Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um novo Brasil?

Um novo Brasil?

10/05/2016 Fernando Pinho

A nação brasileira tem assistido estupefata, desde 2014, a uma série de eventos políticos e econômicos nunca imaginados.

Por um lado, alegria, pelo fato de que as instituições estão funcionando mesmo com sérios problemas. De outro, um sentimento de extrema tristeza ao descobrir o descalabro moral e econômico em que se encontra o Brasil.

Como tudo em nossas vidas, não há como desistir da esperança de dias melhores, para que as próximas gerações possam viver num ambiente sócio/político e econômico mais saudável. Sem dúvida alguma, muitas dificuldades ainda serão enfrentadas, mas há alguns fatos alvissareiros que precisam ser considerados:

1) A chegada de Temer ao comando do país revela-se algo positivo, tanto pela possibilidade de corrigir falhas de gestão como pela saída de um governo que se mostrou despreparado para exercer o poder;

2) O forte movimento de debandada do PT e de proximidade com a presidente para não só evitar uma derrocada, como tentar uma chance em 2018;

3) Michel Temer se compromete a não candidatar-se às eleições de 2018, o que aumenta as chances de angariar apoio expressivo na Câmara;

4) O PSDB já se juntou ao futuro governo, não apenas como apoio no Congresso, mas como integrante ministerial;

5) Meirelles, ex- presidente do Banco Central, tem credibilidade política e técnica para executar os ajustes necessários;

6) As reformas de caráter estrutural (Trabalhista, Previdenciária, extinção da estabilidade do funcionalismo público e desvinculação orçamentária), antes consideradas desnecessárias, agora são consideradas como prioritárias;

7) A privatização de estatais deficitárias e do setor de infraestrutura;

8) Aumento dos preços das commodities no mercado internacional (minério de ferro, soja e petróleo)

9) As taxas de juros nos contratos de longo prazo negociadas no mercado estão em queda, bem como as perspectivas inflacionárias para o biênio 2016/17;

10) Com o fortalecimento das Contas Externas, espera-se um saldo positivo da Balança Comercial de U$ 54 bilhões, ante o negativo de U$ 7 bilhões em 2015. Também o desmonte das intervenções do BC no mercado cambial é um fator satisfatório, já que o nível de turbulência deve amainar-se com a troca de governo;

11) Fim da vinculação das aposentadorias ao salário mínimo e um ajuste no valor exagerado das pensões;

12) O capital estrangeiro não especulativo começa a movimentar-se em direção ao Brasil;

13) Franca recuperação das exportações;

Indubitavelmente, se pelo menos uma parte dessas ações elencadas for colocada em prática, com êxito, já no segundo semestre deste ano será possível perceber uma sensível melhora nas expectativas em relação à economia brasileira.

* Fernando Pinho é economista e consultor financeiro da Prospering Consultoria.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa