Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma palavra de esperança

Uma palavra de esperança

28/12/2020 Valmor Bolan

Em um ano marcado por tanta instabilidade, decorrentes da pandemia do novo coronavírus chegaram à festa do Natal, sem que fosse possível vivenciar nesse ano, o clima do Natal, que sempre marcou esta época.

Clima de festa e solidariedade, de encontro e visitas, novenas e compra de presentes. As quase 200 mil mortes de brasileiros de covid 19 trouxeram tristeza e os cuidados se desdobraram para evitar novos contágios.

Por isso, os governos estão buscando conscientizar a população para não flexibilizar demais as medidas de prevenção.

A solidariedade, nesse tempo difícil, pode ser expressa também de diversas formas, principalmente pelos meios tecnológicos de comunicação (que não substituem o relacionamento pessoal), mas pode auxiliar para que os familiares estejam mais próximos, na atenção, no cuidado, até mesmo nas providências que precisam ser tomadas para atender demandas que se fazem necessárias. O que não pode haver é indiferença.

Por isso o Natal deste ano nos convida a novas formas de solidariedade, para que prevaleça o espírito que sempre marcou a festa do nascimento de Jesus.

Como lembrou D. Lourenço de Almeida Prado (OSB), em seu livro “Na Procura de Deus”: “O mundo é sacudido por poderes de destruição, mas é também o lugar habitado pelo Cristo e onde devemos encontrá-lo”. 

Mesmo em casa, devido às restrições do momento, podemos nas atividades do dia-a-dia, de trabalho ou afazeres domésticos, e até mesmo de lazer, encontrar as formas de solidariedade que o Natal nos leva a vivenciar.

Não precisamos ficar somente na televisão ou no computador, mas podemos fazer muito mais, de concreto, na valorização da vida e do ser humano.

Em tempos de grande agitação, fazem-se necessários momentos de silêncio, de oração, de meditação, de recolhimento e reflexão.

Ainda mencionando D. Lourenço de Almeida Prado (OSB), obra citada publicada no começo dos anos 90: “A família vive hoje atormentada pela ideia de que tem que fazer programas. Ficar em casa, conversar, conviver, sem outra ideia  que a alegria de estar juntos, são situações que quase não existem mais. E quando ficamos em casa, não ficamos em casa, pois a televisão nos sufoca. Vivemos perturbados pelas exterioridades e pelo mundanismo. O mundanismo, a ‘Sociedade’ é uma doença do nosso tempo”. É o ativismo que toma conta e, muitas vezes, impede que vivamos o essencial. 
Por isso, neste Natal, estejamos mais abertos, mais solícitos ao próximo, a quem está perto de nós e precisa da nossa solidariedade.

Muito podemos fazer. Esta é a melhor época do ano para uma renovação interior, capaz de nos dar um novo vigor.

Ficar em casa, portanto, pode ser uma oportunidade de resgatar essa proximidade e familiaridade, que permita com que redescubramos valores humanos. Que o Natal e o Ano Novo sejam, portanto, reanimados pela esperança.

* Valmor Bolan é Doutor em Sociologia.

Fonte: Reginaldo Bezerra Leite



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.