Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Uma visão de quem acredita

Uma visão de quem acredita

20/02/2018 Gustavo Campos Pereira Freitas

Brasil, verás que um filho teu não foge à luta.

Somos um povo maltratado, mas nunca deixamos isso acabar com nossa fé. Nem mesmo nos dois processos de Impeachment ou no governo militar, paramos de lutar. O povo brasileiro é guerreiro e, independente da situação na qual nos encontrarmos, haverá pessoas com orgulho de carregar a bandeira do Brasil às costas e as cores verdes e amarelas dentro do peito.

Mesmo não sendo o paraíso, todo brasileiro sabe que não vivemos no inferno e mesmo não admitindo, nós sabemos que a mudança começa pela sociedade. Não podemos ir às ruas pedir a cassação dos mandatos de políticos corruptos, se também praticamos o famoso “jeitinho brasileiro”. Até porque “levar vantagem”, não é sinônimo de esperteza ou inteligência.

Temos de nos lembrar que nossos vereadores, prefeitos, governadores, senadores e presidente nos representam e, por isso, não podemos lhes cobrar honestidade se a maioria de nós aproveita a oportunidade de “passar a perna” no outro.

Temos de viver sem um antolho na cabeça e pararmos de fingir preocupação diante do caos exposto nos jornais. Precisamos mudar nossa maneira de pensar, honrar nossa diversidade cultural, contribuir para um consenso necessário à busca da paz social. Necessitamos de uma direção para a nossa formação ética e assim, honrar o nosso cântico: Eu sou brasileiro, com muito orgulho e com muito amor!.

* Gustavo Campos Pereira  Freitas tem 15 anos. 



Liberdade de pensamento

Tem sentido que nos ocupemos hoje da Liberdade de Pensamento? Este não é um tema ultrapassado?


As redes sociais como patrimônio do povo

A novidade dos últimos dias é o banimento de páginas de políticos e ativistas - tanto de situação quanto de oposição - nas redes sociais, por determinação dos controladores destas.


O desafio da exigência de êxito

O famoso “Poema em Linha Reta” nos diz que todos os conhecidos do poeta eram verdadeiros campeões em tudo, sem derrotas ou fracassos.


Mudança nas relações humanas faz parte de realidade pós-pandemia nas empresas

“Nada é permanente, exceto a mudança”. “Só sei que nada sei”. “A única constância é a inconstância”.


Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?