Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um ministro para comunicar e pacificar

Um ministro para comunicar e pacificar

13/06/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

A disposição do presidente Jair Bolsonaro, de melhorar a comunicação no seu governo, é algo positivo.

Temos de compreender que boa parte dos problemas que hoje enfrenta não existiria se desde o começo a estrutura de comunicação estivesse em mãos de profissionais e longe do círculo familiar e emocional.

Qualquer governante – principalmente o voluntarioso Bolsonaro - precisa ter na área alguém em que possa confiar e que, até em razão dessa confiança, tenha liberdade para, especialmente nos momentos de tensão, demovê-lo de atitudes extremadas, das quais normalmente todos nos arrependemos quando a raiva passa.

Isso não impede que continuem ajudando no governo, o filho Carlos e outros que foram importantes na campanha.

Mas com o necessário comedimento de quem hoje é governo, tem a missão de guardar o telhado e, por isso, não deve atirar pedras para o alto e nem permitir ou incentivar que outros o façam.

O presidente e sua equipe enxugaram verbas publicitárias que entenderam indevidas, o que provocou o revide dos outrora beneficiados.

Deveria, porém, ser aconselhado a não confrontar diretamente com os veículos de comunicação e nem com os repórteres que o abordam, mesmo quando a pergunta dirigida é capiciosa, indevida, cretina ou até desonesta.

Basta não responder, como sempre fizeram os chefes de Estado, inclusive os do regime militar (exceção a João Figueiredo que, no entanto, teve grandes dissabores por conta disso).

Se mantiver a paciência e a contenção que sua investidura aconselha, tais ataques logo diminuirão ou até cessarão, pois, como se diz na redação, não estarão “rendendo”.

Embora seja uma informação, preferimos não atribuir ao fato de ser genro de Silvio Santos a decisão da investidura de Fabio Faria no posto de Ministro das Comunicações.

Queremos crer que pesou mais ser ele membro de uma família de alto prestígio político e detentora de veículos de comunicação no Rio Grande do Norte, ter atuado na área antes de eleger-se deputado e, atualmente, ser um parlamentar com bom trânsito entre seus pares. Alguém com perfil para a estratégica missão.

Bolsonaro não pode ignorar que todos os governos que o antecederam não abriram mão da assessoria de uma boa e profissional comunicação, composta por jornalistas competentes e comprometidos com seus propósitos.

Finalmente, começa a dar a feição de seu governo ao setor – que teve de desmontar porque foi aparelhado ideologicamente por gestões anteriores – colocando à sua frente alguém do ramo, em quem pode confiar.

É preciso agora deixá-lo trabalhar e protegê-lo das cascas de banana que setores do próprio governo possam colocar em seu caminho.

Com isso, receberá como retorno, a estabilidade necessária a todo governante para cumprir as tarefas do seu programa. Oxalá tudo dê certo e a transformação se concretize…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso