Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vamos cuidar bem de nosso quintal

Vamos cuidar bem de nosso quintal

24/10/2012 Alfredo Bonduki

A crise internacional tem desviado o foco dos Estados, inclusive nos países desenvolvidos, de questões ligadas à poluição, mudanças climáticas e sustentabilidade.

Assim, tornam-se mais importantes as iniciativas da sociedade na viabilização de um mundo economicamente próspero, socialmente justo e ambientalmente saudável. Estes princípios da triple botton line, no contexto do capitalismo democrático, têm nas empresas o seu grande bastião.

O Brasil, cuja liderança é ascendente no tocante aos temas de interesse multilateral, já avançou alguns passos no âmbito dos compromissos das empresas e da sociedade. O melhor exemplo disso é a Política Nacional dos Resíduos Sólidos, instituída por lei, que prevê, dentre outros itens, a logística reserva, a cargo dos próprios setores produtivos. Isso significa que fabricantes/importadores, distribuidores e varejistas terão de se unir para tirar do meio ambiente os resíduos e embalagens descartáveis dos produtos que fabricam e comercializam.

Esse imenso trabalho irá somar-se ao aumento da reciclagem e à obrigatória erradicação dos lixões, a partir de 2014, na promessa de imenso ganho ambiental para as cidades. Nesse processo, que envolve praticamente todas as cadeias produtivas, há amplo espaço para a inclusão social, em especial por meio das cooperativas de catadores, e para a participação da comunidade, cuja missão será sempre exponencial, tanto contribuindo para a logística reversa, quanto para o sucesso da coleta seletiva do lixo.

Um exemplo do engajamento do universo produtivo no enfrentamento dos desafios da sustentabilidade encontra-se na indústria têxtil paulista. O Sinditêxtil-SP, que a representa, acaba de lançar o Projeto “Retalho Fashion”, que organizará o descarte e a coleta de retalhos e sua venda a indústrias recicladoras. Também serão capacitadas pessoas pelo Senai para a coleta e seleção do material, com geração de emprego e renda. Ou seja, uma resposta precisa e antecipada à Política Nacional de Resíduos Sólidos e que transcende ao marco legal, já que o setor não está incluído entre os obrigados à prática da logística reversa.

Em 2011, o Brasil importou 13,47 mil toneladas de trapos, ao valor de US$ 13 milhões. Contudo, somente no Bom Retiro, em São Paulo, são geradas 6 toneladas diárias de resíduos têxteis. O Brasil é o quarto maior produtor mundial de algodão e o quinto maior produtor têxtil do planeta, gerando aproximadamente 170 mil toneladas mensais de resíduos. Ora, não podemos continuar importando o que jogamos no lixo. Daí a pertinência do novo programa.

O Sinditêxtil-SP, responsável pela edição do Guia de Produção Mais Limpa, também apresentou à Cetesb reformas no regimento e na representatividade na Câmara Ambiental, tornando-a mais eficaz  e democrática. O setor têxtil investe R$ 2 bilhões por ano na produção, e boa parte desses aportes destina-se ao desenvolvimento de novas tecnologias ambientais. A entidade, cujas empresas filiadas são as que mais aplicam recursos em sustentabilidade, preocupa-se, ainda, com o primeiro emprego dos jovens e a absorção de trabalhadores com baixo nível escolar.

Ademais, as indústrias têxteis paulistas tratam 100% seus efluentes, reutilizam a mesma água, aproveitam seus próprios resíduos para gerar energia, utilizam corantes semanilinas azoicas (que podem provocar alergias e afetar pacientes de asma e bronquite), utilizam fios de pet reciclado e fibras alternativas como de cana-de-açúcar e pneu reciclado. Ou seja, a atividade está se tornando protagonista da moda sustentável.

Como se observa, os setores produtivos brasileiros têm respaldado a liderança crescente do País nas negociações multilaterais relativas à sustentabilidade. Se as nações desenvolvidas e algumas das emergentes estão despreocupadas com o Planeta, vamos dar o exemplo e cuidar muito bem de nosso quintal!

Alfredo Bonduki, engenheiro formado pela Escola Politécnica da USP, é empresário e presidente do Sinditêxtil-SP.



Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.


Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Evolução da telessaúde

Maior segurança e respeito à autonomia de profissionais e pacientes.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Um doidivanas incorrigível

Todos reconhecem Camilo Castelo Branco, como escritor talentoso. Admiram-lhe a riqueza do vocabulário e a vernaculidade da prosa.


O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.