Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tributação no e-commerce: a importância do regime tributário

Tributação no e-commerce: a importância do regime tributário

23/02/2021 Luciano Furtado C. Francisco

O e-commerce tem crescido vertiginosamente nos últimos anos, em todos os países, a despeito das crises e solavancos da economia.

A pandemia do novo coronavírus acelerou esse processo, que não vai se reverter. No Brasil, não tem sido diferente.

Muitos empreendedores resolveram tirar do papel a ideia de fazer uma operação de e-commerce. Ótimo, mas lembremos que o e-commerce é uma empresa como as outras e sendo uma pessoa jurídica, deverá recolher tributos.

No Brasil, o sistema tributário é um tanto complexo e requer muito cuidado. Qualquer descuido nesse ponto e o lojista vai ganhar uma bela dor de cabeça.

Daquelas que podem se prolongar por anos e dar prejuízo devido a multas e outras sanções do Estado. Isso não precisa acontecer e nenhum empreendedor deseja. Mas o que fazer para não ter problemas com o fisco em sua operação de venda online?

Bem, o primeiro passo é contar com uma boa assessoria contábil e jurídica, desde o início, quando o empreendimento ainda não existe formalmente.

São profissionais que vão guiar o lojista e apontar os melhores caminhos para fazer a coisa certa, além de lidar com as burocracias inicias de formalização do negócio.

Deve-se escolher bem esse parceiro, pois a tendência é que ele fique por muito tempo assessorando o lojista. Lembre-se que tudo que começa errado, termina mais errado ainda!

Contar com uma assessoria significa que o empresário não precise saber o básico em relação aos tributos de uma loja virtual?

Claro que não, ao contrário. Sabendo como funciona a base de nosso sistema fiscal, fica mais fácil para o empreendedor discutir com seus contadores e advogados.

É isso que abordamos nesse artigo. O essencial é saber em qual regime de tributação a empresa deve se enquadrar. A lei admite três regimes tributários. Veja quais são e suas principais características:

MEI – Microempreendedor Individual: para aqueles lojistas que trabalham sozinhos, têm no máximo um funcionário e faturam até R$ 81 mil por ano; praticamente não há burocracias para o pagamento de uma única guia de recolhimento mensal (R$ 55,00, atualmente).

Simples Nacional – para empresas que faturam até R$ 4.8 milhões anuais; tem como grande vantagem unificar vários tributos, entre eles o ICMS, em uma única guia de recolhimento simplificando o processo de apuração e pagamento.

Lucro Presumido – pode ser usado por empresas com faturamento de até R$ 78 milhões por ano; o processo de pagamento dos tributos é um pouco mais complexo, pois são distribuídos mensalmente e trimestralmente; o ISS, PIS e COFINS, por exemplo, são apurados todo mês sobre o faturamento, enquanto o IRPJ e a CSLL são apurados a cada trimestre sobre a porcentagem de lucro presumida (daí o seu nome), pois a Receita Federal presume que uma determinada porcentagem do faturamento é o lucro.

Lucro Real – é obrigatório para todas as empresas com faturamento anual acima de R$ 78 milhões e opcional para as que faturam menos que isso; os tributos incidem sobre o valor da apuração contábil do resultado, levando em conta eventuais acréscimos ou descontos legais; uma de suas principais vantagens é que os tributos são pagos proporcionalmente ao valor do lucro (se houver prejuízo, IRPJ e CSLL, por exemplo, não precisam ser pagos).

Outro aspecto é que a empresa pode mudar de regime a cada ano, a depender do faturamento. Essa escolha é feita no final do ano, ao se analisar os balanços e demais documentos contábeis.

E deve ser muito criteriosa, pois uma escolha errada pode fazer com que o lojista pague mais tributos do que o necessário, já que não é permitido trocar de regime ao longo do ano.

Não existe uma receita de bolo. Muitos aspectos devem ser considerados para a escolha do regime tributário da loja virtual. Vejamos alguns deles.

A folha de pagamento tem um peso importante. Isso porque é recolhido INSS sobre esse valor, assim o Simples Nacional tende a ser uma melhor opção se a operação tiver muitos funcionários.

No Lucro Presumido, a empresa não pode aproveitar créditos de PIS e Cofins. No entanto, tem alíquotas menores para estes tributos que os demais regimes, além de menor chance de erros no cálculo dos impostos.

No Simples Nacional e no Lucro Presumido, os tributos são calculados pela receita bruta, sem levar em conta eventuais prejuízos. Isso não ocorre no Lucro Real. O Lucro Presumido é ideal para lojas virtuais com maior margem de lucro.

No regime do Lucro Real, depreciações, amortizações e juros reduzem tributos. Também pode se aproveitar créditos de PIS e Cofins.

É possível remunerar os sócios a título de juros sobre o capital próprio, o que permite reduzir até 19% da carga tributária sobre os lucros. Em compensação, exige uma escrituração e controle muito mais rigorosos que nos demais regimes.

E quanto aos e-commerces de prestação de serviços, como os marketplaces? Nesse caso há um tratamento especial.

De acordo com a Resolução CGSN n° 117/2014 (DOU de 05.12.2014) da Lei no 123/2006, desde 2015, os marketplaces podem optar pelo Simples. No entanto, com alíquotas variando de 16,93% a 22,45%.

Até o local onde a loja está instalada influencia na tributação. Por exemplo, na Bahia a carga tributária para vendas via internet ou telemarketing passaria de 17% para 2%, no caso de vendas para outros estados e o Distrito Federal.

Alguns estados têm regimes especiais de tributação de ICMS para operações de e-commerce. Assim, o empresário deve pesquisar essas particularidades de seu estado, fatores que geralmente podem reduzir a carga tributária.

Um erro de muitos lojistas iniciantes é achar que quanto mais simples o regime, melhor. Nem sempre optar pelo Simples Nacional ou Lucro Presumido pode ser a melhor opção, ao contrário, pode fazer com que se paguem mais tributos que no Lucro Real. A solução deste erro?

Fazer um planejamento tributário meticuloso, usando as previsões de vendas e fazendo simulações. Dá trabalho, mas pode proporcionar economia e evitar as dores de cabeça que falamos no início.

* Luciano Furtado C. Francisco é professor do curso de Gestão do E-commerce e Sistemas Logísticos do Centro Universitário Internacional Uninter.

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: Página 1 Comunicação




Por que falar de empreendedorismo na periferia?

No mundo contemporâneo, o empreendedorismo tem se destacado como uma possibilidade relevante de superação das condições de trabalho, especialmente em momentos de agravamento das condições sociais.


Esquema Ponzi e a centenária sofisticação dos golpes financeiros

Os golpes financeiros estão crescendo em todo mundo. As chamadas pirâmides financeira e o Esquema Ponzi são os esquemas mais comuns e populares.


O Brasil, os poderes e os incendiários

“Impeachment” é o processo que se monta no Congresso Nacional para afastamento do presidente da República, ministros do Supremo Tribunal Federal ou outros altos servidores acusados de cometer grave delito ou má conduta no exercício de suas funções.


Os critérios ESG e a administração pública municipal

Os desastres ambientais de Mariana e de Brumadinho revelaram para o mundo a negligência de empresas brasileiras quanto a gestão socioambiental, e, além das perdas irreparáveis para o meio ambiente e para a sociedade impactada, outra consequência foi a crescente perda de investimentos externos.


Quando quero saber novidades leio S. Paulo

D. Francisco Manuel e Melo, além de expendido escritor e sensato conselheiro, foi igualmente, excelente observador da sociedade do seu tempo.


Movimento “Responsabilidade de Peso”

Transportar cargas acima dos limites estabelecidos pode causar vários prejuízos não só aos motoristas envolvidos neste tipo de prática, mas também para as empresas que os empregam e ao Estado.


O antagonismo da tecnologia no mercado financeiro

A tecnologia não é mais o privilégio de alguns, mas a necessidade de todos.


Filhos ansiosos e o mundo real

Não importa se o seu filho tem quatro anos, sete, dez ou 15, as crianças são uma fonte inesgotável de pedidos e exigências.


Como investir em ações europeias

A bolsa de valores brasileira possui várias opções de fundos passivos negociados em bolsa, os chamados ETFs/fundos internacionais, entre eles o mais famoso é o IVVB1, que replica o S&P 500, o índice que mede as 500 maiores empresas da bolsa americana.


TJMG – O exemplo vem de cima

Não é novidade para nenhum jurisdicionado e operadores do direito a sobrecarga de processos no Poder Judiciário.


Inadimplência: um problema contornável em condomínios?

Inadimplência é sempre um assunto delicado e recorrente. Na maioria das vezes, o atraso das taxas condominiais acontece devido a um problema financeiro inesperado, como a perda do emprego.


A Covid-19 e a falácia do ônibus lotado

Em 1969, o economista Harold Demsetz escreveu um artigo denominado “Informação e eficiência: um outro ponto de vista” (tradução livre), no qual acusava seu colega Kenneth Arrow de adotar, em outro estudo, o que chamou de a “abordagem do Nirvana”.