Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

08/07/2019 André Frota

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas

Mediante condições negociadoras internacionais e domésticas excepcionais, e de forma concomitante à reunião das vinte maiores economias do mundo (G20), os representantes do executivo do Mercosul e da União Europeia fecharam um acordo de livre comércio, em junho de 2019. Um conjunto de pressupostos internacionais permitiram a realização do acordo: i) o perfil de política externa e comercial adotada pela Casa Branca; ii) a consistente expansão chinesa em direção aos países em desenvolvimento; iii) a rivalidade crescente entre Estados Unidos (EUA) e China, em especial no campo comercial; iv) a iniciativa europeia de se reinserir, entre os espaços de expansão comercial possível, no tabuleiro econômico global.

De outro lado, no âmbito regional, do ponto de vista argentino, as condições para realização do acordo encontraram um cenário eleitoral em disputa entre o presidente Macri, candidato à reeleição, contra Alberto Fernandez – que detém Cristina Kirchner como vice e representa uma possível transição de poder e, como consequência, de alinhamento com o governo brasileiro recém-eleito. Este, considerado um dos principais responsáveis pela celebração do acordo, entra em jogo com uma perspectiva de política externa, de início de mandato, pautada pelo americanismo ideológico, mas com a necessidade de reverter a trajetória econômica de baixo crescimento e, sobretudo, enviar um sinal aos eleitores de que o Executivo Federal está interessado em apresentar resultados. Ambos os governos de maior liderança no Mercosul, Brasil e Argentina, beneficiaram-se da suspensão temporária da Venezuela do bloco, possível voz antagônica à realização acordo.

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas. Tratam-se de indicadores favoráveis para setores com capacidade de competição no mercado europeu, como o setor agroindustrial e as commodities. De outro lado, apesar da sinalização positiva da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) e das Federações das Industriais estaduais, como a do Paraná (Fiep), as condições reais de competição dos setores industriais no Brasil, na Argentina, no Paraguai, no Uruguai e na Venezuela representam um possível cenário no qual estes setores terão que competir com as mesmas condições tarifárias que os produtos industrializados europeus.

O jogo entre exportação de primários e importação de manufaturados, como uma condição potencialmente inescapável para a relação entre Mercosul e EU, fica como um desafio a ser respondido pela versão executiva do tratado, uma vez que a versão final ainda depende de aprovação dos parlamentos de cada país envolvido, assim como do parlamento europeu. E é, sobretudo, na relação com o Legislativo de cada estado, a segunda arena de negociação para a celebração final do acordo, onde estão situadas as relações de pressão entre os setores mais ou menos sensíveis aos impactos da futura área de livre comércio.

Texto: André Frota - professor e membro do observatório de Conjuntura do Centro Universitário Internacional Uninter.



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.