ao passar pelos sinais e passar por um processo de diagnóstico, é importante, além do uso de medicamentos para equilibrar o “químico”, também buscar ajuda na psicoterapia. O tratamento contribuirá para a pessoa identificar os sinais de alerta, bem como lidar com as crises, que não têm uma hora certa para acontecer.

Ao aceitar ou compreender as situações que geram ansiedade e as crises, a pessoa passa a ser capaz de lidar com elas de forma mais racional e de administrar os sintomas, minimizando a percepção catastrófica daquele momento. É muito importante que, ao iniciar o tratamento, ele não seja interrompido frente às melhoras apresentadas, pois apenas os profissionais poderão dar este retorno ao paciente.

As interrupções repentinas, podem piorar o quadro em questão. Para que a pessoa tenha mais qualidade de vida é necessário que ela constate sua capacidade de lidar com os sintomas e situações que favorecem o Transtorno do Pânico ou com eventuais sentimentos autodepreciativos, até desqualificantes.

* Elaine Ribeiro é psicóloga clínica e organizacional e colaboradora da Fundação João Paulo II/Canção Nova.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa