Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Um novo conceito de mulher

Um novo conceito de mulher

13/03/2019 Maria Inês Vasconcelos

Um novo conceito de mulher surgiu, é uma mulher multifacetada.

Sem tropeçar na questão midiática - que é quase sempre a questão da discriminação salarial, o que queremos, em homenagem às mulheres é caminhar, para uma pauta muito mais prazerosa aonde possamos apenas ser e celebrar.

Temos sim, muito a festejar pois estamos conseguindo dar vazão às nossas potencialidades e ocupar nosso lugar. No ponto mais distante de nossas explorações já somos nós mesmas.

Claro, por muito tempo estivemos separadas por um muro que nos impedia de viver junto com os homens. Vivíamos, atrás. Mas houve uma progressão social, cultural, histórica e de grandes lutas individuais, que nos trouxeram para onde estamos, hoje.

Neste lugar, podemos avistar sem desassossego, grandes possibilidades. Aqui, o medo, a inquietação ou a insegurança não nos engessa tanto mais. Nossa vontade de ser, descortinou novas oportunidades, além do planalto estéril que vivíamos.

Um novo conceito de mulher surgiu. Não é uma mulher menos doce, menos meiga, menos redonda em suas formas. É uma mulher multifacetada. Executivas, empreendedoras, escritoras, advogadas, magistradas, cientistas e políticas. Há até mulheres exercendo atividades tradicionalmente ocupadas pelo sexo masculino, como pilotos de avião e até construção civil. Há postos de trabalho importantíssimos nas mãos das mulheres.

A insistência entre nós e eles, já nos cansou. Partilhamos das mesmas necessidades e experiências como seres humanos. Recebemos a mesma educação, falamos a mesma língua e além disso, somos mães e, cá para nós, povoamos esse país!

Mas é claro que chegar até aqui não foi brincadeira. Romper o muro alienante e excludente, que nos deixou na escuridão por séculos, foi duro. O discurso sexista era um grande empecilho. Sequer podíamos votar! Se lembram?

Mas nosso empenho fez surgir uma mulher mais versátil, mas que nunca perdeu a ternura e nem se deixa de arvorar do papel de ser mãe, eis que é o nosso melhor “estado”. Amamos esse “papel”, que tantas alegrias nos dá e que só nós, podemos experimentar, com tanto júbilo.

Certo é que não somos mais pacientes tão cativas da exclusão.  Aprendemos a resistir, a lutar, a enfrentar o preconceito e estamos extremamente conscientes de nossos direitos e de nosso papel na sociedade. 

Não perdemos nenhum traço de nossa personalidade e de nossa essência, ainda amamentamos, limpamos, cozinhamos e amamos. Apenas experimentamos romper o muro que nos impedia de sair de um local de grande vulnerabilidade. Neste lugar éramos impedidas de fazer nossas escolhas.

Hoje, somos muito mais livres, existimos e vamos deixar um grande legado cultural, filosófico e científico, e é claro, as nossas maiores pérolas, nossos filhos. Valeu e sempre vale a pena.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.