Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um ano (quase) perdido

Um ano (quase) perdido

25/09/2006 Divulgação

Os brasileiros, em sua grande maioria, não vêm a hora da chegada da meia-noite do próximo dia 31 de dezembro. Pois é, não estou sendo precipitada coisa nenhuma, o que eu quero mesmo é ver se o país consegue suportar o que vem acontecendo com a já tão sofrida e espoliada classe média brasileira, que tem de suportar a pressão da classe financeira dominante com os seus juros vergonhosos e uma horda de miseráveis que acham que estão muito bem graças à esmola eleitoreira que vêm recebendo do nosso governo. Um país só é forte e progressista quando tem uma classe média estabilizada, produtiva e consumista, afinal de contas só o consumo permite uma economia saudável e uma distribuição normal da renda.

Essa criticada classe média hoje descendente, composta de pequenos empresários, comerciantes e prestadores de serviços, sempre foi denegrida com a peja de exploradora, imperialista, burguesa e outros tantos adjetivos, esquecendo-se que é esta mesma classe a responsável pela manutenção da maioria dos empregos e, principalmente, pelo recolhimento dos impostos que permitem a manutenção de uma elite política sanguessuga que só está preocupada em se manter nos seus cargos e garantir o seu próprio bem-estar. Esta mesma classe se vê hoje comprometida com as suas dívidas impagáveis, a falta de perspectivas, a insegurança generalizada e, sobretudo, privada de sonhos de progresso, em razão da falta de ética e de vergonha de grande parte dos nossos representantes eleitos.

2006 ficará na história para o povo brasileiro como “o ano perdido”. O Carnaval foi tarde, perdemos a Copa, teremos uma eleição que — salvo raríssimas exceções — não levará a nada, esquecemos da ética e percebemos que somos um país de analfabetos, pois depois de tudo que foi falado, visto e publicado parece que ninguém entendeu, viu ou leu sobre a podre realidade que estamos atravessando. As pesquisas de intenção de voto estão ai para comprovar o que penso, pois como já disse Plinio Sgarbi, há duas classes de votantes: “A Classe Minoritária, das Trilhonárias contribuições de campanhas, integrada ao circuito do consumo de bens e serviços, que pouco importa contribuir com esse ou aquele, em eleger um ou outro, tanto faz. Desde que os shopping centers continuem lustrosos e as viagens a Europa, garantidas. Para essa classe sempre tem um jeito para que tudo vá bem.

Outra Classe é a Majoritária, que durante alguns meses no processo eleitoral, tem a chance de ganhar algo na venda do voto. Depois, a vida desses, e de mais outros com cartão de crédito parecendo uma navalha e mais alguns muitos "otários" compradores de promessas e de falsos ídolos, continuam duras, carentes e miseráveis. Suas vidas vão seguir o rumo de sempre, lamentações”.



Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.