Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma nova norma da qualidade

Uma nova norma da qualidade

16/05/2017 Joe Tolezano

A qualidade caminha a passos largos para um novo futuro.

Com uma visão mais holística do sistema de gestão da qualidade, a nova versão da norma NBR ISO 9001, lançada em 2015, reforça a mentalidade de risco para evitar que possíveis problemas afetem no futuro as partes interessadas, como empregados, fornecedores, sociedade, reguladores e acionistas.

Totalmente reformulada, a norma atendeu inputs e solicitações apresentadas em consultas públicas como a flexibilização das documentações e a adequação de pequenas empresas aos requisitos da norma.

Quais foram as principais razões para a mudança? Ser uma norma genérica para aplicação por todos os portes e tipos de organização; possuir foco na gestão efetiva dos processos x geração dos resultados desejados; estabelecer alinhamento com as outras normas de sistemas de gestão como ambiental, de segurança etc; apresentar novas práticas de sistemas de gestão e novas tecnologias; desenvolver conjunto estável de requisitos para a próxima década; aumentar a capacidade da organização em atender aos seus clientes; e aumentar a credibilidade do sistema de gestão da qualidade certificado.

O que mudou? Além de determinar que o cliente seja o foco principal, a norma exige que sejam consideradas as partes interessadas e orienta a ter planejamento estratégico para a satisfação de todos.

Também oferece texto comum a todas as normas de sistemas de gestão, com linguagem simplificada e revisão dos princípios de gestão da qualidade. Substitui termos como "produtos" por "bens e serviços" e conceitos como "ações preventivas" por "gestão de riscos", assim como suprime a figura do representante da direção pela figura dos donos de processo.

A nova versão não demanda quantidade mínima de procedimentos ou exige manual da qualidade, porém o escopo deve ser documentado. Há algumas recomendações para realizar a transição para a nova norma.

As organizações devem promover a formação e a sensibilização adequada para todos integrantes da organização, que têm impacto sobre a eficácia da mesma; identificar no sistema de gestão os pontos que precisam ser trabalhados para atender aos novos requisitos – o Gap Analysis pode ser feito internamente ou com apoio de terceiros; elaborar um plano de ação para realizar as alterações necessárias; implementar um plano de ação para o atendimento do sistema de gestão aos novos requisitos; verificar a eficácia das alterações; preparar os auditores; e realizar a auditoria interna e a análise da direção.

Todas essas recomendações podem ser facilmente aplicadas se forem identificados 12 passos: promover o conhecimento organizacional; estudar o contexto da organização; identificar as partes interessadas; rever o escopo do sistema de gestão; rever a política da qualidade; aplicar a mentalidade de risco; rever os objetivos da qualidade; planejar como realizar os objetivos da qualidade; gerenciar as informações documentadas; controlar os provedores externos; rever o projeto e o desenvolvimento de produtos e serviços; e avaliar o desempenho do sistema de qualidade.

Em todo este processo, as organizações podem contar com a ajuda dos especialistas do IQA (Instituto da Qualidade Automotiva), organismo de certificação acreditado pelo Inmetro. Lançada em 15 de setembro de 2015, a nova versão encerra em 14 de setembro de 2018 o prazo para a transição.

Vale reforçar para não haver dúvidas: todos os certificados novos, emitidos na atual versão, irão expirar no dia 14 de setembro de 2018 e deverão ser revisados para a nova versão. Do contrário, irão se tornar inválidos.

As organizações que não fizerem a transição dentro do prazo ainda precisarão percorrer caminho ainda mais longo porque deverão proceder como uma nova certificação, que irá requerer auditorias de estágios 1 e 2. Portanto, mãos à obra!

* Joe Tolezano é coordenador técnico do IQA – Instituto da Qualidade Automotiva.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa