Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Urna eletrônica, segurança e a busca da fiabilidade do eleitor

Urna eletrônica, segurança e a busca da fiabilidade do eleitor

24/06/2022 Bady Curi Neto

Há muito venho defendendo a lisura das urnas eletrônicas.

Não coaduno, ao menos enquanto não provado em contrário, com discursos da insegurança do nosso sistema de votação eletrônica, por conseguinte a possibilidade de fraudes eleitorais.

A verdade é que em todos estes anos em que o Brasil passou adotar o sistema de votação eletrônica nunca houve uma denúncia, minimamente séria, que levasse a conclusão de que as urnas são vulneráveis ou votos nela digitados pelo eleitor não fossem para o real candidato que desejara.

Não menos verdade, que a desconfiança na sua eficiência passou a alcançar grande parte do eleitorado e dos candidatos, sejam estes vencedores ou derrotados no pleito eleitoral que participara.

Os discursos de alguns representantes do povo, assim como as falas do Presidente da República, fizeram aumentar o ar de incredulidade na efetividade das urnas, não restam dúvidas.

A resistência de alguns Ministros da mais alta corte com os votos auditáveis e a rejeição da PEC135/19 (que tornava obrigatório o voto impresso) não esvaziou as desconfianças da segurança das urnas eletrônicas.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na figura do então presidente, Ministro Luís Roberto Barroso, convidou técnicos das Forças Armadas para uma Comissão de Transparência das Eleições.

Porém, pelo que se tem noticiado pela imprensa, as sugestões dos técnicos das Forças Armadas não foram acatadas, tendo o atual presidente, Ministro Fachin, em triste frase de efeito, dito, em discurso, que “Quem trada de eleições são forças desarmadas”, o que deixou transparecer uma provocação àquela importante instituição da República, que foram “convidadas” no intuito de contribuir em Comissão para Transparência das Eleições, trazendo segurança para o eleitorado. 

Destaca-se, conforme publicado no Jornal da USP, em artigo intitulado Cientistas explicam como as urnas eletrônicas podem ser mais seguras, os seguintes parágrafos dali extraídos:

“Se você acredita que essa discussão sobre a necessidade do voto impresso é recente e só veio à tona nas vésperas das eleições de 2018, caiu em mais uma notícia falsa. No meio científico, o debate sobre a segurança das urnas existe desde 1996 e ganhou força a partir da realização dos testes públicos de segurança e da realização de eventos que acontecem desde 2013, quando Gazziro organizou o 1º Fórum Nacional de Segurança em Urnas Eletrônicas no ICMC. Desde aquele momento, os cientistas alertam para as diversas vulnerabilidades encontradas no sistema eleitoral brasileiro.”

“Não estou dizendo que a urna já foi fraudada. Durante todos esses anos eu nunca vi provas convincentes deste tipo de fraude no Brasil, o que não quer dizer que não houve. Este é exatamente o problema: a urna sofre de uma falta de transparência muito séria. É tão mal concebida que a sua segurança não pode ser comprovada”, escreve o professor Jeroen van de Graaf, do departamento de Computação da Universidade Federal de Minas Gerais, no livro 'O mito da urna eletrônica – desvendando a (in)segurança da urna eletrônica'.

Agora, nesta terça-feira (21), o atual Presidente do TSE determinou a instauração de um processo administrativo a fim de acompanhar os procedimentos de fiscalização e auditoria do sistema eletrônico de votação deste ano.

Segundo informação do G1, “A instauração do processo foi uma reação a dois ofícios enviados na véspera a Fachin pelos ministros da Defesa e da Justiça, Paulo Sérgio Nogueira e Anderson Torres, respectivamente”.

Independentemente de quem assiste a razão, daqueles que, como eu, acreditam na credibilidade das urnas eletrônicas ou de posicionamentos contrários, fato é que o que está em jogo é algo seríssimo, ou seja, a insuspeição do maior espetáculo da democracia - as eleições - na qual cada indivíduo do povo possa ter a certeza que ao escolher seu representante nas casas legislativas e no poder executivo seu voto não esteja sendo maculado por possíveis fraudes.

Todas estas celeumas, dúvidas, desconfianças e indagações, que nada ajudam para consolidação da democracia, teriam sido evitadas com a aprovação do voto auditável.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre urna eletrônica clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.