Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Um novo conceito de mulher

Um novo conceito de mulher

13/03/2019 Maria Inês Vasconcelos

Um novo conceito de mulher surgiu, é uma mulher multifacetada.

Sem tropeçar na questão midiática - que é quase sempre a questão da discriminação salarial, o que queremos, em homenagem às mulheres é caminhar, para uma pauta muito mais prazerosa aonde possamos apenas ser e celebrar.

Temos sim, muito a festejar pois estamos conseguindo dar vazão às nossas potencialidades e ocupar nosso lugar. No ponto mais distante de nossas explorações já somos nós mesmas.

Claro, por muito tempo estivemos separadas por um muro que nos impedia de viver junto com os homens. Vivíamos, atrás. Mas houve uma progressão social, cultural, histórica e de grandes lutas individuais, que nos trouxeram para onde estamos, hoje.

Neste lugar, podemos avistar sem desassossego, grandes possibilidades. Aqui, o medo, a inquietação ou a insegurança não nos engessa tanto mais. Nossa vontade de ser, descortinou novas oportunidades, além do planalto estéril que vivíamos.

Um novo conceito de mulher surgiu. Não é uma mulher menos doce, menos meiga, menos redonda em suas formas. É uma mulher multifacetada. Executivas, empreendedoras, escritoras, advogadas, magistradas, cientistas e políticas. Há até mulheres exercendo atividades tradicionalmente ocupadas pelo sexo masculino, como pilotos de avião e até construção civil. Há postos de trabalho importantíssimos nas mãos das mulheres.

A insistência entre nós e eles, já nos cansou. Partilhamos das mesmas necessidades e experiências como seres humanos. Recebemos a mesma educação, falamos a mesma língua e além disso, somos mães e, cá para nós, povoamos esse país!

Mas é claro que chegar até aqui não foi brincadeira. Romper o muro alienante e excludente, que nos deixou na escuridão por séculos, foi duro. O discurso sexista era um grande empecilho. Sequer podíamos votar! Se lembram?

Mas nosso empenho fez surgir uma mulher mais versátil, mas que nunca perdeu a ternura e nem se deixa de arvorar do papel de ser mãe, eis que é o nosso melhor “estado”. Amamos esse “papel”, que tantas alegrias nos dá e que só nós, podemos experimentar, com tanto júbilo.

Certo é que não somos mais pacientes tão cativas da exclusão.  Aprendemos a resistir, a lutar, a enfrentar o preconceito e estamos extremamente conscientes de nossos direitos e de nosso papel na sociedade. 

Não perdemos nenhum traço de nossa personalidade e de nossa essência, ainda amamentamos, limpamos, cozinhamos e amamos. Apenas experimentamos romper o muro que nos impedia de sair de um local de grande vulnerabilidade. Neste lugar éramos impedidas de fazer nossas escolhas.

Hoje, somos muito mais livres, existimos e vamos deixar um grande legado cultural, filosófico e científico, e é claro, as nossas maiores pérolas, nossos filhos. Valeu e sempre vale a pena.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.