Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Universidade pública, gratuita e de qualidade

Universidade pública, gratuita e de qualidade

06/05/2018 Eliana Curvelo

Por que ela deve ser preservada?

A universidade é o local da unidade do diverso. Num breve histórico, devemos relembrar que a universidade sempre foi questionada em relação à sua pertinência e significância para a sociedade, seu início foi forjado entre dogmas e heresias, no qual a filosofia religiosa determinava qual conhecimento deveria ser conhecido.

Só no século XI, surgiria um ensino sistematizado que incitava aos participantes conhecer, pesquisar e aplicar os conhecimentos por meio das “quaestiones disputatae”. Professores de Paris, alunos de Bolonha e de outras culturas se uniram e adotaram o termo universitas.

Neste ambiente de ensino, pesquisa e extensão surgiu a universidade, local para as verdades necessárias, assegurando o estudo livre e espaço para os debates e diálogos. Durante a Renascença, a universidade se tornou temerosa diante do conhecimento que ela ajudara a gerar; nomes como Leonardo da Vinci, Michelangelo Buonarroti, Dante Alighieri, Giordano Bruno foram estudiosos e pesquisadores que não participaram da universidade.

Durante o século XVII, Sorbonne foi fechada, por sua incapacidade de acompanhar as mudanças e as novas dinâmicas do mundo moderno. Não sendo diferente no início do século XX, pensadores como Albert Einstein, só se tornou acadêmico depois de ter realizado seus estudos ou o médico Freud e o economista Keynes que não foram profissionais da universidade.

Neste mesmo período, a universidade assumiu o papel no desenvolvimento técnico, por meio de seus professores e alunos; departamentos, laboratórios e centros de pesquisa, dos setores públicos e privados, proporcionando uma carreira flexível, rápida e menos humanista.

Para Cristovam Buarque, a universidade “continua presa aos velhos padrões e às velhas estruturas dos currículos profissionais” bem como as mesmas exigências: salários e verbas – exíguas.

Tendo em sua existência a legitimação sem contestação, novamente a universidade não consegue ver o próprio horizonte e, portanto sua importância; encontra-se, hoje, numa crise – professores e alunos desmotivados. As discussões sobre a pertinência da universidade não são novas no contexto mundial; não sendo diferente no contexto local.

Na terra brasilis a discussão se pauta em sua preservação/conservação; se deve ser pública, gratuita e de qualidade. Semanticamente, os conceitos destas palavras, oriundas do latim podem determinar interpretações; logo, lembremos que universidade surgiu da palavra universitas – o conjunto das coisas; pública de publicare – tornar público; gratuita de gratis – dado de maneira livre.

Portanto, se os saberes estão no mundo a serem descobertos e revelados, os conhecimentos da universidade deveriam ser utilizados para melhorar a sociedade. Entretanto, a universidade mudou seu papel inicial, esqueceu dos encontros das “quaestiones disputatae”, seus sujeitos se distanciaram e se legitimaram por meio da comodificação do conhecimento.

Alguns pensadores, críticos e defensores da universidade como, por exemplo, Humboldt que defendia os princípios de autonomia e de liberdade, garantidos pelo Estado, respeitando a lógica interna de todas as áreas; e Gerhard Casper, reitor de Stanford, ao reiterar Humboldt, afirmando que a indissociação entre o ensino, a pesquisa e a extensão é imprescindível; e, que a universidade tem sido enfraquecida na proporção em que ela é utilizada para fins políticos e ou dos setores privados.

A universidade “carreirista” perdeu seus fundamentos e princípios, ao não saber o seu passado, não pode saber o seu futuro. A universidade brasileira está perdida em suas escolhas e decisões, vivendo o impasse da conservação de sua imutabilidade ao invés de ser agente de mudanças.

A imagem da máscara de Janus, que simboliza o passado e o futuro, e é considerado o deus das escolhas e das decisões; pode auxiliar num processo reflexivo ao desejar uma universidade que seja mais que uma empresa e melhor do que uma escrava da lógica da competição econômica.

Neste desvelar, uma história se faz presente, para ilustrar; o general romano Pompeu disse certa vez aos seus marinheiros temerosos: -Viver é preciso, navegar não é. Fernando Pessoa tornou desta frase, uma poesia e completou “necessário é criar”, e da necessidade de se envolver no que se faz, pois “o propósito impessoal de engrandecer a pátria e contribuir para a evolução da humanidade”.

Talvez seja preciso transformar o DNA da universidade brasileira, para que se tenha uma Universidade pública, de qualidade na qual se preserva sua história, tem uma identidade e trabalha pela cidadania planetária e contribui para a humanidade.

* Eliana Curvelo é professora de Arte, Mestre em Educação Escolar pela Faculdade de Ciências e Letras da Unesp em Araraquara (FCLAr), ex-assessora pedagógica da FMVZ e FCA de Botucatu.
Fonte: Oscar Alejandro Fabian D Ambrosio - ACI



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.