Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma Obsessão de Amor

Uma Obsessão de Amor

10/05/2016 Eduardo Henrique Niess Pokk

Todos nós já conhecemos alguém que tem um amor obsessivo.

Tudo acontece por causa da dependência que temos em outra pessoa por termos emoções frágeis. Tem muita gente que continua chamando isso de amor, diz que “ama demais”, mas na verdade, isso não passa de uma dependência. Fernando Pessoa dizia “Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades.

Para viver a dois, antes, é necessário ser um”.

Então, amar, tem seu significado não no que as pessoas buscam, que é se completar com outra pessoa. Amor é, no fim, estar com alguém simplesmente porque gosta de estar com alguém, é uma troca que não é doentia, que não delega prejuízos, sem confusão sentimental. Se não for assim, preste atenção: não é amor. Mas quem é obsessivo não consegue perceber sua obsessão, e por isso precisa da ajuda de um profissional da área da psicologia.

A quantidade de confusões emocionais, pode quantificar essa obsessividade. O problema é que quando nos tornamos dependentes de outras pessoas, em vez de darmos prazer, damos desprazer. Geramos um peso, uma carga que o outro não tem obrigação de carregar, e aí, passa-se a magoar-se com facilidade. Esperando demais do outro, as coisas que deveriam ser produzidas por nós.

A dependência emocional, que deriva a obsessão, gera sofrimento, não pelos motivos que a pessoa diz ser, mas porque não encontra solução para seu sofrer (que seria ter 24h por dia sua pessoa “amada”), mas pela incompreensão do que é ou não real. Nesse ponto, a exigência de correspondência do querer torna-se tão alta, que passa a ser insuportável e, por consequência, o casal acaba se separando. Mas veja, não quer dizer que a pessoa tenha um histórico infantil para leva-la a ter esse tipo de obsessão, um grande trauma amoroso, por exemplo, pode gerar.

Traumas podem e costumam apresentar-se como um “start” em problemas emocionais e também comportamentais. A perda de uma pessoa (por morte ou separação), pode causar traumas que, se não bem tratados, poderão influenciar o restante da vida de quem foi traumatizado.

Este problema não é exclusividade de casais. Esse tipo de obsessão pode ocorrer também, por exemplo, com filhos, mas a dependência ocorre com semelhança a do caso anterior, com a diferença que pais assim podem (e provavelmente vão) atrasar o desenvolvimento emocional de seus filhos, ou, de outra forma, os obrigarão a se tornarem maduros muito mais rapidamente para conseguir responder às expectativas e as dependências dos pais.

Em qualquer um dos casos, é muito importante que haja acompanhamento psicoterápico. É necessário que se entenda a defasagem emocional do obsessivo para que se amenize e este consiga viver com independência e dignidade.

* Eduardo Henrique Niess Pokk é psicólogo clínico.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa