Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Uma Obsessão de Amor

Uma Obsessão de Amor

10/05/2016 Eduardo Henrique Niess Pokk

Todos nós já conhecemos alguém que tem um amor obsessivo.

Tudo acontece por causa da dependência que temos em outra pessoa por termos emoções frágeis. Tem muita gente que continua chamando isso de amor, diz que “ama demais”, mas na verdade, isso não passa de uma dependência. Fernando Pessoa dizia “Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades.

Para viver a dois, antes, é necessário ser um”.

Então, amar, tem seu significado não no que as pessoas buscam, que é se completar com outra pessoa. Amor é, no fim, estar com alguém simplesmente porque gosta de estar com alguém, é uma troca que não é doentia, que não delega prejuízos, sem confusão sentimental. Se não for assim, preste atenção: não é amor. Mas quem é obsessivo não consegue perceber sua obsessão, e por isso precisa da ajuda de um profissional da área da psicologia.

A quantidade de confusões emocionais, pode quantificar essa obsessividade. O problema é que quando nos tornamos dependentes de outras pessoas, em vez de darmos prazer, damos desprazer. Geramos um peso, uma carga que o outro não tem obrigação de carregar, e aí, passa-se a magoar-se com facilidade. Esperando demais do outro, as coisas que deveriam ser produzidas por nós.

A dependência emocional, que deriva a obsessão, gera sofrimento, não pelos motivos que a pessoa diz ser, mas porque não encontra solução para seu sofrer (que seria ter 24h por dia sua pessoa “amada”), mas pela incompreensão do que é ou não real. Nesse ponto, a exigência de correspondência do querer torna-se tão alta, que passa a ser insuportável e, por consequência, o casal acaba se separando. Mas veja, não quer dizer que a pessoa tenha um histórico infantil para leva-la a ter esse tipo de obsessão, um grande trauma amoroso, por exemplo, pode gerar.

Traumas podem e costumam apresentar-se como um “start” em problemas emocionais e também comportamentais. A perda de uma pessoa (por morte ou separação), pode causar traumas que, se não bem tratados, poderão influenciar o restante da vida de quem foi traumatizado.

Este problema não é exclusividade de casais. Esse tipo de obsessão pode ocorrer também, por exemplo, com filhos, mas a dependência ocorre com semelhança a do caso anterior, com a diferença que pais assim podem (e provavelmente vão) atrasar o desenvolvimento emocional de seus filhos, ou, de outra forma, os obrigarão a se tornarem maduros muito mais rapidamente para conseguir responder às expectativas e as dependências dos pais.

Em qualquer um dos casos, é muito importante que haja acompanhamento psicoterápico. É necessário que se entenda a defasagem emocional do obsessivo para que se amenize e este consiga viver com independência e dignidade.

* Eduardo Henrique Niess Pokk é psicólogo clínico.



O Coringa que te habita

Não é surpresa que o filme “Coringa”, de Joaquim Phoenix e Todd Phillips, tenha obtido 11 indicações ao Oscar.


O fim dos panfletos

O panfleto talvez seja a mais antiga das formas de comunicação.


Correios, se não tiver interessados, fechar…

Privatização é a palavra cabalística do meio político-administrativo.


Trabalho voluntário

Trabalho voluntário é o que se faz por vontade própria e que tem intenção de ajudar o próximo.


Qual a diferença entre casamento e união estável?

Advogada explica como funciona os dois tipos de família


Educação e instrução

Sob frondosa tília, em flor, leio o “Bom Jesus do Monte”, de Camilo.


A hora dos partidos começarem a existir

Temos nada menos que 110 partidos políticos. São 33 registrados e 77 já fundados que aguardam registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).


Que venha 2020!

Mais um ano termina e a briga política ideológica entre alguns esquerdopatas e o atual governo parece não ter fim.


Recebi o 13º, é hora de gastar? Não é bem assim!

O assunto já virou clássico de final de ano. O que fazer com o 13º?


Como organizar as finanças pessoais

Organização das finanças para entrar no próximo ano com as contas em dia.


O pião de corda

Nesta tarde cinzenta e chuvosa de Dezembro, ao reler Azorin (Las Confissiones de um Pequeño Filósofo,) ao chegar ao emocionante trecho, evocador do livrinho, que recebera em criança;


Presépio: Admirável sinal

Por ocasião do Natal de 2019, o Papa Francisco publicou a Carta Apostólica: “Admirabile signum”, sobre o significado e o valor do Presépio na vida das pessoas.