Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Universidade pública, gratuita e de qualidade

Universidade pública, gratuita e de qualidade

06/05/2018 Eliana Curvelo

Por que ela deve ser preservada?

A universidade é o local da unidade do diverso. Num breve histórico, devemos relembrar que a universidade sempre foi questionada em relação à sua pertinência e significância para a sociedade, seu início foi forjado entre dogmas e heresias, no qual a filosofia religiosa determinava qual conhecimento deveria ser conhecido.

Só no século XI, surgiria um ensino sistematizado que incitava aos participantes conhecer, pesquisar e aplicar os conhecimentos por meio das “quaestiones disputatae”. Professores de Paris, alunos de Bolonha e de outras culturas se uniram e adotaram o termo universitas.

Neste ambiente de ensino, pesquisa e extensão surgiu a universidade, local para as verdades necessárias, assegurando o estudo livre e espaço para os debates e diálogos. Durante a Renascença, a universidade se tornou temerosa diante do conhecimento que ela ajudara a gerar; nomes como Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti, Dante Alighieri, Giordano Bruno foram estudiosos e pesquisadores que não participaram da universidade.

Durante o século XVII, Sorbonne foi fechada, por sua incapacidade de acompanhar as mudanças e as novas dinâmicas do mundo moderno. Não sendo diferente no início do século XX, pensadores como Albert Einstein, só se tornou acadêmico depois de ter realizado seus estudos ou o médico Freud e o economista Keynes que não foram profissionais da universidade.

Neste mesmo período, a universidade assumiu o papel no desenvolvimento técnico, por meio de seus professores e alunos; departamentos, laboratórios e centros de pesquisa, dos setores públicos e privados, proporcionando uma carreira flexível, rápida e menos humanista.

Para Cristovam Buarque, a universidade “continua presa aos velhos padrões e às velhas estruturas dos currículos profissionais” bem como as mesmas exigências: salários e verbas – exíguas.

Tendo em sua existência a legitimação sem contestação, novamente a universidade não consegue ver o próprio horizonte e, portanto sua importância; encontra-se, hoje, numa crise – professores e alunos desmotivados. As discussões sobre a pertinência da universidade não são novas no contexto mundial; não sendo diferente no contexto local.

Na terra brasilis a discussão se pauta em sua preservação/conservação; se deve ser pública, gratuita e de qualidade. Semanticamente, os conceitos destas palavras, oriundas do latim podem determinar interpretações; logo, lembremos que universidade surgiu da palavra universitas – o conjunto das coisas; pública de publicare – tornar público; gratuita de gratis – dado de maneira livre.

Portanto, se os saberes estão no mundo a serem descobertos e revelados, os conhecimentos da universidade deveriam ser utilizados para melhorar a sociedade. Entretanto, a universidade mudou seu papel inicial, esqueceu dos encontros das “quaestiones disputatae”, seus sujeitos se distanciaram e se legitimaram por meio da comodificação do conhecimento.

Alguns pensadores, críticos e defensores da universidade como, por exemplo, Humboldt que defendia os princípios de autonomia e de liberdade, garantidos pelo Estado, respeitando a lógica interna de todas as áreas; e Gerhard Casper, reitor de Stanford, ao reiterar Humboldt, afirmando que a indissociação entre o ensino, a pesquisa e a extensão é imprescindível; e, que a universidade tem sido enfraquecida na proporção em que ela é utilizada para fins políticos e ou dos setores privados.

A universidade “carreirista” perdeu seus fundamentos e princípios, ao não saber o seu passado, não pode saber o seu futuro. A universidade brasileira está perdida em suas escolhas e decisões, vivendo o impasse da conservação de sua imutabilidade ao invés de ser agente de mudanças.

A imagem da máscara de Janus, que simboliza o passado e o futuro, e é considerado o deus das escolhas e das decisões; pode auxiliar num processo reflexivo ao desejar uma universidade que seja mais que uma empresa e melhor do que uma escrava da lógica da competição econômica.

Neste desvelar, uma história se faz presente, para ilustrar; o general romano Pompeu disse certa vez aos seus marinheiros temerosos: -Viver é preciso, navegar não é. Fernando Pessoa tornou desta frase, uma poesia e completou “necessário é criar”, e da necessidade de se envolver no que se faz, pois “o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade”.

Talvez seja preciso transformar o DNA da universidade brasileira, para que se tenha uma Universidade pública, de qualidade na qual se preserva sua história, tem uma identidade e trabalha pela cidadania planetária e contribui para a humanidade.

* Eliana Curvelo é professora de Arte, Mestre em Educação Escolar pela Faculdade de Ciências e Letras da Unesp em Araraquara (FCLAr), ex-assessora pedagógica da FMVZ e FCA de Botucatu.
Fonte: Oscar Alejandro Fabian D Ambrosio - ACI



A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.


Nós acreditamos!

A história ensina lições. Muitas lições.


A saúde do profissional de educação em tempos de pandemia

Muitos profissionais tiveram que se adaptar por causa da pandemia.



“Quem viva?! …”

Contava meu pai, com elevada graça, que tivemos antepassado, muito desenrascado, que sempre encontrava resposta pronta, na ponta da língua.


Super-mãe. Eu?

Lembro-me de um episódio que aconteceu há alguns anos atrás e que fez com que eu refletisse seriamente sobre meu comportamento de mãe.