Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tributação de big data pode ser recurso de política de saúde pública

Tributação de big data pode ser recurso de política de saúde pública

23/03/2021 Dra. Clarissa Nepomuceno Caetano Soares

O avanço tecnológico trouxe o desenvolvimento de novos modelos de negócios, de modo que o big data cresce em relevância não apenas no que diz respeito à obtenção de dados pessoais, mas no desenvolvimento de novos produtos e serviços.

A medicina é uma das áreas que muito se beneficia do recurso – seja para descobertas científicas ou para tratamentos e combate de doenças.

No entanto, há a elaboração de estratégias para a criação de necessidades, como forma de induzir o comportamento das pessoas.

Por isso, propor uma tributação relacionada ao uso e ao volume de tais informações, a fim de evitar possíveis abusos por empresas de tecnologia, pode contribuir como política pública no que diz respeito ao adoecimento mental das pessoas.

O tributo tem, como função principal, a arrecadação de recursos para o financiamento da máquina pública. Além dessa, existe a função extrafiscal, que tem o objetivo de induzir ou desestimular comportamentos.

Embora o uso e tratamento de dados tenha sido regulamentado pela LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), ainda existem abismos que permitiriam o desenvolvimento de políticas públicas para proteger os usuários da internet.

Dessa forma, a tributação do uso e do volume dos dados pessoais pode ser um regulador, como forma de evitar excessos por parte do mercado de bens e consumo.

Embora possam ser apontados inúmeros benefícios advindos com a incorporação da inteligência artificial nos últimos anos, estudos demonstram que o uso da tecnologia tem gerado distúrbios na saúde mental.

Os mais jovens são os que mais sofrem nesse contexto, que considera o surgimento de depressão, ansiedade e hiperatividade.

Principais impactos

A proposta do estudo é na utilização da tributação é uma forma de limitar o uso de big data na manipulação e influência na vida das pessoa, de modo a proteger a saúde mental da sociedade como um todo.

Como a Constituição Federal data de 1988, não há previsão de tributação das tecnologias da informação.

Ocorre que, como forma de modernizar e não manter o sistema tributário engessado, existe a previsão da União instituir novos impostos e contribuições de fatos geradores diversos dos já previstos.

Dessa forma, a tributação de novas tecnologias se inseriria como hipótese da chamada competência residual da União.

Já existe uma LGPD vigente no Brasil desde 2020. No entanto, a proposta é de estabelecer limites para a utilização dos dados pessoais por meio de tributação.

Pesquisas apontam que o consumo excessivo de tecnologia pelas crianças tem gerado distúrbios mentais, como falta de concentração e, em alguns casos, até mesmo alucinações.

Além disso, estudos da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostram que, embora cada vez mais frequentes no cotidiano, as redes sociais foram responsáveis pelo aumento da incidência de desordens psicológicas em pessoas jovens.

A depressão é a principal delas, assim como ansiedade e stress. A entidade aponta, ainda, que cerca de 20% dos jovens conectados à rede mundial de computadores possuem algum tipo de problema relacionado à saúde mental.

Mesmo com a clara limitação entre o Direito Tributário e o Direito Regulatório, uma tributação específica para big data é o caminho entre os dois temas.

Nesse contexto, é possível fazer um paralelo com a troca e uso de informação que são feitas no ambiente virtual, mas que interferem de maneira pessoal e coletiva, quando avaliado perante a sociedade.

* Dra. Clarissa Nepomuceno Caetano Soares é graduada em Direito pela Faculdade de Direito Milton Campos – FDMC.

Para mais informações sobre tributação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Agência Contatto



Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.


Imunização pode garantir o retorno das gestantes ao trabalho

Recentemente, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 2.058/21, que visa autorizar o retorno de gestantes ao trabalho presencial após imunização completa contra a Covid-19.


Selic mais alta não intimida mercado imobiliário

O setor imobiliário brasileiro surpreendeu os especialistas mais experientes e, durante a pandemia, foi um dos agentes responsáveis por manter a economia brasileira aquecida.


Vai sair do papel? Reforma Tributária deve ter votação rápida

Estamos a um ano das eleições nacionais. Isso pode soar como pouco tempo, mas, considerando o panorama político, é sensato dizer que ainda não aconteceu nada em termos de definições partidárias.


Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"