Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Vacas (nem tão) sagradas

Vacas (nem tão) sagradas

14/08/2014 João Luiz Mauad

Uma das “vacas sagradas” da esquerda atua – além da eterna reverência ao velhaco Karl Marx – são os modelos econômicos e sociais dos países nórdicos, notadamente o sueco.

Não raro, sempre que tentamos demonstrar as inegáveis vantagens do capitalismo sobre quaisquer modelos socialistas, chovem argumentos baseados no sucesso dos sistemas de bem estar praticados naqueles países. Já tive a oportunidade de escrever acerca do modelo sueco, explicando que a Suécia é uma economia de mercado, engessada, em boa medida, pelo pesado fardo de um Estado inchado, malgrado bastante eficiente, pelo menos quando comparado com a maioria dos demais Estados.

Embora os arautos da esquerda enxerguem na Suécia um exemplo indiscutível de como combinar altos níveis de prosperidade e qualidade de vida com altos índices de redistribuição de renda, a história revela algo bem distinto: o sucesso daquela nação nórdica não decorre das políticas de bem-estar, mas apesar delas.

Independentemente das discussões acerca da sua eficiência econômica, a maior prova de que, mesmo após a introdução do modelo de bem estar, a Suécia – assim como os demais países do norte europeu – continuou respeitando todas as instituições clássicas do modelo capitalista; como lembrou o economista Scott Summer, está no ranking de Liberdade Econômica divulgado pela Heritage Foundation. De acordo com ele Hong Kong e Singapura estão há anos nos primeiro e segundo lugares da publicação.

No entanto, se nós restringirmos a análise a 8 das 10 categorias que formam o ranking (deixando de fora os quesitos impostos e gastos do governo), quem apareceria em primeiro lugar seria a Dinamarca, enquanto a Suécia ficaria entre os seis primeiros. Portanto, apesar de possuírem cargas tributárias e gastos públicos elevados, os países nórdicos apresentam níveis elevadíssimos de liberdade nos negócios, no mercado de trabalho (legislação trabalhista), liberdade de comércio (principalmente com o exterior), liberdade financeira e de investimentos.

Alguns dirão que a Heritage Foundation é uma instituição conservadora e, portanto, não confiável. Ocorre que os países nórdicos também figuram todos no topo do ranking “Doing Business”, divulgado pelo Banco Mundial. De acordo com esse estudo, também anual, a Dinamarca aparece em 5º, a Noruega em 9º e a Suécia em 14º lugar, entre os 189 países analisados.

Isso quer dizer que o ambiente de negócios nessas nações, consideradas por muitos da esquerda como exemplo de socialismo moderno, é muito mais atrativo aos investimentos privados do que vários daqueles tachados rotineiramente pela própria esquerda de modelos neoliberais, como o Brasil. Em resumo, como demonstram os dados acima, altos impostos e gastos públicos elevados, por si sós, não são sinônimos de socialismo.

*João Luiz Mauad é Administrador de Empresas e Diretor do Instituto Liberal.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.