Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Uma aula de vida

Uma aula de vida

21/02/2019 Oscar D'Ambrosio

Uma aula de busca de liberdade em um filme para rever a cada instante!

Uma das grandes motivações de trabalhar com arte é que se está perante um universo em que as surpresas não param. Quando alguém pensa que tudo já foi dito de alguma maneira, surge sempre um respiro de renovação, um alerta que aponta para a possibilidade de tratar temas aparentemente iguais de novas maneiras.

É o caso do filme sueco “Vovó Está Dançando na Mesa”, de Hanna Sköld. A mescla entre cenas de animação e dos atores permite que a obra trabalhe simultaneamente em duas dimensões. Ambas se cruzam na maneira de combater a violência e o autoritarismo dentro do ambiente familiar.

Os atores reais trazem uma jovem de 13 anos convivendo com o pai rigoroso, que não suporta qualquer ação que saia do seu controle, desde a contagem obsessiva do número de taças e pratos até o momento de tomar café durante a atividade de cortar lenha. A angústia está em cada olhar e no desejo da moça de buscar contato com o mundo exterior.

As cenas feitas em animação, inclusive a última, que dá o título ao filme, trazem o passado dessa família. São personagens, principalmente femininas que, cada uma da sua maneira, buscaram escapar desse universo de cerceamento.

A narrativa em off da protagonista acentua o contraste de narração em tom de fábula infantil de uma atmosfera de imensurável assédio físico e moral. Uma aula de busca de liberdade em um filme para rever a cada instante!

* Oscar D´Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Fonte: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.